in

Fedora Jam desiste de trocar o KDE Plasma pelo GNOME

No entanto, desenvolvedor diz que ainda serão feitos testes.

Fedora 34 deve ficar mais lento para aumentar ainda mais a segurança

Não durou nem uma semana a ideia do Fedora Jam trocar o KDE Plasma pelo GNOME como seu ambiente desktop principal. O principal desenvolvedor Erich Eickmeyer resolveu voltar atrás na proposta que havia feito e comunicou isso na lista de discussões do Fedora. No entanto, na mensagem enviada, ele disse que gostaria muito de fazer um teste com esta mudança importante. “Depois de um longo exame, decidi * não * para mover Fedora Jam para GNOME a partir do Plasma para o momento. No entanto, eu apreciaria muito testar com pipewire em ambos Workstation e Jam” declarou ele.

Ele destacou ainda que os pacotes Jam podem ser instalados independentemente do ambiente de trabalho. Assim, quem quiser experimentar, basta abrir um Terminal no Fedora e digitar os comandos:

sudo dnf groupinstall ‘Audio Production’

Além disso, estão disponíveis nos repositórios os chamados Studio Controls que fazem todo o ajuste e acesso de áudio em tempo real/lowlatency automaticamente. Isto é a versão upstreamed do “Ubuntu Studio Controls”. “A única coisa que fica faltando fazer é ajustar swappiness a 10, que pus como padrão em Jam”, afirma Erich. 

Fedora Jam desiste de trocar o KDE Plasma pelo GNOME

Fedora Jam desiste de trocar o KDE Plasma pelo GNOME

Na semana, Erich defendeu a troca do KDE Plasma para GNOME. Ele enumerou os motivos para realizar esta mudança drástica. Segundo Erich, a troca será benéfica para ambas as comunidades, ou seja, tanto o GNOME quanto o Fedora sairiam ganhando com a parceria. Na visão do desenvolvedor, isso serviria para aplacar possíveis resistências da comunidade de músicos, entusiastas de áudio Linux e a comunidade em geral em relação ao funcionamento do GNOME.

As maiores objeções são relativas ao funcionamento de recursos, principalmente aqueles que são mais usados. A reclamação principal é com relação ao desempenho no processamento de áudio, por exemplo. Quanto mais usados, maior a tendência de interferências nos processos real-time do audio, causando os chamados buffer overruns and/or underruns. Tanto os overruns quanto os underruns são chamados de Xruns.

Quanto menos Xruns, melhor, pois os Xruns podem causar ‘pops’ durante a gravação. Ao fazer o trabalho de áudio em tempo real, você quer ter (e precisa de) baixa latência, a menor possível que requer um buffer o menor possível. O objetivo, portanto, é ter um pequeno buffer para  resultar na maus baixa latência, evitando Xruns.

Sobre o Fedora Jam

Fedora Jam é para quem trabalha diretamente com áudio e músicos que querem criar, editar e produzir áudio e música no Linux. Ele vem com JACK, ALSA e PulseAudio por padrão, incluindo um conjunto de programas para adaptar o seu estúdio. Da mesma forma, possui a mais recente versão do Ardour e um conjunto completo de plugins LV2. Portanto, é um spin de criação de áudio completo. Ele inclui todas as ferramentas necessárias para ajudar na criação de suas músicas, indo do clássico ao jazz e ao heavy metal.