in

Estudante dos Estados Unidos é acusado de desenvolver uma versão do Gentoo para o ISIS

Estudante de Chicago agora pode pegar até 20 anos de prisão se considerado culpado.

Estudante dos Estados Unidos é acusado de desenvolver uma versão do Gentoo para o ISIS

Um estudante de Chicago, nos Estados Unidos, é acusado de desenvolver uma versão personalizada do Gentoo para o ISIS, também conhecido como Estado Islâmico. As autoridades americanas prenderam e acusaram um estudante de 20 anos de fornecer apoio material ao ISIS.

Segundo documentos do tribunal, o adolescente supostamente criou um script Python para automatizar a gravação de multimídia do ISIS a partir de canais oficiais de mídia social, para que outros membros pudessem republicá-lo em suas próprias contas e ajudar a espalhar a propaganda do grupo terrorista.

Além disso, o estudante Thomas Osadzinski, 20, de Chicago, também prometeu construir uma distribuição leve do Gentoo Linux para a organização terrorista.

Iniciarei um projeto novo e muito valioso, escreveu o aluno em uma discussão on-line com um agente secreto do FBI em março deste ano. Vou desenvolver uma versão personalizada do gentoo linux projetada para ansar [apoiadores do ISIS], que pode ser executada em qualquer computador e será muito leve, rápida e segura.

Osadzinski teria dito ao agente secreto do FBI que ele desenvolveria a distribuição do Gentoo Linux por conta própria e publicaria atualizações do projeto em uma sala de bate-papo online.

Será muito seguro; em sha allah, ele só navegará na [Social Media Platform 1]. Quando há menos coisas instaladas, o sistema operacional fica mais difícil de invadir, afirmou Osadzinski.

O SISTEMA OPERACIONAL FOI PROJETADO PARA “IMPEDIR A EXPLORAÇÃO POR AGÊNCIAS DE INTELIGÊNCIA”

Estudante dos Estados Unidos é acusado de desenvolver uma versão do Gentoo para o ISIS

Em maio, Osadzinski compartilhou uma captura de tela da distribuição in-dev do Gentoo Linux com outro agente secreto do FBI, dizendo que estaria disponível para os ansar [apoiadores do ISIS] muito em breve.

Durante essa conversa, Osadzinski reiterou novamente que o sistema operacional seria mais difícil de invadir por “agências de inteligência”.

No entanto, o progresso na distribuição Linux parou, com Osadzinski dizendo aos agentes disfarçados que construir o sistema operacional “é um trabalho árduo” e requer “muito estudo”.

Estudante dos Estados Unidos é acusado de desenvolver uma versão do Gentoo para o ISIS

O FBI disse que Osadzinski tinha as habilidades técnicas para realizar o programa. Ele havia participado de várias aulas de ciências da computação no DePaul. Então, ele teria estudado Python para programadores, sistemas de informação, redes e segurança aplicada e Ciência da Computação I e II.

O site de notícias Cyberscoop também apontou que, de acordo com a página do LinkedIn de Osadzinski, o aluno também trabalhou por dois meses como testador de software do Blackberry Cylance, uma startup de segurança cibernética. Um porta-voz do Blackberry Cylance não retornou um pedido de comentário.

Se considerado culpado por fornecer apoio material ao ISIS, Osadzinski pode pegar até 20 anos de prisão.

Fonte: ZDNet

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

Phoenix Keylogger tenta parar mais de 80 produtos de segurança

Phoenix Keylogger tenta parar mais de 80 produtos de segurança

Black Friday GoodOffer24: 30% de desconto extra em todos os softwares e 35% OFF por produtos Office 2019

Black Friday GoodOffer24: 30% de desconto extra em todos os softwares e 35% OFF por produtos Office 2019