in

Cinco coisas que você precisa saber sobre a migração para a nuvem!

Microsoft esclarece os principais pontos para a adoção da tecnologia

Red Hat descobre que usuários corporativos estão adotando software de código aberto em um ritmo acelerado

De acordo com dados da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), o setor de computação em nuvem no Brasil deve atingir o valor de R$ 29 bilhões até 2021. E, mesmo com o crescimento acelerado e a adoção antecipada por startups, ainda há muitas dúvidas com relação ao uso da computação em nuvem nas empresas brasileiras.

Além de proporcionar a redução de custos – uma vez que elimina a necessidade de manutenção de uma infraestrutura própria – a nuvem permite a otimização de processos, integração entre áreas e mais tempo dedicado à inovação e a situações mais estratégicas de negócio.

Um exemplo prático de ferramentas em nuvem e seus benefícios para a produtividade no dia a dia de escritório é o Microsoft 365, que inclui o Windows 10, o Office 365 e o Enterprise Mobility + Security (EMS). Com ele, é possível editar e gerenciar arquivos de qualquer dispositivo e em qualquer lugar; facilitar o trabalho em equipe por meio do compartilhamento de acesso; e, ainda, assegurar a segurança de armazenamento e gerenciamento, de acordo com as necessidades da companhia.

Abaixo, a Microsoft esclarece alguns dos pontos mais comentados sobre a utilização da computação em nuvem e exemplifica funcionalidades do Microsoft 365:

Utilização de nuvem híbrida: Compreender que a mudança não precisa contemplar toda a companhia é o primeiro passo. O uso de computação em nuvem com abordagem híbrida, permite que as empresas comecem migrando áreas específicas – ou um único workload – e expandam a utilização da tecnologia aos poucos a partir do aprendizado e entendimento dos setores prioritários.

Com essa abordagem a companhia consegue manter seus sistemas legados e ainda se conectar a novos ambientes em nuvem, já simplificando os processos de TI e permitindo escalabilidade, ou seja, excluindo a necessidade de aquisição de novos equipamentos de acordo com a demanda ou o desperdício de investimentos em tecnologia em desuso. 

Controle dos dados: Com a migração, a companhia continua tendo 100% do controle dos seus dados, conseguindo, inclusive, configurar direitos e restrições, limitar acesso entre seus próprios funcionários, de acordo com as áreas e o nível de sensibilidade de cada informação. Esse é um ponto fundamental, por exemplo, quando se pensa na adequação de empresas de todos os portes e setores a legislações como a europeia (GDPR) e a LGPD, que é a Lei Geral de Proteção de Dados no Brasil.

Segurança: As soluções de segurança funcionam como uma extensão da equipe de tecnologia. Elas buscam reforçar a garantia de privacidade e identificar comportamentos suspeitos, em tempo real, com a utilização de inteligência artificial. Nesse âmbito, a Microsoft investe mais de US$ 1 bilhão todos os anos e detecta ameaças em 300 bilhões de autenticações de usuários, um bilhão de dispositivos Windows e cerca de 200 bilhões de e-mails por mês.

A solução Enterprise Mobility + Security (EMS), presente no Microsoft 365, por exemplo, fornece o gerenciamento de identidade e acesso, proteção de dados confidenciais, detecção e investigação de ameaças avançadas.

Atualizações: Todas as atualizações são fornecidas automaticamente a partir do seu lançamento, sem a necessidade de o setor de TI da companhia ter que parar os processos para aplicá-la. Essa facilidade faz com que os profissionais tenham mais tempo para se dedicar a ações proativas, em detrimento de manutenções periódicas.

Otimização: A partir da redução do tempo de manutenção dos hardwares e atualizações de software, as equipes responsáveis pela tecnologia conseguem se concentrar em inovações e iniciativas de desenvolvimento interno, seja em melhorias de outras operações ou no incentivo ao conhecimento e capacitação de sua equipe em novas tecnologias.

Escrito por Emanuel Negromonte

Fundador do SempreUPdate. Acredita no poder do trabalho colaborativo, no GNU/Linux, Software livre e código aberto. É possível tornar tudo mais simples quando trabalhamos juntos, e tudo mais difícil quando nos separamos.

IPFire Open-Source Linux Firewall fica melhor e QoS mais rápido

IPFire Open-Source Linux Firewall fica melhor e QoS mais rápido

Hackers tentam roubar tecnologia e segredos da BMW e Hyundai

Espionagem cibernética vira política de Estado