Notícias

06/11/2021 às 11:00

5 min leitura

Avatar Autor
Por Jardeson Márcio

Facebook é processado por antitruste pelo extinto Phhhoto

O aplicativo afirma que o Meta copiou seu recurso para o Boomerang do Instagram

As melhores ofertas de software da Black Friday 2021: obtenha o Windows 10 Pro por 11€ e atualize para o Windows 11 Pro gratuitamente!

O extinto aplicativo de fotos Phhhoto entrou com um processo contra o Facebook, agora Meta, por motivos antitruste. O aplicativo alega que o Facebook fingiu interesse em trabalhar com ele, mas depois copiou seus recursos e escondeu seu nome dos resultados de pesquisa, o que o levou à falência, segundo ele.

A tecnologia do Phhhoto permitia aos usuários capturar cinco quadros “em um único burst point-and-shoot”, que poderia ser inserido em um pequeno vídeo (um phhhoto) para ser compartilhado em sua plataforma ou no Instagram, por exemplo.

De acordo com Phhhoto, o Facebook copiou o principal recurso do aplicativo e o lançou em sua plataforma Instagram como Boomerang em 2015, após bloquear Phhhoto da API do Instagram e de ser pré-preenchido em postagens do Instagram.

O Phhhoto, que foi lançado em 2014 e encerrado em 2017, afirma ter 3,7 milhões de usuários ativos por mês em seu pico, e celebridades como Beyoncé, Joe Jonas, Chrissy Teigen e Bella Hadid eram usuários não remunerados do aplicativo, postando seu conteúdo em seus Contas do Instagram.

Na queixa apresentada pelo Phhhoto no Tribunal Distrital dos Estados Unidos, essa semana, o aplicativo alegou que “As ações do Facebook e do Instagram destruíram a Phhhoto como um negócio viável e arruinaram as perspectivas de investimento da empresa”.

Phhhoto afirma que o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, examinou seu aplicativo em 2014.

O aplicativo afirma ainda que, o CEO do Facebook Mark Zuckerberg, o ex-CEO do Instagram Kevin Systrom e vários outros funcionários do Facebook baixaram o aplicativo em agosto de 2014 e examinaram seus recursos. Abaixo, uma imagem do processo judicial pode comprovar a entrada de Zuckerberg na plataforma.

facebook-e-processado-por-antitruste-pelo-extinto-phhhoto
Imagem: Phhhoto/processo judicial

Bryan Hurren, então gerente de parcerias do Facebook, entrou em contato com Phhhoto em fevereiro de 2015, dizendo à empresa que era “realmente incrível” e oferecendo incorporar sua tecnologia ao Facebook Messenger, de acordo com o processo. Phhhoto recusou, mas Hurren então se ofereceu para incorporar o conteúdo Phhhoto nos feeds de notícias dos usuários do Facebook. Depois de investir pesado no projeto, Phhhoto diz que Hurren citou conversas jurídicas internas que impediram as duas empresas de seguir em frente.

O processo aponta ainda que, em março de 2015, as configurações do Instagram mudaram, de forma que os usuários do Phhhoto não conseguiam encontrar seus amigos no Instagram. Quando o Phhhoto estava prestes a lançar a versão Android de seu aplicativo em outubro de 2015, o Instagram lançou o Boomerang, que o processo chama de um “clone servil” de Phhhoto.

Em março de 2016, o aplicativo descobriu que seu conteúdo estava sendo suprimido no Instagram. A empresa diz que suas suspeitas foram confirmadas em 2018, quando o Parlamento do Reino Unido divulgou um cache de documentos previamente lacrados como parte de uma investigação sobre as alegadas práticas anticompetitivas e de coleta de dados do Facebook.

Phhhoto está buscando um julgamento com júri e indenização monetária não especificada. Joe Osborne, porta-voz da Meta, disse em um comunicado enviado por e-mail ao The Verge que o processo não tem mérito e que a empresa se defenderá vigorosamente.

Via: TheVerge

Jardeson é Mestre em Tecnologia Agroalimentar e Licenciado em Ciências Agrária pela Universidade Federal da Paraíba. Entusiasta no mundo tecnológico, gosta de arquitetura e design gráfico. Economia, tecnologia e atualidade são focos de suas leituras diárias. Acredita que seu dia pode ser salvo por um vídeo engraçado.

Últimos artigos

Newsletter

Receba nossas atualizações!

Newsletter

Receba nossas atualizações!
  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.
×