in

GNOME fracassa na meta de ter 10% do mercado

Na verdade, nenhuma distribuição Linux está perto da meta, muito menos um ambiente gráfico do mesmo sistema.

GNOME Shell e Mutter 3.36 lançado com correções de última hora

Em 2005, o “Objetivo 10×10” do GNOME foi formado para “possuir 10% do mercado global de desktops até 2010″. Agora, quase dez anos depois deste prazo inicial fracassado, o GNOME ou mesmo o mais usado no mercado de desktops Linux ainda estão bem longe de obter os sonhados 10% de participação. Portanto, passados 15 anos, o GNOME fracassa na meta de ter 10% do mercado.

Esse objetivo 10×10 muito ambicioso ainda está documentado no GNOME Wiki e representa cerca de “10% do mercado global de desktops”. Talvez em algumas regiões geográficas muito selecionadas, a participação no mercado de desktops Linux esteja perto de 10%, mas em grande escala esse objetivo ainda é um sonho.

GNOME no final de 2009 com o Fedora 12.

GNOME fracassa na meta de ter 10% do mercado

GNOME fracassa na meta de ter 10% do mercado
Participação de mercado do Sistema Operacional/NetMarketShare

Quanto ao mercado de jogos para Linux o índice é inferior a 1% pelos números da Valve e os números frequentemente confirmados por vários estúdios de jogos. No entanto, para o mercado mais amplo de desktops Linux, ele ainda parece estar em torno de ~ 2% pela maioria dos indicadores.

De acordo com levantamento do Phoronix, os números mais recentes da Netmarketshare colocam o Linux em 2,03% com base no tráfego do navegador. Já um site líder em entretenimento adulto divulgou semana passada um market share de 2,1% do Linux (um aumento de 2% em relação a 2018). Da mesma forma, o Statcounter em 0,84%; e Statista em 1,65% para Linux. Isso sem falar em outros portais de contadores e estatísticas, colocando o Linux por volta de apenas 2%.

GNOME fracassa na meta de ter 10% do mercado
GNOME em 2019.

Portanto, do jeito que você quiser, dez anos depois, a meta 10×10 do GNOME não foi alcançada em sua escala “global” e mesmo para a maioria das regiões geográficas não seria precisa. É verdade que o GNOME não é o único campo de código aberto que apresentou metas otimistas ao longo dos anos.

Meta ficou distante, porém, há avanços

A Canonical tinha uma meta para 200 milhões de usuários em 2015, que era um objetivo importante e não alcançado em nenhuma área de trabalho ou móvel. No final de 2019, é difícil dizer se o Ubuntu tem atualmente 200 milhões de usuários ativos de desktop, pois a Canonical não publicou seus dados estatísticos. É verdade que, após lembretes de 2015 sobre o objetivo, eles argumentaram que tiveram sucesso contando usuários da nuvem, ou seja, usuários e visitantes para serviços em nuvem como o Walmart e outras plataformas do Ubuntu, em vez de usuários diretos.

De qualquer forma, o GNOME avançou bastante na última década e, particularmente, nos últimos 2 a 3 anos desde que a Canonical retornou ao GNOME Shell por padrão e ajudou a solucionar muitos bugs – incluindo vários problemas de desempenho de alto perfil. O GNOME 3.34 é muito melhor do que o estado do GNOME 3.0 no início desta década. Revivendo os destaques do GNOME da década passada, veja as vinte histórias mais faladas do GNOME desde 2010.

GNOME 4.0, GNOME OS chegando em 2014 e outros planos malucos

Enquanto alguns desenvolvedores e usuários do GNOME vêem o ambiente de desktop que antes estava desaparecendo, outros enxergam apenas o GNOME sendo aprimorado com o melhor ainda por vir. Foi solicitado, por exemplo, pelo GUADEC que o GNOME 4.0 fosse lançado em março de 2014 junto com o GNOME OS. Na época, eles esperavam ter nada menos que uma quota de mercado de 20% até 2020.

Ubuntu abandona o Unity 8 e voltar para o GNOME

A Canonical anunciou através de Mark Shuttleworth, em abril de 2017, que estava encerrando o desenvolvimento do ambiente de desktop Unity 8 e voltará para o GNOME pelo Ubuntu 18.04.

Linus Torvalds volta a usar a área de trabalho do GNOME 3

As opções de desktop do Linux de Linus Torvalds, o criador do kernel Linux, tendem a despertar o interesse das pessoas. Linus compartilhou em 2013 que voltou a usar a área de trabalho do GNOME 3.x.

A Fundação GNOME ficando sem dinheiro 

Em 2014, a Fundação GNOME publicou um comunicado dizendo que estava ficando sem dinheiro para tocar o projeto. Na época, havia o GNOME 3.12 impulsionando o desenvolvimento de seu compositor baseado em Wayland e sendo o primeiro grande desktop a chegar nativamente para a maioria de seus aplicativos, e o trabalho geral da recente versão GNOME 3.12 sendo bastante empolgantes, no lado da fundação eles estão com um déficit orçamentário e os fundos estão ficando muito apertados na Fundação GNOME.

Um fork do GNOME 2: Desktop Mate

Muitas pessoas odeiam o desktop Unity da Canonical, mas também odeiam o estado atual do Shell do GNOME 3.0. Para aqueles que ainda gostam do ambiente GNOME 2.x, há uma bifurcação do GNOME2 que era pouco comentada até 2011. Esse fork é chamado de Mate Desktop Environment, hoje um dos principais ambientes do mundo Ubuntu.

O GNOME 2.31.4 está pronto para alguns amantes do teste

Esta era a versão instável do que se tornaria o novo GNOME 3, ainda em 2010. Havia novas versões de desenvolvimento do GNOME Shell e Mutter, GTK + 3.0, e o Clutter 1.3 / 1.4, juntamente com vários outros pacotes do GNOME sendo registrados.

Ubuntu 19.04 lançado como uma grande melhoria na área de trabalho do Linux graças ao GNOME 3.32

O Ubuntu 19.04 “Disco Dingo” foi lançado oficialmente como a mais recente parcela não LTS de seis meses do Ubuntu Linux. Isso foi no começo deste ano e mostrou todo o impacto da evolução do ambiente GNOME depois da entrada da Canonical. 

Um shell experimental do GNOME rodando em Wayland

Na quarta-feira da Cúpula de Colaboração LF de 2012, além da palestra sobre integração X e Wayland, houve uma segunda discussão sobre Wayland/Weston durante uma faixa do Tizen. Durante essa palestra, foram reveladas algumas informações interessantes, como uma área de trabalho experimental do GNOME 3.x em Wayland.

O GNOME Shell funciona sem suporte a drivers de GPU

Conforme relatado na quinta-feira, o GNOME Shell eMutter não requer mais drivers de hardware acelerados por OpenGL. É possível executar esta área de trabalho GNOME3 com um back-end de software através do LLVMpipe do Gallium3D.

Suporte principal do NVIDIA Wayland para o GNOME com o EGLStreams

Enquanto esperam por uma nova API que possa suceder ao GBM e que a NVIDIA e a comunidade de código aberto concordem, os desenvolvedores do GNOME avançaram e fundiram o suporte ao uso do EGLStreams em seu compositor Mutter para que o atual driver proprietário do NVIDIA Linux funcione com GNOME em Wayland. Isso ocorreu em 2016.

Experiências 2016 da Wayland: GNOME: Perfeito, KDE: Ruim, Enlightenment: Good

O desenvolvedor Pavlo Rudyi escreveu um post de blog sobre suas experiências com os diferentes ambientes de desktop que atualmente suportam a Wayland. Os resultados não são uma grande surpresa. Porém, é ótimo ver o interesse contínuo em Wayland e o trabalho contínuo de muitas partes diferentes para garantir que Wayland seja capaz de dominar o desktop Linux.

Mark Shuttleworth faz mais comentários sobre o Ubuntu GNOME, Mir, Convergence

Mark Shutttleworth usou o extinto Google+ em 2017 para falar sobre o Ubuntu GNOME, incluindo a continuação dos Snaps, os UBports que desejam assumir o Unity 8 e o desejo de avançar rapidamente no suporte ao Ubuntu GNOME. 

O GNOME se voltará ao suporte a Wayland

Em 2013, o assunto era um só. Já sabemos que os desenvolvedores do KDE não gostam do Mir, o servidor de exibição da Canonical para o desktop Unity não é derivado do X.Org e Wayland. Os desenvolvedores do KDE não estão felizes com isso, alguns desenvolvedores do Xfce também expressaram insatisfação com as recentes mudanças Canonical, e agora há uma resposta do GNOME. O que o GNOME está fazendo com o Mir? Eles estão traçando planos agora para avançar com força e rapidez com o apoio do Wayland!

Experimentando o Ubuntu GNOME 16.10

Com o lançamento do Ubuntu 16.10, um dos acontecimentos mais esperados era o Ubuntu GNOME 16.10, que tem uma sessão experimental de Wayland disponível, mas não é o padrão. 

Argumentos de um desenvolvedor do GNOME sobre Vala ser uma linguagem “morta”

O desenvolvedor de longa data do GNOME, Emmanuele Bassi, defendeu que Vala é uma linguagem “morta” . Assim, novos aplicativos e desenvolvedores deveriam, em 2017, procurar alternativas ou primeiro trabalhar para melhorar essa linguagem centrada no GNOME.

GNOME 3.16 No Fedora 22: Wayland vs. X.Org

Em 2015,  foi a estreia do Fedora 22 junto ao GNOME Shell 3.16 sob um servidor X.Org e Wayland.

O Debian volta ao GNOME como sua área de trabalho padrão

Em 2014, o Debian usava a área de trabalho do Xfce após a mudança do GNOME. Então, a área de trabalho padrão da distro Debian voltou a ser o GNOME.

Desenvolvedores do GNOME e KDE lutam por um nome

Antes do Berlin Desktop Summit, em 2011, vários desenvolvedores do GNOME e do KDE começaram uma batalha de listas de discussão … por um nome. Em particular, com o GNOME 3.0, as áreas do painel de controle são chamadas “Configurações do Sistema”. Portanto, é exatamente o que os desenvolvedores do KDE chamam de área de controle do sistema.

Debian testando o Xfce sobre o GNOME por padrão

Debian GNU/kFreeBSD usou o Xfce como seu ambiente de desktop padrão. Então, antes do 7.0 Wheezy eles experimentaram o Xfce por padrão para o Debian GNU/Linux, ele está sendo testado novamente.

É fácil adivinhar o que irrita os usuários do GNOME

Em 2011, foi realizada uma pesquisa entre os Usuários do GNOME, montada por usuários independentes do GNOME. A principal reclamação era de que os desenvolvedores davam pouca atenção aos usuários do ambiente. 

Portanto, como se vê, muitos projetos ficaram pelo caminho ao longo desses anos e o GNOME fracassa na meta de ter 10% do mercado.

Fonte: Phoronix