Categorias

Android

Games

Notícias Linux

Tutoriais Linux

Vídeos

Notícias Linux

08/01/2021 às 13:00

22 min leitura

Avatar Autor
Por Claylson Martins

Adobe Flash Player: de herói a vilão da internet

Adobe Flash Player: de herói a vilão da internet

No último dia deste ano demos adeus a uma tecnologia que reolucionou o uso da internet, para o bem ou para o mal. Antes um verdadeiro heroi da internet, o Adobe Flash Player se tornou um grande vilão, devido a várias falhas de segurança.

Tudo começou em março de 2002, quando a Macromedia lançou o Flash MX com suporte completo para vídeo. Graças à possibilidade de embutir vídeos de animações em Flash, todos os problemas de compatibilidade entre navegadores foram eliminados. Assim, foi possível personalizar a experiência de reprodução.

Três anos depois, três engenheiros decidiram deixar o emprego no Paypal e abrir sua própria empresa. Estavam testando diferentes ideias de negócios voltadas para o uso de vídeo na web, quando um deles compareceu a um jantar em que o investidor Keith Rabois foi convidado. Então, ele perguntou ao engenheiro se ele planejava usar tecnologias da Macromedia.

Dada a resposta afirmativa, Rabois, que procurava especificamente uma empresa que aproveitasse a tecnologia Flash, concordou em investir desde que a equipe se concentrasse no negócio de permitir que os usuários carreguem e transmitam vídeos. O novo empreendimento foi chamado de YouTube.

Um ano depois, o Google compra o YouTube e o serviço (junto com a tecnologia que o faz funcionar) se torna de uso. Aparecem novos concorrentes que transmitem não apenas o conteúdo carregado pelos usuários, mas também material protegido por direitos autorais, como filmes e videoclipes. Os navegadores começam a incluir o Flash player entre suas extensões e os computadores, com a possibilidade de assistir a vídeos sem precisar baixá-los, se tornariam uma ameaça mais séria para os cinemas e a televisão.

Flash no Linux

O recurso só passaria a fazer parte do Linux por volta do ano de 2006, mais precisamente na distribuição Ubuntu da época. Em 2008, no site de rastreamento de bugs da Red Hat, um usuário relatou que sua esposa não conseguia ver os vídeos do YouTube usando o Fedora 9 beta. Seu nome era Linus Torvalds.

O sucesso do Flash foi tão grande que a Free Software Foundation não pôde ignorá-lo. Assim, começou a desenvolver o GNU Gnash, um reprodutor para visualizar esses tipos de arquivos. Porém, não teve o mesmo ritmo de desenvolvimento do software proprietário.

O começo e o fim do Flash têm a ver com a Apple

Adobe Flash Player: de herói a vilão da internet

Curiosamente , o nascimento e a morte do Flash estão relacionados à Apple. Tudo começou quando Charlie Jackson, o organizador de um grupo de usuários do Macintosh, conheceu Jonathan Gay. Charlie queria desenvolver software para computadores Apple e Jonathan fazia programas para a plataforma desde o colégio. Junto com uma terceira sócia, Michelle Welsh, que cuidaria do marketing, eles fundaram uma empresa chamada FutureWave software. Isso foi em 1993.

O primeiro produto foi o SmartSketch, um editor gráfico para Mac otimizado para uso com uma caneta. O software tentou compensar a sensação menos natural de uma caneta digital combinando atalhos rápidos e fáceis de usar com uma interface de usuário simples.

Nos testes de mercado, muitos usuários apontaram que o SmartSketch pode ser uma ferramenta útil para animações. É por isso que os desenvolvedores adicionaram recursos básicos de animação a ele.

Como o desenvolvimento de software geralmente leva tempo, muitas vezes acontece que, quando um produto está pronto, os usuários não o desejam mais. Foi o que aconteceu com o SmartSketch. 

Em busca de um novo mercado, os gestores da empresa perceberam que a única ferramenta à disposição dos desenvolvedores da incipiente World Wide Web eram os processadores de texto. Para mudar isso, eles modificaram o SmartSketch seus componentes de animação e o transformaram em uma ferramenta de web design com o nome de FutureSplash. Isso no ano de 1995

O foco na web

FutureSplash tinha dois componentes:

  • FutureSplash Animator: Com este componente, os designers podem criar animações em uma linha do tempo básica e adicionar um pouco de interatividade a ela. Na verdade, era uma ferramenta de animação quadro a quadro, com ferramentas de desenho, uma interface amigável e permitindo aos usuários arrastar e soltar animações.
  • Visualizador FutureSplash: para os dois navegadores da época; O Internet Explorer e o Netscape Navigator podem mostrar os arquivos criados pelo Animator necessários para baixar este componente em seu computador.

Como não houve concorrência, tudo bem com o novo produto. A Netscape adicionou o Viewer à sua lista de extensões apresentadas, e a Microsoft pediu aos desenvolvedores que criassem um player integrado para o MSN.com, a página inicial padrão do Internet Explorer. Sua ideia era criar algo como uma experiência de televisão em uma seção de sua página.

Se você não pode vencê-los, compre-os

O sucesso do FutureWave não passou despercebido, e uma empresa chamada Macromedia, que tinha seu próprio reprodutor web chamado Shockwave, decidiu comprar o programa. 

Com o apoio da Macromedia, o Flash se tornaria uma parte essencial da web (seja seu uso justificado ou não). FutureSplash poderia adicionar botões com funcionalidade limitada, mas graças ao seu novo proprietário, o Flash foi complementado com uma nova linguagem de programação (um parente próximo do JavaScript chamado ActionScript.

Usando o ActionScript, os programadores podem criar interatividade avançada para animações em Flash, transformando-as em sites completos.

Nunca houve uma ferramenta oficial para o desenvolvimento de animações Flash no Linux. Havia projetos como o Haxe que permitiam compilar códigos escritos em ActionScript.

início, a web era estática. Com a largura de banda disponível na época, as únicas coisas que podiam ser transmitidas eram textos e imagens estáticas. Dois desenvolvedores que iniciaram uma empresa de software Mac encontraram a solução. Um jogador que foi instalado localmente no computador do usuário permitiu ver as animações criadas por outro programa . Isso reduziu o uso de recursos.

O uso do Flash não era muito bom para sites comerciais. Em primeiro lugar, os buscadores da época não conseguiam indexar esse tipo de conteúdo. Em segundo lugar, o conteúdo precisava ser carregado antes que a página pudesse ser visualizada. Graças ao Flash, as oportunidades de entretenimento online cresceram com jogos, animações em quadrinhos e filmes.

A queda do Flash e o triunfo dos padrões da web

Deixamos essa história em 2006 quando, de mãos dadas com o YouTube e outros sites de streaming e jogos, o Flash se consolidou como a tecnologia dona de interatividade e multimídia na Internet. Um ano depois, um novo dispositivo iniciaria o processo que terminou no último dia de 2020.

A Adobe compra a Macromedia em 2006. Ambas as empresas desenvolveram softwares para design gráfico e a aquisição permitiu à Adobe, não só se livrar de produtos concorrentes, mas também entrar no mercado de web design.

A Adobe nunca foi muito fã com o Linux e o desenvolvimento do player para Linux iria parar até que ele desaparecesse em 2012. Se você quisesse continuar assistindo a conteúdo em Flash, teria que instalar o navegador Chrome. já que o Google se encarregou de desenvolver um plugin compatível.

Em 2016, quando a necessidade do Flash e, consequentemente, sua participação no mercado diminuiu drasticamente, a Adobe queria ressuscitar o player para Linux e prometeu atualizações junto com o Windows e Mac. No entanto, era tarde demais.

A queda do Flash

Um ano depois que a Adobe comprou a Macromedia, o iPhone é lançado . A Adobe nunca foi capaz de desenvolver uma versão funcional do Flash sem consumir a maioria dos recursos do novo dispositivo. Então, três anos depois, Steve Jobs decidiu excluí-lo do dispositivo.

Devemos levar em conta duas coisas, a primeira é o carisma de Steve Jobs. Se ele disse que você não precisa de algo, milhões de pessoas em todo o mundo deixaram de precisar. A segunda é que alternativas melhores já estavam começando a aparecer.

Já em 2004, a própria Apple, junto com Mozilla e Opera, havia formado um grupo de trabalho para desenvolver uma nova versão do HTML, a linguagem para a criação de páginas da web. Esta nova versão incluiria tecnologias para adicionar interatividade e incorporar conteúdo multimídia à web. No ano seguinte, o consórcio W3C se junta ao projeto.

Vamos deixar claro que Jobs não amava os padrões abertos. O iPhone veio com seu próprio ecossistema de loja de jogos e aplicativos. E o Flash permitia que você criasse jogos e aplicativos para usar online. Eliminar o Flash significa eliminar a concorrência.

Se você fosse desenvolvedor web e quisesse que seus sites fossem vistos em produtos Apple, tinha que começar a usar HTML5, CSS3 e Javacript . A partir de 2008 já existiam navegadores de desktop compatíveis com o novo padrão, o esforço de ter duas páginas diferentes parou de fazer sentido.

Finalmente, a Adobe abandona o desenvolvimento do Flash para Android em 2012.

O grande golpe para essa tecnologia, sem dúvida, veio do mesmo driver. O YouTube começou a testar um player HTML5 em 2010.

Mais um concorrente

Em 2007, a Microsoft lançou sua própria solução para competir com o produto Adobe. Era chamado de Silverlight e tinha uma contraparte de código aberto chamada Moonlight.

O Silverlight foi relativamente bem sucedido no mercado corporativo. Na verdade, era a tecnologia usada originalmente pela Netflix e outros provedores de conteúdo. No entanto, a própria Microsoft juntou-se ao grupo de trabalho de desenvolvimento do HTML5 e um entusiasta difusor do padrão. Em 2013, a Netflix iniciou um teste piloto móvel de um player HTML5.

DRM

O último prego no caixão do Flash foi colocado pelo W3C em 2017.

O World Wide Web Consortium é a entidade que supervisiona o desenvolvimento de padrões da web. Depois de muita discussão, ele aprovou o uso de uma extensão chamada Encrypted Media Extensions (EME).

Graças a esta extensão, os provedores de conteúdo multimídia podem implementar soluções anticópia no conteúdo visualizado com players HTML5. Se você entrar em sites como Netflix ou Spotify pela primeira vez no Linux, verá uma mensagem de seu navegador solicitando a instalação de um componente adicional.

Nos últimos anos de sua vida o Flash foi um pesadelo de segurança (a piada era que encontraram código entre seus bugs) e, depois que os principais navegadores anunciaram que iriam bloqueá-lo, a Adobe anunciou que iria descontinuá-lo em 2020.

Com informações de Linux Adictos

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão. Nas horas não muito vagas, professor, fotógrafo, apaixonado por rádio e natureza.

Últimos artigos

Newsletter

Receba nossas atualizações!

Newsletter

Receba nossas atualizações!
  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.