in

Parrot 4.7 é lançado com Kernel 5.2 e MATE Desktop 1.22

Introduz o novo comportamento do sandbox e a estrutura do menu.

Lorenzo “Palinuro” Faletra, da equipe de desenvolvimento do Parrot Security, anunciou o lançamento da distribuição ética para testes de penetração Parrot 4.7 com Kernel 5.2 e MATE Desktop 1.22. Então, confira as novidades abaixo desta distro derivada do Debian.

Contudo, chegando mais de quatro meses após a versão 4.6, o Parrot 4.7 está aqui com ferramentas atualizadas de teste de penetração e para pesquisadores de segurança e todos os demais que desejam começar as tarefas relacionadas à segurança.

Kernel 5.2 implementado na nova versão

Desenvolvido pelo kernel 5.2, o Parrot 4.7 apresenta um novo comportamento de sandbox para facilitar o uso de aplicativos com estas funcionalidades.

No Parrot 4.7, a sandbox é desativada por padrão, e os usuários podem decidir se iniciarão ou não uma aplicação na sandbox, explica Lorenzo Faletra. Você pode iniciar facilmente a versão em área restrita de um programa instalado a partir da pasta /sandbox/ ou de um menu dedicado que planejamos melhorar no futuro, ou pode reativá-la por padrão usando a ferramenta firecfg.

Também nova na versão Parrot 4.7 é uma estrutura de menu de teste de penetração aprimorada que facilita o acesso às suas ferramentas de pentesting favoritas em uma estrutura hierárquica lógica, juntamente com novas ferramentas para pentesters.

Entretanto, mais aplicativos de testes estão disponíveis nos repositórios oficiais de software e ainda mais nas próximas semanas e meses.

Parrot 4.7 com Kernel 5.2 e agora com o mais recente ambiente de desktop MATE 1.22

O Parrot 4.7 apresenta o ambiente de desktop MATE 1.22 mais recente e leve, que traz diversos aprimoramentos e componentes atualizados por conta própria.

Além disso, há o navegador Mozilla Firefox 69 mais recente, juntamente com as versões mais recentes do Radare2 e Cutter, e um sistema básico atualizado dos repositórios upstream Debian.

O Parrot 4.7 está disponível para download aqui, mas é recomendado apenas para novas implantações, pois os usuários que já possui a versão anterior, deve utilizar o comando “sudo parrot-upgrade“.

Por fim, a equipe prepara para integrar uma filial LTS que fornece ferramentas bem testadas.

Via: Softpedia