in

Como a Internet das Coisas e o código aberto estão protegendo animais raros

O uso da conectividade LoRaWAN para colares predadores permite o rastreamento GPS de alta frequência.

Como a Internet das Coisas e o código aberto estão protegendo animais raros
Imagem: Semtech.

A Internet das Coisas oferece maneiras sofisticadas de proteger animais raros. As redes de comunicação podem cobrir lugares selvagens e os sensores podem monitorar animais, seres humanos e equipamentos quase em tempo real.

Por exemplo, a Smart Parks é uma empresa sediada na Holanda/Reino Unido que fornece soluções de tecnologia para proteção da vida selvagem, com foco em espécies-chave que são essenciais para manter a diversidade. Dessa forma, Laurens de Groot, co-fundador da Smart Parks, disse ao site ZDNET:

Começamos há três anos, em pequena escala, em Mkomazi, na Tanzânia, onde fomos os primeiros a colocar sensores LoRa em um rinoceronte preto. Desde então, construímos Parques Inteligentes no Malawi, Tanzânia, Ruanda, Quênia, Congo, Índia, Zâmbia, Namíbia e Holanda. Também fornecemos nossa tecnologia de sensores para vários parques existentes com sua própria infraestrutura LoRaWAN. No momento, temos mais de setenta rinocerontes e centenas de outras espécies sob a nossa supervisão de parques inteligentes.

Como a Internet das Coisas e o código aberto estão protegendo animais raros

Em 2019, a Smart Parks lançou a iniciativa OpenCollar, que tem como objetivo atrair e inspirar estudantes talentosos, pesquisadores e conservacionistas conhecedores de tecnologia para desenvolver sistemas de rastreamento mais personalizáveis e mais adequados para uso em diferentes animais. O primeiro produto deste projeto foi o OpenCollar Elephant Tracker modular (os detalhes estão disponíveis no GitHub), atualmente em teste no Liwonde National Park, uma reserva de parques africanos no Malawi.

Como a Internet das Coisas e o código aberto estão protegendo animais raros
Imagem: Smart Parks | African Parks.

O mais recente projeto OpenCollar envolve colares GPS baseados em LoRaWAN instalados em leões e guepardos. O uso da conectividade LoRaWAN para colares predadores permite o rastreamento GPS de alta frequência, juntamente com a duração da bateria medida em anos, em vez de meses.

Como resultado, o gerente do Parque Nacional de Liwonde, Craig Reid, disse:

Temos a capacidade de monitorar nossas espécies prioritárias com precisão, confiabilidade e por um longo período de tempo.

Por fim, de Groot, da Smart Parks, é positivo sobre o papel da Internet das Coisas na conservação da vida selvagem:

Com a indústria em rápida evolução em torno da Internet das Coisas, agora também somos capazes de fornecer aos parques a capacidade de detectar tiros usando sensores acústicos e reconhecer intrusos com câmeras inteligentes que trabalham com machine learning. É apenas uma questão de tempo até que possamos medir remotamente o status de saúde animal.

Fonte: ZDNET