in

Inteligência Artificial chega ao divã

O aprendizado de máquina pode ajudar a gerenciar uma ampla variedade de distúrbios de saúde mental.

Inteligência Artificial chega ao divã

A profissão psiquiátrica é preocupantemente despreparada para uma mudança tecnológica. Talvez Freud explique. Ou melhor ainda, uma pesquisa feita em todo o mundo comprova este atraso. Assim, a Inteligência Artificial chega ao divã.

A Organização Mundial de Saúde estima que até 15% da população experimenta distúrbios de saúde mental. Isso tem consequências significativas. Por exemplo, o suicídio é a segunda ou terceira principal causa de morte dos jovens na maioria dos países. E à medida que a população envelhece, a taxa de demência deve triplicar nas próximas décadas.

Ao mesmo tempo, falta muito acesso a profissionais de saúde mental em muitas partes do mundo, principalmente em países de baixa renda. A Índia, por exemplo, tem uma população de 1,3 bilhão de habitantes atendida por apenas 9.000 psiquiatras.

Inteligência Artificial chega ao divã

Inteligência Artificial chega ao divã

A solução para isso? Bem, os avanços tecnológicos podem ajudar. Os smartphones e os sensores vestíveis oferecem às pessoas a capacidade de se monitorar e se beneficiar da maneira como o aprendizado profundo pode analisar os dados. De fato, essas técnicas já estão sendo usadas para detectar as mudanças de humor que indicam transtorno bipolar ou para detectar pessoas em risco de depressão.

Portanto, o cenário está preparado para a inteligência artificial se tornar uma força disruptiva na psiquiatria. De fato, é exatamente o que muitos observadores prevêem.

Mas e os próprios psiquiatras? Esses profissionais terão que desempenhar um papel fundamental em qualquer mudança que a inteligência artificial traga para o campo. Portanto, a visão deles deve ser um indicador útil de seu potencial.

Uma equipe da Faculdade de Medicina da Duke University em Durham, Carolina do Norte, foi atrás de saber. Essa equipe chefiada pelo médico Murali Doraiswamy ouviu psiquiatras em todo o mundo para descobrir como eles veem a inteligência das máquinas e seu provável impacto nos cuidados de saúde mental.

Para nosso conhecimento, esta é a primeira pesquisa global a buscar a opinião de médicos sobre o impacto da inteligência artificial autônoma/aprendizado de máquina no futuro da psiquiatria, afirma a equipe. Curiosamente, os resultados parecem dizer mais sobre psiquiatras do que sobre o estado de prontidão tecnológica ou seu potencial.

Como foi feita a pesquisa?

Inteligência Artificial chega ao divã

O método da equipe foi direto. Os pesquisadores escolheram aleatoriamente uma amostra de 750 psiquiatras registrados em um banco de dados on-line de mais de 800.000 profissionais de saúde em todo o mundo. Foram incluídos médicos de 22 países da América do Norte e do Sul, Europa e Ásia; 30% eram mulheres e dois terços eram brancos.

Os entrevistados afirmaram claramente que as máquinas nunca poderiam aprender algumas habilidades.

Uma esmagadora maioria (83%) dos entrevistados achou improvável que a tecnologia futura pudesse oferecer atendimento empático tão bom quanto ou melhor que o psiquiatra comum, afirma Doraiswamy e colegas.

Curiosamente, uma pesquisa com médicos de família no Reino Unido mostrou que eles tinham uma visão semelhante.

O grupo também se dividiu sobre os riscos que a inteligência artificial pode representar.

Apenas 23% das mulheres previram que os benefícios da IA ??superariam os possíveis riscos em comparação com 41% dos homens, afirma Doraiswamy e colegas.

Porém, eles acham que sabem o porquê.

As diferenças de gênero na percepção de risco de IA podem ser proporcionais a um grande conjunto de descobertas de que as mulheres são mais avessas ao risco que os homens, afirmam.

Resultados

Inteligência Artificial chega ao divã

Os resultados mais interessantes estão na maneira como os entrevistados sentem que a inteligência das máquinas mudará seus empregos. Três quartos deles pensaram que a inteligência artificial desempenhará um papel importante no gerenciamento de dados, como registros médicos. E cerca da metade pensou que substituiria totalmente os médicos humanos quando se trata de sintetizar informações para alcançar diagnósticos.

Além disso, outras áreas da assistência médica já estão experimentando esses benefícios. As técnicas de aprendizado de máquina podem superar os radiologistas e patologistas em determinadas circunstâncias. Essa capacidade de alcançar diagnósticos mais precisos tem implicações enormes para o tratamento e a segurança do paciente.

E, no entanto, apenas metade dos psiquiatras achava que a inteligência artificial mudaria substancialmente seus empregos (presumivelmente a mesma metade que acha que a IA pode diagnosticar melhor as condições do que os humanos). Talvez previsivelmente, menos de 4% pensaram que a IA poderia substituir completamente os psiquiatras humanos.

Doraiswamy e colegas têm uma explicação potencial para isso.

Os médicos podem estar supervalorizando suas habilidades e/ou subestimando o ritmo acelerado do progresso em tecnologias inteligentes, dizem eles.

De qualquer forma, isso tem implicações importantes para esta profissão. No início deste ano, o Fórum Econômico Mundial publicou um relatório chamado “Empowering 8 Billion Minds, que destacava o crescente peso das doenças mentais em todo o mundo.

O relatório apontou que aplicativos focados em saúde mental estão entre os setores que mais crescem no mercado global de saúde digital. Esses tipos de aplicativos podem fazer uma grande diferença. No entanto, para se acreditar nessa pesquisa, os psiquiatras de todo o mundo não estão preparados para as mudanças que estão por vir.

Então, ficou curioso? Acesse a pesquisa Artificial Intelligence and the Future of Psychiatry: Insights from a Global Physician Survey (Inteligência artificial e o futuro da psiquiatria: idéias de uma pesquisa global com médicos) neste link.

Fonte: MIT Technology Review

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

Conheça o driver alternativo do sistema de arquivos exFAT Linux baseado no sdFAT da Samsung

exFAT está na fila para introdução no kernel Linux 5.4

AMD contrata para desenvolvimento do Coreboot

AMD contrata para desenvolvimento do Coreboot