in

Aplicativos gráficos do Linux chegam ao Windows SubSystem for Linux

O Linux no Windows está cada vez mais poderoso e funcional. Agora, os programas gráficos do Linux estão sendo integrados ao WSL.

Na  conferência de desenvolvedores virtuais do Microsoft Build 2020, o CEO Satya Nadella anunciou que o Windows Subsystem for Linux (WSL) 2.0 em breve ofereceria suporte a GUIs e aplicativos Linux. Esse dia está mais perto agora do que nunca. Na recente X.Org Developers Conference (XDC), o desenvolvedor parceiro da Microsoft, Steve Pronovost, revelou que a Microsoft tornou possível executar aplicativos gráficos do Linux dentro do WSL.

Sempre foi possível executar programas gráficos do Linux, como o editor gráfico GIMP, o cliente de e-mail Evolution e o LibreOffice em WSL. Porém, não foi fácil. Você tinha que instalar um servidor de exibição X Window de terceiros, como o VcXsrv Windows X Server no Windows 10 e, em seguida, fazer alguns ajustes com o Windows e o Linux para que funcionassem juntos sem problemas.  O X Window System é a base de quase todas as interfaces gráficas de usuário do Linux.

Agora, a Microsoft portou um servidor de exibição Wayland para WSL. Wayland é o servidor compatível com o X Window mais popular. No WSL2, ele conecta os aplicativos gráficos do Linux por meio de uma conexão RDP (Remote Desktop Protocol) à tela principal do Windows. Isso significa que você pode executar aplicativos Linux e Windows GUI simultaneamente na mesma tela da área de trabalho.

Aplicativos gráficos do Linux chegam ao Windows SubSystem for Linux

Pronovost explicou:

WSL essencialmente executa o Linux dentro de uma máquina virtual hospedada pelo Windows e integramos aplicativos (console e agora GUI) de volta ao seu desktop Windows para que você possa executar aplicativos Win32 e Linux dentro de uma experiência unificada. Como o Linux está sendo executado na VM, não podemos executar o driver nativo da GPU que espera acesso direto à GPU (a menos que façamos algo como atribuição discreta de dispositivo e atribuímos uma das GPU host à VM … mas então o host perderia o acesso a essa GPU!). Com GPU-PV [GPU Paravirtualization], podemos essencialmente projetar a GPU host no Linux e fazer com que os processos do Linux e do Windows compartilhem a mesma GPU física sem a necessidade de particionamento fixo de recursos.

Craig Loewen, gerente de programa WSL da Microsoft, acrescentou em um tópico do Twitter que as principais diferenças entre usar um servidor X de terceiros e o servidor Wayland embutido é que: “Você não precisa inicializar ou iniciar o servidor, nós cuidarei disso para você.” Além disso, ele vem com uma “integração adorável com o Windows”, como sombras projetadas e suporte para ícones do Linux.

Loewen também disse que você pode rodar um navegador Linux nele. “Não o testamos extensivamente com um ambiente de desktop completo ainda, pois queremos nos concentrar na execução de aplicativos frequentemente solicitados primeiro, e principalmente IDEs [ambiente de desenvolvimento integrado] para que você possa executá-los em um ambiente Linux completo”, disse ele.

Não fique muito animado com isso ainda, no entanto. Loewen continuou: “Ainda não temos um ETA para o canal beta, no entanto, este trabalho estará disponível em geral para os Insiders tentarem nos próximos meses.”

A integração do Linux com o Windows pela Microsoft já existe há algum tempo

Quatro anos atrás, a Microsoft lançou o WSL, que trouxe o shell do Linux Bash para o Windows 10. Com Bash e WSL, você pode executar a maioria das ferramentas shell do Linux e linguagens de programação populares do Linux.

Com o passar do tempo, o Linux se tornou um item de primeira classe no desktop do Windows. Várias distros Linux, começando com o Ubuntu , foram seguidas por Red Hat Fedora e SUSE Linux Enterprise Desktop (SLED) . Em seguida, a Microsoft substituiu sua camada de tradução WSL, que convertia chamadas do kernel Linux em chamadas do Windows, pelo WSL 2. Essa atualização veio com o próprio kernel do Linux da Microsoft rodando em uma versão fina do hypervisor Hyper-V.

Mais recentemente, começando com o Windows 10 Insider Preview build 20211, os usuários do Windows podem acessar os sistemas de arquivos Linux. Isso inclui acesso a sistemas de arquivos Linux, como ext4, que o Windows não oferece suporte nativo. Isso também significa que, se você inicializar duas vezes o Windows e o Linux com discos diferentes, agora poderá acessar os arquivos do Linux a partir do Windows. Com isso, você pode acessar arquivos Linux do Windows File Explorer e da janela do PowerShell com privilégio administrativo.

No ritmo em que as coisas estão indo, é só esperar a profecia “maluca” de que o Windows 11 pode rodar em cima do Linux ainda pode se tornar realidade! E que o Windows vai se tornar uma mera camada de compatibilidade do Linux. No fim, o open source venceu.