Categorias

Android

Games

Notícias Linux

Tutoriais Linux

Vídeos

Notícias Linux

26/01/2021 às 14:15

19 min leitura

Avatar Autor
Por Claylson Martins

Fedora, Ubuntu e Arch Linux devem descartar navegador Chromium por causa de novas restrições do Google

Chromium

Mudanças recentes na API do Chromium estão causando uma verdadeira avalanche de reclamações. Pelo menos boa parte de distribuidores Linux reclamam de novas restrições do navegador Chromium do Google, no qual muitos outros browsers se baseiam. O grande sucesso mesmo fica por conta do Chrome. Porém, o Chromium também possui adeptos fieis que gostariam de ter a versão livre do navegador em seus sistemas, especialmente o Linux. Entretanto, como todo caso de amor, há muitos problemas. Pelo menos duas distribuições falam em abandonar o uso do browser. Fedora e Ubuntu devem descartar navegador Chromium por causa de novas restrições do Google.

O Google afirma ter encontrado recentemente navegadores de terceiros baseados em Chromium que integram recursos baseados em nuvem do Google. É o caso da sincronização do Chrome e Click to Call, que eram destinados apenas para usuários do Google Chrome. Em outras palavras,

Isso significava que uma pequena fração de usuários poderia entrar em sua Conta do Google e armazenar seus dados pessoais de sincronização do Chrome, como favoritos, não apenas com o Google Chrome, mas também com alguns navegadores de terceiros baseados no Chromium.

Concorrentes usaram recursos exclusivos do Google

O Google não gostou nada de ver recursos que considera exclusivos presentes na concorrência. Então, a partir de 15 de março, o Google disse que limitará o acesso a muitas interfaces de programação de aplicativos (API) do Chrome dentro do Chromium.

Portanto, os usuários que usam o navegador Chromium ou qualquer outro navegador baseado em seu código-fonte aberto perderão a capacidade de usar a maioria dos serviços habilitados para API específicos do Google. Isso inclui a capacidade de sincronizar favoritos do Chrome, verificar a ortografia, localizar seus contatos, traduzir texto e assim por diante.  

Só para Chrome

Muitos usuários também não estão felizes com essa decisão. Thom Holwerda, editor-chefe da OSNews, falou por muitos quando escreveu: O Google “não está fechando uma brecha de segurança, eles apenas exigem que todos usem o Chrome. Ou, para ser claro, eles não querem que você acesse a funcionalidade da API do Google sem usar software proprietário (Google Chrome).

Os desenvolvedores podem, depois de passar pelos obstáculos necessários para obter chaves de API e um ID de cliente OAuth 2.0, obter chaves para essas APIs. Porém, o Google sublinha, “que as chaves que você agora adquiriu não são para fins de distribuição e não devem ser compartilhadas com outros usuários.”

Em tese, um desenvolvedor poderia retirar as chaves de API da linha principal do Chrome e manter a funcionalidade de compilação do Google do Chromium. No entanto, isso pode levar a uma ação judicial. 

Além disso, Jochen Eisinger, Diretor de Engenharia do Google Chrome Trust & Safety comentou sobre o grupo de desenvolvedores do Google Chromium:

Não removeremos a API de sua chave, mas limitaremos a cota para o desenvolvimento. … isso tornará as chaves inadequadas para uso em produção. Essas APIs não foram projetadas para serem usadas por software de terceiros. Portanto, com exceção de uma reescrita completa, infelizmente não há [outra] opção.

Então, como ficam os distribuidores Linux que vêm empacotando o Chromium? 

Portar o Chromium para o Linux não é algo simples. Alan Pope, gerente de comunidade da Canonical para o serviço de engenharia do Ubuntu Linux, explicou por que a Canonical começou a enviar o Chromium em um contêiner Ubuntu Snap em vez de em um pacote DEB:

Manter uma única versão do Chromium é um investimento de tempo significativo para a equipe do Ubuntu Desktop que trabalha com a equipe de segurança do Ubuntu para entregar atualizações para cada versão estável. Como as equipes suportam várias versões estáveis ??do Ubuntu, a quantidade de trabalho é composta. Comparar essa carga de trabalho com outras distribuições Linux que têm uma única versão contínua com suporte perde a nuance de suportar várias versões de suporte de longo prazo (LTS) e não-LTS.

O Google lança uma nova versão principal do Chromium a cada seis semanas, normalmente com várias versões secundárias para solucionar as vulnerabilidades de segurança intermediárias. Cada nova versão estável deve ser construída para cada versão suportada do Ubuntu – 16.04, 18.04, 19.04 e a próxima 19.10 – e para todas as arquiteturas suportadas (amd64, i386, arm, arm64).

Fedora e Ubuntu devem descartar navegador Chromium por causa de novas restrições do Google

Embora o Snap tenha tornado isso mais usual, ainda não é fácil. De acordo com fontes, a Canonical ainda não decidiu se dará suporte ao Chromium sem o recurso do usuário final para as APIs específicas dos serviços do Google. 

O Linux Mint recentemente começou a empacotar seu próprio navegador Chromium. O líder do projeto, Clement “Clem” Lefebvre, continua com o Chromium. “Não vamos fazer nada. Continuaremos a embalar o Chromium.”

A comunidade Linux da Red Hat, distro Fedora, no entanto, estava pensando seriamente em descartar o Chromium. Tom Callaway, mantenedor do Chromium no Fedora, explicou que é porque o Google está “cortando o acesso ao Sync e” outras APIs exclusivas do Google “de todas as compilações, exceto Google Chrome. Isso tornará a compilação do Fedora Chromium significativamente menos funcional (junto com todas as outras distro empacotadas Cromo).”

No entanto, após consideração, Calloway explicou “Eu nunca disse que iria remover o Chromium do Fedora. Disse que estava considerando seriamente, porém, depois de muito pensar, decidi que havia usuários suficientes que ainda queriam, mesmo sem a funcionalidade fornecida pela API do Google.” Portanto, ao que parece, esse abandono será uma questão de tempo.

Calloway realmente deseja que o Google reconsidere sua posição. No entanto, ele vê pouca chance disso ocorrer. “O que mais me frustra”, Calloway twittou, “é como ninguém na equipe do Chrome entende o conceito de construção de uma comunidade de código aberto.”

Arch Linux também perto de descartar o Chromium

Os mantenedores do Arch Linux já pensaram nisso, mas, por enquanto, eles continuarão a manter o Chromium por perto mesmo após o prazo final de 15 de março. 

Eric Hameleers, que mantém o Chromium para o Slackware Linux, está descartando o Chromium. “Não vou empacotar e distribuir um Chromium para Slackware se esse pacote for prejudicado pela ausência de login no Chrome Sync. Não vou empacotar uma compilação do Chromium com o próprio ID e segredo do Google incorporados. Em vez disso, farei a coisa certa: aconselhar as pessoas a não usarem o Chrome e mudarem de vez para o Firefox.”

Com essa mudança, o Google prejudica mantenedores de código e desenvolvedores em várias distribuições Linux. Quando os usuários do Chromium descobrirem que as versões mais recentes não funcionarão como antes, eles também ficarão infelizes. 

ZDNet

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão. Nas horas não muito vagas, professor, fotógrafo, apaixonado por rádio e natureza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos

Newsletter

Receba nossas atualizações!

Newsletter

Receba nossas atualizações!
  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.