in

Qual é o futuro do software livre?

Está na hora da Free Software Foundation considerar algumas novas direções para o movimento do software livre na era pós-Stallman?

Antes de mais nada, se você acha que Richard M. Stallman é um idiota que conseguiu o que merecia ou que foi um grande homem derrubado por maldade, uma coisa é certa: o software livre nunca será o mesmo sem ele. Para melhor ou pior, pela primeira vez o movimento não tem a visão de um homem influenciando os objetivos. Dessa maneira, existe uma oportunidade sem precedentes para auto-avaliação e consequentes mudanças no futuro do software livre.

Qual é o futuro do software livre?
Recentemente, Richard Stallman renunciou ao cargo de presidente da Free Software Foundation.

Qual é o futuro do software livre?

É claro que o software livre em geral e a Free Software Foundation (FSF) em particular podem não querer aproveitar a oportunidade. No entanto, a súbita renúncia de Stallman torna impossível ignorar pelo menos uma questão há muito negligenciada: como os atuais líderes do software livre serão substituídos? Ou ainda, será que eles precisam ser substituídos? Afinal, grande parte do trabalho da FSF já é realizada por seu diretor executivo.

Assim, o software livre pode não ter escolha a não ser mudar se quiser sobreviver. A última década viu uma erosão da autoridade da FSF que, se durasse mais uma década, poderia muito bem reduzir o software livre a um clube privado que é ignorado pela maioria das pessoas. Dessa forma, a FSF precisa muito divulgar seus esforços, cultivar as relações que teve com jornalistas nos primeiros anos do milênio e divulgar a causa sempre que possível — sim, mesmo com aqueles que preferem o termo “código aberto” a “software livre”.

A diversidade abre a possibilidade de mais colaboradores para projetos de software livre. E quantos projetos recusariam ajuda adicional? Se alguns recém-chegados não são programadores, a ajuda com documentação e ajuda técnica ainda são contribuições importantes.

Alcançando o software livre

Embora a diversidade seja desejável para muitos de nós, não é suficiente por si só. O pensamento mais difícil deve ser sobre direções de longo prazo. Além de algumas novas direções, como a certificação Respeite sua liberdade para hardware, nos últimos anos, o software livre mostrou uma tendência a estagnar e olhar para dentro. Assim, piadas antigas sobre dominação mundial deram lugar a… nada. Alguns esforços foram feitos para recrutar jovens programadores, mas sem um objetivo a longo prazo, a retenção destes se torna mais difícil.

Em 2007, Peter Brown, ex-diretor executivo da FSF, tinha bons planos. Brown defendeu os esforços para tornar o software livre uma causa que aborda posições políticas, como reciclar, que é uma coisa que a FSF já faz.

Como o software livre pode manter o hardware antigo funcionando por mais tempo, ele se encaixa bem no espírito de reciclagem existente no mundo atual.

Brown diz:

Nosso trabalho é elevar o software livre como uma questão ética. E podemos seguir em frente a partir daí. Se as organizações escolherem uma distribuição comunitária como o Ubuntu ou comercial como a Red Hat, isso depende delas. Mas apenas levantar a questão é a chave. É como reciclar: você não precisa fornecer uma linha direta sobre como proceder. Isso é algo que as organizações fazem localmente, por meio de suas próprias redes.

Brown propôs focar em alguns grupos em cada área: várias escolas, empresas e grupos ativistas, para os quais diferentes vantagens do software livre seriam apresentadas e, quando necessário, ajuda especializada. Dessa maneira, o software livre obteria gradualmente apoio e conscientização do público.

O futuro aguarda ações

Infelizmente, esta proposta não vingou. Alguns anos depois, Brown deixou a FSF e suas idéias não foram captadas por mais ninguém.

No entanto, agora que o software livre tem uma chance de repensar, talvez algo semelhante à proposta de Brown seja considerada. Assim, isso daria ao movimento um senso de propósito que faltava nos últimos anos e uma maneira de permanecer relevante. Por fim, tudo o que seria necessário é alguma imaginação e coordenação de esforços. A questão, porém, é se existe vontade no software livre para abraçar a mudança.

Neste artigo, você viu qual é o futuro do software livre.

Se gostou, não deixe de compartilhar!

Fonte: FOSS FORCE

Leia também: Richard Stallman renuncia ao cargo de presidente da Free Software Foundation

Escrito por Leonardo Santana

Astrônomo amador e eletrotécnico. Apaixonado por TI desde o século passado.

Opera 64 promete aumento de velocidade de 76% no carregamento de páginas

Opera 64 promete aumento de velocidade de 76% no carregamento de páginas

como-instalar-o-mindustry-no-ubuntu-fedora-debian-centos-e-opensuse

Como instalar o jogo Mindustry no Ubuntu, Fedora, Debian, CentOS e openSUSE!