in

GNU/Linux continua a reinar sobre os 500 supercomputadores mais poderosos

Uma lista dos top 500 mostra o predomínio do GNU/Linux.

GNU/Linux continua a reinar sobre os 500 supercomputadores mais poderosos

Finja surpresa com a seguinte notícia. Na lista dos mais novos supercumputadores do mundo o domínio do GNU/Linux é incontestável.Assim, todos os supercomputadores mais rápidos do mundo operam a velocidades petaflop, ou seja, velocidades mais rápidas. Destes, onze, o supercomputador Pangea III, construído pela IBM, trabalha para uma empresa privada. Portanto, o GNU/Linux continua a reinar sobre os 500 supercomputadores mais poderosos.

Além disso, a Nvidia está adicionando suporte à arquitetura de CPU do Arm à sua plataforma GPU para criar supercomputação com eficiência de energia. O que todos eles têm em comum? Todos eles executam o GNU/Linux.

A partir dos dois primeiros supercomputadores construídos pela IBM, Summit e Sierra no Oak Ridge National Laboratory (ORNL) Departamento de Energia do Tennessee e Laboratório Nacional Lawrence Livermore, na Califórnia, todos eles funcionam com o GNU/Linux.

Quando se trata de computação de alto desempenho (HPC), a Intel domina o TOP500 fornecendo energia de processamento a 95,6% de todos os sistemas incluídos na lista. Dito isso, o poder da IBM alimenta os supercomputadores mais rápidos. Um supercomputador trabalha sua mágica de alta velocidade com os processadores Arm: Astra da Sandia Labs, um design da HPE, que usa mais de 130.000 núcleos Cavium ThunderX2.

E, como todos esses processadores funcionam? Com o GNU/Linux, claro.

133 sistemas dos 500 supercomputadores mais importantes usam configurações de acelerador ou coprocessador. A maioria deles usa GPUs da Nvidia. E, mais uma vez, o GNU/Linux está impulsionando o hardware ecom velocidade.

Faz apenas um ano e meio desde que o GNU/Linux dominou totalmente a supercomputação.

IBM fabrica o supercomputador comercial mais poderoso do mundo

GNU/Linux continua a reinar sobre os 500 supercomputadores mais poderosos

A gigante francesa de energia Total tem agora o 11º supercomputador mais poderoso do mundo com o Pangea III HPC da IBM. Ele possui nada menos que 31,7 petaflops de capacidade de processamento e 76 petabytes de capacidade de armazenamento. É agora o supercomputador mais poderoso do mundo, fora dos sistemas de propriedade do governo.

O Pangea III da Total é baseado nos processadores Power9 da IBM e será usado para melhorar e acelerar as missões de exploração de petróleo e gás da empresa de energia.

Enquanto a Pangea III está em 11º lugar entre os melhores supercomputadores do mundo, a IBM se orgulha de que o novo supercomputador da Total usa  a “mesma arquitetura otimizada de alto desempenho da IBM Power9” como os dois supercomputadores de maior desempenho do mundo, Summit e Sierra, que são de propriedade pelo Departamento de Energia dos EUA.

[Pangea III] permite que a Total reduza os riscos geológicos na exploração e desenvolvimento, acelere a maturação e entrega do projeto e aumenta o valor de nossos ativos através de operações de campo otimizadas, com tudo isso a um custo menor, disse Arnaud Breuillac, presidente da Total Exploration. Divisão de produção.  

Exploração de dados sísmicos com Inteligência Artificial

Para construir o Pangea III, a IBM trabalhou com a Nvidia para melhorar o supercomputador com GPUs. Neste caso as unidades Tesla V100 Tensor Core. Elas se conectam com CPUs Power9 em links de alta velocidade.

A chegada do Pangea III segue a parceria da Total com o Google Cloud para o desenvolvimento conjunto de algoritmos de IA para análise de dados de subsuperfície para exploração e produção de petróleo e gás.

O trabalho explora o uso de algoritmos de visão computacional. Ele vai decifrar imagens de estudos sísmicos e processamento de linguagem natural para analisar documentos técnicos. A Total pretende usar o Pangea III para testar seus novos algoritmos.

A Total diz que os novos algoritmos e supercomputadores ajudarão a processar dados sísmicos com mais precisão e resolução. Portanto, melhora as chances de encontrar hidrocarbonetos abaixo do solo. Estão aí incluídos os recursos do pré-sal no Brasil, no Golfo do México, em Angola e no leste. Mediterrâneo.

Portanto, o novo supercomputador ajudará a desenvolver melhores modelos de produção. Além disso, vai melhorar sua capacidade de avaliar o valor do espaço de exploração. Assim, permite que ele seja mais seletivo sobre onde extrai recursos.

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

Maioria dos aplicativos móveis têm problemas de segurança

Maioria dos aplicativos móveis têm problemas de segurança

Debian lança nova atualização de segurança do kernel

Mitigações do Debian MDS da Intel estão disponíveis para CPUs Sandy Bridge Server/Core-X