in

Coronavírus: como a Internet está lidando com todo o seu tráfego extra

Desde trabalhadores remotos no Zoom até crianças brincando, como as redes de banda larga e móveis estão lidando com a demanda adicional por conectividade.

Coronavírus: como a Internet está lidando com todo o seu tráfego extra

A pandemia global da COVID-19 está forçando mais funcionários a trabalharem em casa todos os dias. Assim, cada um de nós está se conectando ao roteador de nossa casa para realizar um número recorde de videoconferências. Isso tem gerado uma grande pressão nas redes de banda larga para apoiar uma demanda sem precedentes por conectividade.

São chamadas diárias do WhatsApp para falar com parentes, e streaming e jogos de crianças de quarentena em casa, e é fácil ver que os provedores de rede enfrentam, na maioria dos países, um enigma crescente. Garantir acesso confiável à conectividade e para todos os usuários o tempo todo, suportando muito mais tráfego on-line do que o habitual, pode exigir algumas soluções criativas dos operadores.

A Comscore revela que o uso de dados em casa nos EUA aumentou 18% de 1 a 17 de março em comparação com o mesmo período do ano anterior. O uso aumentou à medida que as escolas fecham e as pessoas trabalham em casa. O uso de dados domésticos em TVs conectadas aumentou 27% em março em relação ao ano anterior, com alto-falantes inteligentes em 30% e telefones em 34%.

Coronavírus: como a Internet está lidando com todo o seu tráfego extra

Coronavírus: como a Internet está lidando com todo o seu tráfego extra

Algumas semanas atrás, cinco das principais operadoras da Espanha, incluindo Orange e Vodafone, assinaram uma carta avisando que suas redes poderiam entrar em colapso devido a um aumento de 40% no tráfego através de redes IP e 50% de aumento nas chamadas de voz, e pedindo um uso mais responsável da Internet. Na mesma linha, a Netflix concordou em reduzir suas taxas de bits de streaming na Europa para ajudar a manter o tráfego da Internet sob controle durante a pandemia, assim como Amazon, Apple TV +, Disney + e Facebook.

O comissário europeu Thierry Breton chegou a iniciar um #SwitchToStandard, para recomendar o uso de definições mais baixas quando a DH não é necessária para diminuir a pressão nas redes.

No Reino Unido, no entanto, o tom é mais tranquilizador. Em vez de pedir aos clientes que se abstenham de usar serviços de Internet, os provedores de rede insistiram que sua infraestrutura é capaz de suportar o aumento da demanda. A ISPA-UK, organização que representa os provedores de serviços de Internet, disse que as redes já foram construídas para o uso máximo à noite, quando os usuários voltam para casa e transmitem vídeo e outros conteúdos. Os aplicativos demandados fora do trabalho, como jogos, rolagem de mídia social e streaming, consomem muito mais dados do que as ferramentas de trabalho, o que significa que as redes de banda larga devem estar preparadas para lidar com o uso adicional de WFH.

Por exemplo, enquanto a transmissão do jogo pelo Twitch exige de 3 a 6 Mbps, os funcionários precisariam apenas de 1,5 Mbps para participar de uma reunião com o Zoom. Além do mais, é provável que o aumento no tráfego de trabalhadores agora confinados em suas casas.

Maior uso de dia

Coronavírus: como a Internet está lidando com todo o seu tráfego extra

James Barford, analista de telecomunicações da Enders Analysis, disse ao ZDNet:

O que mais aconteceu até agora é um aumento no uso da banda larga durante o dia. Portanto, há muito mais gigabytes passando pela rede, mas eles o fazem quando a rede não estava. ocupado, o que o torna amplamente gerenciável. Estou bastante confiante de que os fornecedores serão capazes de lidar com essa tendência.

Os operadores de rede no Reino Unido relataram saltos significativos no tráfego. A Virgin viu o tráfego upstream aumentar em até 95% durante o dia nesta semana, enquanto Howard Watson, chefe de tecnologia e informações da BT, disse que a demanda durante o dia durante a semana aumentou de 30 a 60%. Watson, no entanto, sustentou que o tráfego diurno atingiu um pico de 7,5 TB/s – nem metade do recorde de 17,5 TB/s atingido pelos picos noturnos e com o qual ele disse que a rede pode lidar.

A Vodafone está atingindo um tom semelhante. Um porta-voz disse à ZDNet:

Nossas redes continuam fortes. Temos espaço suficiente para atender à crescente demanda e manter o Reino Unido conectado. Estamos vendo um aumento de cerca de 30% no tráfego da Internet em nossas redes fixas e móveis. Além disso, o tráfego de telefonia cresceu mais de 25% e o tráfego de voz móvel aumentou 42%.

Vale ressaltar que na semana passada, a Vodafone adicionou capacidade extra às suas redes fixas, de banda larga e móveis para lidar com o aumento da demanda. A mudança não é, obviamente, sem precedentes; o CEO da empresa, Nick Jeffrey, disse que grandes picos no uso de dados foram suportados com sucesso no passado, com o exemplo mais recente ocorrendo apenas no último Natal, quando a transmissão ao vivo de futebol gerou níveis recordes de tráfego.

Crescimento de até 30% ao mês

O analista da Enders, Barford, disse que, embora o aumento da capacidade não seja novidade para os provedores de banda larga, a velocidade com que eles são obrigados a fazer isso diante de um vírus que se espalha rapidamente é um novo desafio.

Os fornecedores nunca viram algo assim antes, disse ele. Eles sabem como aumentar a capacidade porque ela cresce entre 30-40% ao ano nos últimos dez anos. Mas crescer 30-40% ao mês será mais desafiador.

É difícil prever como as tendências de consumo mudarão nas próximas semanas e, portanto, como os provedores de rede podem se preparar para o futuro. Um porta-voz da Virgin Media disse que uma avaliação completa foi realizada e planos de continuidade foram implementados, e que por enquanto “qualquer aumento de uso observado durante o dia, causado por mais pessoas trabalhando em casa, por exemplo, será atendido pelos nossos atuais capacidade de rede”.

Como a pandemia afeta mais indústrias e ameaça empregos em todos os campos, no entanto, tem havido um foco crescente em garantir que a conectividade não seja apenas confiável, mas também acessível a todos que precisam. Este é um desafio que provavelmente crescerá demais em o futuro próximo.

Ofertas em tempos de crise do coronavírus e o consumo de internet banda larga

Em uma tentativa de impedir que clientes mais vulneráveis sejam cortados da Internet, a BT anunciou recentemente que removeria todos os limites dos planos de banda larga doméstica, para fornecer aos usuários dados ilimitados. Da mesma forma, a Virgin Media concede a 2,7 milhões de clientes pagos mensalmente minutos ilimitados para telefones fixos e outros números de celular, além de um aumento de 10 GB nos dados, sem custo adicional, por um mês.

Tais esforços estão alinhados com anúncios recentes de provedores de banda larga nos EUA, igualmente motivados pelas dificuldades potenciais que os clientes enfrentarão para sobreviver – em um momento em que a banda larga decente está rapidamente se tornando uma necessidade. A AT&T, por exemplo, disse que renunciará ao limite de dados e não aplicará taxas de pagamento em atraso; enquanto a Verizon, além de renunciar às cobranças excedentes, prometeu não encerrar o serviço ou exigir multas por atraso.

Mais de 550 empresas norte-americanas prometeram lealdade à iniciativa Keep Americans Connected, lançada esta semana pela Federal Communications Commission (FCC), que solicita aos provedores de banda larga e telefone “garantir que os americanos não percam sua conectividade de banda larga ou telefone como um resultado dessas circunstâncias excepcionais”.

Algumas operadoras de rede, como a Charter, deram um passo adiante: a empresa americana anunciou no início deste mês que ofereceria banda larga de espectro livre e acesso Wi-Fi por 60 dias a famílias de estudantes que ainda não tinham uma assinatura de banda larga.

Os operadores no Reino Unido parecem mais relutantes em oferecer banda larga gratuita para partes da população. Foi relatado que o ISPA-UK estava em negociações iniciais com o governo sobre medidas de apoio adicionais, que poderiam incluir o fornecimento de serviços gratuitos. Entende-se que os membros da organização estão resistindo à proposição.

Um porta-voz da ISPA disse que a “prioridade número um” no momento é garantir que os clientes possam acessar serviços on-line e que o desempenho da rede seja mantido. A organização acrescentou que os provedores de serviços de Internet estão “procurando maneiras” de direcionar o suporte a apoiadores vulneráveis.

Conexão grátis pode não ser o melhor caminho?

Para Barford, a conectividade gratuita não é necessariamente o melhor caminho a seguir.

O coronavírus é enormemente perturbador para toda a economia e, em algumas áreas, medidas excepcionais precisam ser tomadas por necessidade – como o apoio do governo a trabalhadores sob licença, disse ele. Mas você quer fazer isso pela parte mínima da economia. Se possível, você quer que as pessoas continuem pagando por sua banda larga de maneira normal e que as empresas de telecomunicações continuem pagando seus funcionários de maneira normal. O dinheiro continua a fluir da maneira que deveria.

Segundo Barford, medidas como elevar os limites de dados ou estabelecer condições especiais para quem luta para pagar suas contas serão esforços mais frutíferos. Trata-se de alcançar o que é possível em um período extremamente curto, em vez de buscar o resultado ideal, disse ele.

Sua posição foi ecoada por Matt Evans, diretor de mercados do órgão da indústria de tecnologia TechUK, que enfatizou que as empresas de telecomunicações estão trabalhando no ritmo para manter a economia o máximo possível em toda a pandemia da COVID-19. Fornecer banda larga gratuita, pode parecer “uma solução perfeita para esse período”; mas ele explicou que o custo é apenas um, e não o maior desafio.

Atualmente, a indústria está concentrando seus esforços em garantir que aqueles que estão conectados possam permanecer conectados, disse Evans. Isso envolve esforços de sites do NHS com classificação zero para contratos móveis, impedindo que os clientes sejam desconectados devido ao não pagamento para priorizar reparos e serviços para clientes vulneráveis.

Fibra óptica

Enquanto isso, acrescentou Barford, há lições a serem aprendidas com a confusão que a COVID-19 já causou e pode causar nas próximas semanas para os operadores de rede. Ou seja, que a melhor solução está na banda larga com fibra total – um tipo de conectividade que apenas 10% das residências e empresas do Reino Unido atualmente desfrutam, o que proporciona maiores velocidades de download e é muito mais confiável que a banda larga à base de cobre.

Um dos problemas que Barford previu para as operadoras em um futuro próximo é a necessidade de corrigir rapidamente os problemas inevitáveis que surgirão na rede física baseada em cobre, à medida que um número maior de pessoas se conecta ao seu provedor de banda larga doméstico. Uma rede de banda larga mais suave e com fibra óptica, por outro lado, criaria uma solução muito mais confiável.

A situação atual enfatiza a necessidade de implantação de fibra completa no Reino Unido, concluiu Barford. A vantagem não é apenas a velocidade; é também a resiliência. A fibra completa tem muito menos e muito mais fácil de corrigir falhas de rede.

Como está no Brasil?

Coronavírus: como a Internet está lidando com todo o seu tráfego extra
Imagem: Reprodução | Tech Spot.

Obviamente, em tempos de confinamento forçado, a situação por aqui também não é muito diferente do que ocorre nos Estados Unidos e Europa. As compras pela internet dispararam e a rede está sobrecarregada.

Os números não deixam dúvidas. No último dia 18 de março o consumo chegou a 10 Tbps. No fim de semana 21 e 22/3 mostrou outro salto: o tráfego superou 11 Tbps, batendo todos os recordes. Os números foram divulgados pela entidade Nic BR (Ponto BR). A internet no Brasil já cresceu 60% em um ano, 43% em seis meses e 25% desde janeiro. Assim, está demandando maior capacidade para atender à população.

De acordo com a Nic.BR, a internet brasileira ainda está dentro de uma zona de conforto. A capacidade instalada é mais do que o dobro do consumo atual, mesmo com o novo recorde, por volta de 25 Tbps.Portanto, no momento não estamos usando nem 50% da capacidade total.  

ZDNet

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

Bug crítico afeta milhões de dispositivos de rede baseados em OpenWrt

Bug crítico afeta milhões de dispositivos de rede baseados em OpenWrt

MalwareBazaar: Conheça um repositório de malwares!

MalwareBazaar: Conheça um repositório de malwares!