in

Funcionários da Amazon dizem que foram ameaçados por críticas às mudanças climáticas

Eles foram informados de que futuras violações das políticas de comunicação podem levar à demissão.

Funcionários da Amazon dizem que foram ameaçados por críticas às mudanças climáticas
Funcionários da Amazon lideram uma manifestação na sede da empresa para exigir que os líderes tomem medidas sobre as mudanças climáticas em Seattle, Washington, em 20 de setembro de 2019. (Foto por Jason Redmond | AFP)

Dois funcionários da Amazon que se manifestaram contra as políticas ambientais da empresa que envolvem as mudanças climáticas dizem que foram ameaçados de demissão caso continuassem a violar a política de comunicação externa da empresa, segundo relata o The Washington Post.

Funcionários da Amazon e as mudanças climáticas

Em outubro, os funcionários, Maren Costa e Jamie Kowalski, disseram ao Washington Post que a Amazon contribui para as mudanças climáticas ao apoiar a exploração de empresas de petróleo e gás em seus negócios de computação em nuvem. Ambos os funcionários dizem que foram posteriormente convocados para reuniões com os recursos humanos. Nelas, eles dizem que foram acusados de violar a política de comunicação externa da empresa. Costa diz que recebeu um e-mail de um advogado da empresa, que alegou que futuras violações poderiam “resultar em ações corretivas formais, incluindo o término do seu emprego na Amazon”. Kowalski diz que recebeu um e-mail semelhante.

Em um comunicado fornecido ao The Washington Post, a porta-voz da Amazon, Jaci Anderson, disse que a política de comunicação externa da empresa “não é nova e acreditamos ser semelhante a outras grandes empresas”. Como parte de suas regras gerais de comunicação, a Amazon diz aos funcionários que podem se manifestar nas mídias sociais. Porém, eles não podem compartilhar informações comerciais confidenciais.

Funcionários da Amazon dizem que foram ameaçados por críticas às mudanças climáticas
A Amazon diz aos funcionários que podem se manifestar nas mídias sociais. Porém, eles não podem compartilhar informações comerciais confidenciais.

Ações assim vão se tornar comuns

O incidente fala da tendência crescente dos funcionários de chamarem a atenção de grandes empresas de tecnologia em tudo. Por exemplo, isso vai desde suas políticas ambientais à diversidade no local de trabalho, má conduta sexual, política de direitos humanos e “cultura de retaliação”.

Além disso, esse incidente aborda a questão das empresas de Big Tech que reprimem críticas e protestos de funcionários. Mais recentemente, o Conselho Nacional de Relações Trabalhistas instruiu o Google a lembrar aos funcionários que podem falar livremente sobre questões no local de trabalho. Isso ocorreu depois que os funcionários alegaram que foram demitidos por organizar sindicatos, uma alegação que o Google nega. À medida que o movimento trabalhista tecnológico continua ganhando impulso, incidentes como esses provavelmente se tornarão mais comuns.

Fonte: Engadget

Escrito por Leonardo Santana

Astrônomo amador, eletrotécnico e apaixonado por TI desde o século passado.

Xiaomi investirá US$ 7,2 bilhões em 5G, IA e IoT em cinco anos

Xiaomi investirá US$ 7,2 bilhões em 5G, IA e IoT em cinco anos

Hábitos tecnológicos que você precisa mudar este ano

Hábitos tecnológicos que você precisa mudar este ano