Categorias

Android

Games

Notícias Linux

Tutoriais Linux

Vídeos

Notícias Linux

14/05/2020 às 13:17

23 min leitura

Avatar Autor
Por Claylson Martins

Alemanha pode dar adeus à Microsoft e migrar para código aberto

Alemanha pode dar adeus à Microsoft e migrar para código aberto

E quando tudo já parecia definido, eis uma nova reviravolta. Estamos falando da cidade alemã de Munique que, mais uma vez, vai abandonar os produtos da Microsoft e partir para o código aberto. A decisão é dos políticos que acabam de ser eleitos por lá. A cidade e todos os órgãos públicos darão adeus ao Microsoft Office, por exemplo. O movimento passou a ser detectado até mesmo entre órgãos federais. A ideia é defendida abertamente pelo partido da primeira ministra Angela Merkel. Assim, sinaliza que essa troca pode mesmo acontecer em todo o país. A guerra entre LiMux e Windows parece estar de volta e a Alemanha pode dar adeus à Microsoft e migrar para código aberto.

No caso de Munique, a troca ocorrerá onde for tecnologicamente e financeiramente possível. A cidade dará ênfase aos padrões abertos e ao software livre e licenciado de código aberto. É uma volta a 2006 quando essa decisão foi tomada e eles chegaram a criar um ecosisstema próprio. Por enquanto, tudo ainda está na fase de negociação para a troca, segundo um novo acordo de coalizão negociado entre o recém-eleito Partido Verde e os social-democratas.

O acordo foi finalizado no domingo e as partes estarão no poder até 2026.

Vamos aderir ao princípio de ‘dinheiro público, código público’. Isso significa que, enquanto não houver dados pessoais ou confidenciais envolvidos, o código-fonte do o software da cidade também será tornado público, afirma o acordo.

Munique mudando novamente e sai da Microsoft para código aberto

A decisão está sendo saudada como uma vitória pelos defensores do software livre. Para eles, esta é uma solução mais econômica e essencial em termos de transparência administrativa.

No entanto, a decisão da nova administração de coalizão na terceira maior e uma das cidades mais rica da Alemanha é apenas a mais recente reviravolta de uma saga iniciada há 15 anos em 2003, impulsionada pelos planos da Microsoft de encerrar o suporte ao Windows NT 4.0.

Como a cidade precisava encontrar um substituto para as antigas estações de trabalho Microsoft Windows, Munique acabou por se afastar do software proprietário no final de 2006.

Na época, a migração era vista como um projeto ambicioso e pioneiro para software aberto na Europa. Envolveu formatos de padrão aberto, software neutro ao fornecedor e a criação de uma infraestrutura de desktop exclusiva. Então, baseado no código Linux surgia o ‘LiMux‘ – uma combinação de Linux e Munique.

Em 2013, 80% dos desktops da administração da cidade deveriam estar executando o software LiMux. Na realidade, o conselho continuou executando os dois sistemas – Microsoft e LiMux – lado a lado por vários anos para lidar com problemas de compatibilidade.

Como resultado de uma mudança no governo da cidade, uma decisão controversa foi tomada em 2017 para deixar o LiMux e voltar para a Microsoft em 2020. Na época, os críticos da decisão culparam o prefeito e o vice-prefeito e lançaram uma suspeita sobre a decisão da gigante americana de software de mudar sua sede para Munique.

Em entrevistas, um ex-prefeito de Munique, sob cuja administração o programa LiMux começou, foi sincero sobre os esforços da Microsoft para manter seu contrato com a cidade.

Dinheiro público, código aberto

migração de volta para a Microsoft e para outros fabricantes de software proprietários, como Oracle e SAP, que custam cerca de 86,1 milhões de euros (93,1 milhões de dólares), ainda está em andamento hoje.

Estamos muito felizes por eles estarem assumindo os pontos da campanha ‘Dinheiro público, código público’ que começamos há dois anos e meio, disse Alex Sander, gerente de políticas públicas da UE na Free Software Foundation Europe, sediada em Berlim. Mas também é importante observar que isso é apenas uma declaração de um acordo de coalizão que define planos futuros, diz ele.

Nada vai mudar de um dia para o outro, e não esperamos que isso aconteça, continuou Sander, observando que a cidade também estaria esperando que os contratos de software em andamento expirassem. Mas na próxima vez que houver um novo contrato, acreditamos que ele deva envolver software livre.

Qualquer transição passo a passo pode levar anos. Contudo, também é possível que Munique seja capaz de se mover mais rápido do que a maioria porque não está começando do zero, observou Sander. Pode-se supor que algum software LiMux ainda esteja em uso e que alguns funcionários já o tenham usado antes.

A Free Software Foundation Europe gostaria de ver a cidade de Munique elaborar um roteiro para alcançar seus objetivos. No entanto, isso só deve ocorrer dentro de 100 dias, depois que o novo conselho se estabelecer no cargo.

Esse novo movimento já foi criticado, tanto pelos custos que isso acarreta, pelo tempo perdido quanto pela indecisão geral. Os “spinners em Munique” estão tentando conseguir um acordo melhor com a Microsoft, reclamou um leitor de um site de tecnologia alemão.

“É mais uma decisão política do que racional”, sugeriu outro.

A volta ao passado é mais econômica que política ou vice-versa?

Basanta Thapa, especialista em governo digital do Instituto Fraunhofer para Sistemas de Comunicação Abertos, em Berlim, concorda que essas decisões são políticas. “Eles não são puramente técnicos e, na minha opinião, isso não é necessariamente uma coisa ruim”, diz ele.

Em termos técnicos, nenhum sistema é necessariamente melhor que o outro. Pelo menos é isso o que apontam vários estudos que chegaram à mesma conclusão.

Geralmente, existem dois pontos principais, diz ele: aceitação do usuário, que envolve o treinamento de pessoas em novos sistemas, e a interface entre software aberto e fechado. Isso pode ser qualquer coisa, desde a leitura de um documento do Open Office em outra área de trabalho, até programas que os conselhos municipais escreveram especialmente para, por exemplo, matrículas em escolas, contratos de licitação ou coleta de lixo.

Há também questões como ficar preso a um contrato que pode eventualmente ficar mais caro, diz Thapa, e se o código aberto é menos caro a longo prazo, mesmo se a mudança acarretar custos agora.

Portanto, esse tipo de decisão deve se resumir às filosofias políticas sobre o mercado, bem como a questões cada vez mais importantes, como a soberania digital . Esse problema é um dos motivos pelos quais, desta vez, é improvável que Munique – ou qualquer outra cidade ou estado da Alemanha – revele as decisões de software de código aberto novamente.

Os interesses comerciais estão em jogo e as facções políticas continuarão lutando com esse problema, mas, como observa Thapa, de Fraunhofer, “existe um clima totalmente diferente em torno do software livre de código aberto”. A discussão sobre como a Alemanha e a Europa alcançam mais ‘soberania digital‘ é uma grande parte disso.

Tecnologia nas mãos de estrangeiros é ter menos soberania: LiMux versus Windows

Alemanha pode dar adeus à Microsoft e migrar para código aberto

Cada vez mais, os políticos alemães reconhecem que muitos de seus sistemas de TI pertencem a marcas estrangeiras como Huawei e Microsoft.

Além disso, na década e meia desde o início de Munique neste curso, o software de código aberto tornou-se uma tendência mundial.

Antes o programa LiMux era um modelo a ser seguido. Agora, graças ao seu hiato de cinco anos, foi ofuscado por outras cidades europeias. Barcelona, Madri e Paris, por exemplo, operam seus próprios projetos ambiciosos nessa área.

Em Barcelona, por exemplo, até 70% do orçamento de TI da cidade é destinado ao software livre e todo um ecossistema evoluiu em torno dos desenvolvedores locais.

Os especialistas sugerem que a Alemanha tem muito o que fazer, mesmo quando grandes cidades como Berlim, Dortmund e Leipzig iniciaram suas próprias iniciativas de software livre.

 

Alemanha pode dar adeus à Microsoft e migrar para código aberto. Tendência é todo o país migrar para o software livre

Sander observa que, em sua conferência partidária em novembro do ano passado, até o partido  democrata cristão Democrata (CDU) de Angela Merkel estava de olho no software livre.

Para futuros projetos digitais, “a aquisição e o suporte serão vinculados pelos princípios de código aberto e de padrões abertos. Software financiado publicamente deve atender a todos os cidadãos”, disse a declaração do partido, ecoando a campanha da Free Software Foundation.

Obviamente, isso é apenas uma declaração de intenção política, observa Sander da Fundação. Mas se a CDU permanecer no poder, isso poderá se tornar a posição oficial de todo o governo alemão.

O Ministério Federal do Interior, já adotou uma linha semelhante. Ele contratou a consultoria PwC para analisar como a Alemanha poderia alcançar mais soberania digital e se tornar menos dependente de fornecedores como a Microsoft.

Uma das recomendações do estudo de agosto de 2019 foi investir em mais software de código aberto. Ao delinear vários desafios, os analistas também disseram: “Em última análise, essa opção pode levar à independência permanente dos principais fornecedores”.

Vale a pena notar que o político encarregado desse ministério é Horst Seehofer, membro do mesmo partido político, a conservadora União Social Cristã, como é o ex-vice-prefeito de Munique, que é frequentemente visto como um dos principais impulsionadores contra o Projeto LiMux lá.

Até agora, são mais palavras do que ações, admite Thapa, do Instituto Fraunhofer. Até o momento, nenhum dos grandes players parece ter perdido negócios significativos com o movimento do software livre na Alemanha. Mas parece provável que os fornecedores comerciais terão um tempo mais difícil aqui no futuro próximo.

Acho muito emocionante que Munique esteja de volta”, conclui Thapa. “A porta da oportunidade está aberta novamente e talvez desta vez eles passem por todo o caminho.

Fonte: ZDNet

 

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão. Nas horas não muito vagas, professor, fotógrafo, apaixonado por rádio e natureza.

Últimos artigos

Newsletter

Receba nossas atualizações!

Newsletter

Receba nossas atualizações!
  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.