in

Microsoft revela que o Índice de Cidadania Digital mundial atingiu seu nível mais baixo em 4 anos

No Dia da Internet Segura, a Microsoft revela que o Índice de Cidadania Digital mundial atingiu seu nível mais baixo em 4 anos

microsoft-revela-que-o-indice-de-cidadania-digital-mundial-atingiu-seu-nivel-mais-baixo-em-4-anos

Hoje, no Dia da Internet Segura (SID), a Microsoft está convidando seus consumidores globais a assumirem o Desafio da Cidadania Digital para aprender mais sobre os riscos de segurança online em seu mais recente Índice de Cidadania Digital.

O Índice de Cidadania Digital (DCI) da Microsoft, um meio de medir o tom das interações online, está em 70%, a maior classificação de falta de civilidade desde o início da pesquisa em 2016. Tendências como dor emocional e psicológica, e consequências negativas decorrentes da exposição a riscos online também aumentaram significativamente. Quanto menor a classificação do índice (numa escala de 0 a 100), menor a exposição de risco das pessoas pesquisadas e maior o nível percebido de cidadania entre as pessoas naquele país.

O DCI é baseado em uma pesquisa concluída em maio de 2019 para avaliar as atitudes e percepções de adolescentes (13 a 17 anos) e adultos (18 a 74 anos) em 25 países[1][1] sobre o atual estado da cidadania digital. Ela realizou perguntas como, “quais riscos online você e seu círculo de pessoas próximas já vivenciaram, quando e com que frequência tais riscos ocorreram, e quais consequências e ações foram tomadas?” — e mediu a exposição vitalícia dos entrevistados a 21 riscos em quatro áreas: comportamental, reputacional, sexual e pessoal/intrusiva. Em escala global, o DCI revelou que a exposição a riscos online aumentou significativamente, principalmente nas seguintes 5 áreas:  1) contato indesejado, 2) farsas/fraudes/golpes, 3) sexting indesejado, 4) tratamento maldoso e 5) trollagens.

O Reino Unido está no topo do Índice de Cidadania Digital durante três dos últimos quatro anos. No entanto, o país teve um aumento da incivilidade online (52%), percentual superior ao seu maior pico de 45% em 2016. A Holanda estreou em segundo lugar, com 56%, seguida da Alemanha (58%), Malásia (59%) e os Estados Unidos (60%). Os países com os menores níveis de civilidade digital foram Colômbia (80%), Peru (81%) e África do Sul (83%), marcando a primeira vez que países atingem uma marca superior a 80%. O índice brasileiro foi de 72%, menor que Argentina (76%), Chile (75%) e México (75%).

Segundo 31% dos entrevistados, a aparência física e a política são os principais motivos para a falta de civilidade online, seguidas de orientação sexual (30%), religião (26%) e raça (25%). Em termos do local onde esse comportamento ocorre, dois terços (66%) afirmaram que as redes sociais são o fórum mais frequente para a falta de civilidade online.

REALIDADE DOS BRASILEIROS NA INTERNET

O Brasil teve um aumento de dois pontos desde o ano passado e atingiu, agora, um DCI de 72%, sendo classificado como 15º dentre os 25 países pesquisados. Vale lembrar que esse aumento, de acordo com a metodologia do índice, representa uma piora na civilidade digital no país. O estudo, que entrevistou 502 brasileiros, com idades entre 13 e 74 anos, mostra que os principais riscos são contatos indesejáveis (42%), sexting indesejado (26%), farsas/fraudes/golpes (24%), assédio moral (24%) e assédio sexual (22%). Entre os temas que mais geraram conflitos na internet, estão: política (53%), orientação sexual (34%), religião (33%), aparência física (30%) e raça (29%).

A relação com a internet entre os brasileiros revelou que os millennials (82%) compõem o maior grupo de risco entre os adultos. Dentre os jovens, 71% deles já vivenciaram um risco online, sendo que 78% sofreram com as consequências por conta dos riscos aos quais foram expostos. No entanto, apenas 48% deles pediram ajuda para os pais, e outros 63% afirmaram saber onde encontrar ajuda.

Quanto à expectativa de mudança, 69% dos entrevistados acreditam que empresas de tecnologia e social media criarão ferramentas e políticas que encorajarão um comportamento online mais respeitável e civil.

“O universo digital representa uma enorme oportunidade de melhorarmos nossa comunicação, colaborarmos mais e sermos mais produtivos, mas sabemos que nem sempre isso vem acompanhado de civilidade. Nesse Dia da Internet Segura, queremos chamar a atenção para a importância desse tema, ajudando a criar uma cultura digital melhor, promovendo uma comunidade online mais ampla e inclusiva”, afirma Nycholas Szucko Antunes, diretor de cibersegurança da Microsoft Brasil.

PRINCÍPIOS DA CIDADANIA DIGITAL

Como parte dos esforços para melhorar a experiência online para pessoas, empresas e governos, a Microsoft compartilhou os quatro princípios do Desafio da Cidadania Digital, que promovem interações seguras, saudáveis e respeitosas na internet. Todos podem se comprometer com o desafio adotando hábitos e práticas positivas ao longo do ano:

  1. Viva a Regra de Ouro agindo com empatia, compaixão e bondade em todas as interações, e trate todos com quem você se conecta online com dignidade e respeito.
  2. Respeite as diferenças, honre perspectivas diversas e quando as discordâncias surgirem, envolvam-se cuidadosamente e evitem xingamentos e ataques pessoais.
  3. Reflita antes de responder a coisas que você discorda, e não poste ou envie algo que possa machucar outra pessoa, danificar uma reputação ou ameaçar a segurança de alguém.
  4. Defenda você mesmo e os outros apoiando aqueles que são alvos de abuso ou crueldade, relatando atividades agressivas e guardando evidências de comportamento inadequado ou inseguro.

O Dia da Internet Segura é um dia internacional para promover o uso mais seguro e responsável da tecnologia, especialmente entre crianças e jovens. A Microsoft está desafiando pessoas de todo o mundo para adotarem a “cidadania digital” e tratarem umas às outras com respeito e dignidade quando online.

Clique aqui para saber mais sobre os riscos online no Brasil.

Para ver o relatório global completo, clique aqui.

Escrito por Emanuel Negromonte

Fundador do SempreUPdate. Acredita no poder do trabalho colaborativo, no GNU/Linux, Software livre e código aberto. É possível tornar tudo mais simples quando trabalhamos juntos, e tudo mais difícil quando nos separamos.

Hacker vende 550 milhões de registros roubados em fórum de hackers

Usuários do Android viram alvo em duas campanhas de malware

KDE Plasma 5.18.4 LTS traz mais de 40 correções

KDE Plasma 5.18 LTS Desktop Environment é oficialmente lançado