in

Google quer usar o kernel Linux não modificado no Android

Eles já tentaram esta aproximação, mas agora deram o passo final.

KTweak é um novo ajuste de kernel que otimiza o desempenho de dispositivos Android

O Android é baseado no kernel do Linux, onde eles pegam a versão LTS e o tornam no kernel do Android. Portanto, a versão usada pelo Google é muito diferente daquela usada pelo sistema de desktop, pois faz muitas alterações para criar uma versão que é enviada a fabricantes de chips como Qualcomm ou MediaTek. O Google tentou se aproximar do kernel base do Linux, mas agora eles deram o passo final: fazer o Android funcionar com um kernel não modificado. Aliás, as melhorias são inúmeras.

Google conseguiu usar o kernel Linux não modificado no Android

Google quer usar o kernel Linux não modificado no Android
Animação: Reprodução / Android Authority

Então, foi na Linux Plumbers Conference, onde os engenheiros do Google mostraram a primeira versão do Android em execução com o kernel Linux não modificado.

O objetivo disso é que o Android esteja atualizado em termos de segurança que está sendo implementada no kernel e não precise adaptar constantemente as alterações para fazê-las funcionar com suas milhares de modificações em cada versão.

Além disso, os telefones celulares melhorariam seu desempenho e bateria.

A primeira parte é implementar todas as modificações do Android no kernel principal do Linux online.

Em fevereiro de 2018, o kernel Android comum que os fabricantes recebem e que modificam tiveram 355 alterações, 32.226 inserções e 1.546 exclusões em relação ao kernel Linux versão 4.14.0, o último usado.

Embora seja uma quantidade enorme, é muito menor que as 60.000 linhas que foram adicionadas há alguns anos atrás.

Essa versão do kernel do Linux, lançada em novembro de 2017, é a usada pelo Pixel 4 lançada em outubro de 2019 e você não receberá uma nova versão porque os telefones Android não recebem atualizações do kernel.

Google quer usar o kernel Linux não modificado no Android

Essa diferença de quase dois anos mostra o problema que o Google enfrenta há anos, onde eles precisam oferecer suporte a kernels móveis antigos que continuam a receber atualizações, como a versão 3.18 há cinco anos.

Portanto, o Google conseguiu que a comunidade Linux suporte LTS por mais tempo, com seis anos de suporte.

Para demonstrar a operação do novo kernel, Tom Gall (diretor do Linaro Consumer Group) subiu ao palco com um Pocophone F1 com Android 10 usando o kernel Linux.

Algumas funções não funcionaram corretamente, como a bateria que não mostrou a porcentagem, mas é incrível que eles tenham conseguido fazê-lo com um kernel não modificado.

A comunidade não deseja uma única interface

O Google conseguiu reduzir o processo de modificação em 2017 com a introdução do Project Treble, onde drivers específicos para cada dispositivo são separados do restante do Android, o que também facilitou o lançamento de atualizações.

Apesar disso, o processo pelo qual o kernel precisa passar permanece o mesmo: do Google aos fabricantes de chips e depois aos fabricantes de móveis que fazem pequenas modificações.

Google quer usar o kernel Linux não modificado no Android

Confiar no kernel do Linux pode eliminar a necessidade de criar um kernel projetado para cada dispositivo e acelerar ainda mais o lançamento de atualizações no Android.

Para isso, a ideia do Google é trazer a modularidade do Project Treble para o kernel do Linux, criando uma interface que permite executar drivers de dispositivos proprietários como se fossem plugins, para não precisar modificar a base do kernel.

No entanto, já existem vozes da comunidade que não são a favor de uma interface estável do kernel, pois geralmente encontram bugs ou alguém apresenta uma maneira melhor de fazer as coisas, e não poder modificá-las pode apresentar problemas de segurança.

Portanto, isso diferencia o Linux de outros sistemas fechados que precisam manter interfaces muito antigas (como versões antigas do USB).

O que eles propõem da comunidade é que os fabricantes tornem seus drivers de código aberto, o que parece claro que, infelizmente, isso não acontecerá.

Via: ADSLZone