YouTube registra queda de 21% dos criadores de conteúdo de língua russa

Jardeson Márcio
3 minutos de leitura

Há dois meses a Rússia iniciou uma guerra contra a Ucrânia e, desde então, muitas sanções foram direcionadas ao país. Inclusive, muitas empresas suspenderam os seus serviços por lá. Os usuários de plataformas digitais russos parecem ter diminuído o acesso a algumas delas. Por exemplo, o número de criadores de conteúdo de língua russa ativos na plataforma do YouTube diminuiu 21% no período de 24 de fevereiro a 20 de abril.

As informações acerca dessa diminuição vem dos resultados do estudo Brand Analytics (Via: Gizchina), que também observou uma diminuição significativa no interesse de usuários da Rússia nos serviços Instagram e TikTok.

De acordo com o Brand Analytics, foi resgitrada “uma queda de 21% no número de criadores ativos de conteúdo do YouTube de língua russa; desde o início da guerra na Ucrânia, de 24 de fevereiro a 20 de abril de 2022. E isso apesar do bloqueio que ainda não ocorreu”.

Queda de 21% dos criadores de conteúdo russos no YouTube

O analisador destaca que a maior redução no número de autores no período está na plataforma de vídeos curtos TikTok. “A queda de criadores de conteúdo foi de 87%, conteúdo – 93%. Isso é uma consequência direta da proibição de autores russos postarem no TikTok; bem como a impossibilidade de os criadores de conteúdo ganharem dinheiro na plataforma”, diz o relatório.

youtube-registra-queda-de-21-dos-criadores-de-conteudo-de-lingua-russa

Seguindo o TikTok em termos do número de criadores de conteúdo de língua russa que partiram, está o Instagram. De acordo com a Brand Analytics, 56% dos criadores ativos deixaram a rede social de propriedade da Meta e a quantidade de conteúdo publicado diminuiu 55%. Tal queda é explicada pelo bloqueio do Instagram na Rússia e a saída de anunciantes locais do site.

De acordo com os dados disponíveis, o estudo Brand Analytics foi realizado com base em valores médios que correspondem a uma tendência linear. Os indicadores de 24 de fevereiro e 20 de abril foram comparados. Foram considerados usuários ativos no decorrer do estudo os criadores que publicaram pelo menos um post, “história”, comentaram ou republicaram uma entrada no dia do estudo.

“Nossos blogueiros precisam deixar plataformas estrangeiras – talvez esteja tudo bem”, disse o primeiro-ministro Mikhail Mishustin à Duma no início deste mês. “Nossos cérebros, nossos caras, programadores são capazes de melhorar essas plataformas”, disse ele; citando como exemplos Rutube e VKontakte, uma versão russa do Facebook (que teve um crescimento no mesmo período da pesquisa. “O que está faltando são oportunidades efetivas de monetização”, disse Mishustin: “Isso devolverá nossa juventude e nos dará nosso próprio campo”.

Via: Gizchina

Share This Article
Follow:
Jardeson é Mestre em Tecnologia Agroalimentar e Licenciado em Ciências Agrária pela Universidade Federal da Paraíba. Entusiasta no mundo tecnológico, gosta de arquitetura e design gráfico. Economia, tecnologia e atualidade são focos de suas leituras diárias. Acredita que seu dia pode ser salvo por um vídeo engraçado.