in

Debian tem mais bugs que o Windows

Ubuntu ocupa o quinto lugar. Veja o relatório e tire suas conclusões.

Debian tem mais bugs que o Windows

Quando se fala em vulnerabilidades no sistema operacional, lembramos logo do do Windows, certo? Pois é, para surpresa de muitos, você está redondamente errado! Pelo menos de acordo com pesquisa recente feita pela theBestVPN.com. O relatório mais recente argumenta que o sistema operacional Debian Linux está no topo da lista de sistemas operacionais com o maior número de vulnerabilidades. Nos últimos 20 anos, o Debian Linux relatou 3.067 vulnerabilidades de tecnologia. Em 2019, atrás do sistema operacional Android, o Debian se tornou o segundo maior sistema operacional vulnerável, com 360 bugs. Assim, segundo o relatório, o Debian tem mais bugs que o Windows.

Debian tem mais bugs que o Windows

Debian lidera bugs no Linux mais altos desde 1999 e Ubuntu ocupa o quinto lugar

Debian lidera bugs no Linux mais altos desde 1999 e Ubuntu ocupa o quinto lugar

Segundo o relatório, uma vulnerabilidade técnica é uma característica ou configuração que os invasores podem explorar para obter acesso não autorizado ou usar indevidamente uma rede e seus recursos.

O relatório de análise conclui os resultados extraindo dados do Banco de Dados Nacional de Vulnerabilidades. De acordo com o relatório, o Ubuntu baseado no Debian também ocupa o quinto lugar com 2.007 falhas relatadas entre 1999 e 2019.

Debian lidera bugs no Linux mais altos desde 1999 e Ubuntu ocupa o quinto lugar

Produtos baseados em Linux têm as maiores falhas

Incluindo todos os componentes de tecnologia, 894 vulnerabilidades técnicas foram relatadas em 1999. Mas, com os avanços da tecnologia, essas falhas também continuam aumentando, chegando a 12.174 em 2019.

gráfico de vulnerabilidades totais a cada ano
Somente no ano de 2018 foram revelados 16.556 bugs mais perigosos com o Debian GNU/Linux, contribuindo com a maioria das 1.197 dessas vulnerabilidades. Além disso, a maior vulnerabilidade por produto Linux foi 139,4.

Falando sobre o ataque para explorar essas falhas, a execução do código representa 25,3%, seguidos pelos scripts entre sites, com 17,7%. Recentemente, também foram mostrados métodos que os hackers estão usando para explorar o sistema Linux, como espionagem na nuvem e falha no RCE de 17 anos.

O Linux está realmente em alto risco?

Debian lidera bugs no Linux mais altos desde 1999 e Ubuntu ocupa o quinto lugar

Se você observar o resultado geral, nenhuma vulnerabilidade relacionada ao Linux se enquadra nos principais produtos de maior risco; isso significa que não há distros ou componentes baseados em Linux que os hackers usem para prejudicar o sistema em larga escala.

Os erros do Linux podem ser altos em número, mas também são corrigidos em alguns dias. O Linux tem uma comunidade muito forte e continua aumentando com o tempo e o apoio de grandes partes interessadas privadas como a Microsoft .