Líder do Bugzilla garante que projeto ainda não morreu

Porém, há muitas dificuldades para conseguir novos contribuidores.

Claylson Martins
5 minutos de leitura

O Bugzilla, um sistema de rastreamento de defeitos de código aberto projetado para auto-hospedagem, receberá atualizações novamente após um período de inatividade. É o que garante o líder do projeto, Dave Miller, que disse que as mudanças de vida lhe darão mais tempo para dedicar ao projeto. Então, o líder do Bugzilla garante que projeto ainda não morreu.

Bugzilla em uso na Fundação Apache

Em uma postagem no site Bugzilla, Miller confessou não ter feito muito pelo projeto ao longo de vários anos. “Tentei passar o controle do projeto para outra pessoa duas vezes nos últimos 10 anos”, disse ele, mas todas as vezes a pessoa conseguiu um novo emprego e não teve tempo de assumir o Bugzilla também.

Agora ele voltou a ter tempo para dedicar ao projeto e já corrigiu alguns problemas com a infraestrutura, como o bot IRC (Internet Relay Chat) que não funcionava devido a bibliotecas SSL desatualizadas. A suíte de testes também foi movida e agora há um repositório privado para commits de segurança, para evitar expô-los a usuários mal-intencionados antes de serem lançados.

O projeto Bugzilla afirma ser usado por “centenas de milhares” de organizações, com exemplos incluindo o kernel do Linux (Kernel.org), Apache Foundation, LibreOffice, WebKit patrocinado pela Apple, FreeBSD e Oracle. O projeto se originou com a Mozilla, que criou a primeira versão internamente e a lançou em 1998. Foi portada de TCL para Perl logo depois. Miller tornou-se líder do projeto em julho de 2001.

Líder do Bugzilla garante que projeto ainda não morreu

Os objetivos do projeto incluem um foco rígido no rastreamento de bugs. “Embora exista o potencial no código para transformar o Bugzilla em um sistema de tíquetes de suporte técnico, ferramenta de gerenciamento de tarefas ou ferramenta de gerenciamento de projetos, devemos nos concentrar na tarefa de projetar um sistema para rastrear defeitos de software”, afirma o site do projeto. É “grátis como na liberdade e grátis como no preço”.

A história de lançamento e os planos para o Bugzilla não são simples. A versão 4.4, lançada pela primeira vez em 2013, ainda é suportada com base no fato de que “nossa política de suporte diz que temos que oferecer suporte por 4 meses após os dois lançamentos principais seguintes”, e houve apenas um lançamento principal posterior até agora, embora Miller pretende que a versão 4.4.14 seja a última. 

Depois, há uma ramificação 5.0.4, uma ramificação 5.1 que está “basicamente morta” e uma ramificação 5.2 que será o próximo lançamento principal. Finalmente, há uma ramificação 5.9.1, codinome Harmony, que atualmente é uma prévia do desenvolvedor e se tornará Bugzilla 6.

Uma complicação é que as versões 5.05 e 5.06 foram lançadas no início de 2019 violando a política de suporte porque continham “uma grande mudança de esquema”, disse Miller, devido a um novo gerente de lançamento não familiarizado com o processo. A consequência foi que alguns ficaram com a versão antiga. “5.05 deveria ter sido chamado de 5.2”, disse Miller.

Outras alternativas

Apesar de sua lista de usuários importantes, o Bugzilla não é mais a única escolha para quem busca um sistema gratuito de rastreamento de bugs. O GitHub tem um gerenciamento de problemas bastante eficaz, por exemplo, um generoso nível gratuito e remove o fardo da auto-hospedagem. Outra dificuldade é que o Perl agora está bem abaixo na lista de linguagens populares, tornando mais difícil encontrar contribuidores. Miller está pedindo ajuda com documentação, auditoria de conformidade e correção de bugs no próprio Bugzilla. Ele também pede às empresas que usam o Bugzilla que considerem fornecer algum tempo de desenvolvedor pago.

“Adoro o Bugzilla… No entanto, não posso realmente esperar ou recomendar com seriedade que alguém o implante ou trabalhe nele, considerando que é uma base de código estrangeira escrita em Perl, portanto, também não é algo que eu queira fazer sozinho,” observou um desenvolvedor no Hacker News.

Share This Article
Follow:
Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão. Nas horas não muito vagas, professor, fotógrafo, apaixonado por rádio e natureza.