in

Como o Linux chegou ao IBM Mainframe

O Linux chegou ao mundo do Mainframe e veio pra ficar. Atualmente distribuições com SUSE, REDHAT e UBUNTU já podem ser executadas nesta plataforma.

Como o Linux chegou ao Mainframe

O Linux chegou ao Mainframe, remodelando o modelo de negócio e ampliando os usos deste tipo de hardware.

Para alguns leitores,a palavra Mainframe pode soar de forma estranha. Porem, este tipo de solução ainda é muito utilizada quando necessitamos mais de 99,99% de SLA.

Distribuições Linux como Redhat, UBUNTU, SUSE já estão preparadas para serem executadas dentro do universo do Mainframe.

O que é um Mainframe?

Você pode pensar em um mainframe como um grande servidor de nível corporativo. Tudo, desde os CPUs s390x personalizados à memória e energia, juntamente com matrizes de armazenamento externo, é altamente redundante e até construído para sobreviver a terremotos . A criptografia interna baseada em hardware permite a criptografia de ponta a ponta de seus dados sem tirar o poder geral de processamento de suas cargas de trabalho. Essencialmente, se você deseja que suas cargas de trabalho e dados sejam seguros, ainda faz sentido investir em um mainframe.

Como o Linux chegou ao Mainframe

O sistema operacional tradicional de mainframe é o z / OS, que possui um longo histórico e ainda recebe lançamentos regulares para adicionar funcionalidade, segurança e estabilidade. O Open Mainframe Project hospeda uma coleção de projetos de código aberto, amplamente criados em torno do z / OS, para modernizar ainda mais a plataforma. Isso inclui o Zowe , que traz ferramentas modernas de API, shell, automação e scripts para o mainframe. Os administradores de sistemas que estão olhando para os mainframes agora têm um conjunto de ferramentas moderno e familiar para trabalhar. Adicionar suporte para Linux no mix? De repente, você tem uma adição incrivelmente poderosa à infraestrutura e ela suporta todas as ferramentas que você conhece.

Diante de tudo que foi exposto, o Linux é um sucessor natural aos sistemas operacionais anteriormente executados no Mainframe.

História do Mainframe

Para ter uma ideia real de como o Linux chegou ao mainframe, eu o levarei de volta no tempo. O primeiro mainframe da IBM, o IBM System / 360, foi introduzido em 1964. Antes disso, os computadores eram criados especificamente para clientes e setores específicos. O S / 360 foi construído para ser um computador multiuso, capaz de atender a uma variedade de necessidades de computação em todos os setores. Avancemos para 1972 e temos o que é realmente um momento crucial na computação moderna: a introdução do VM / 370.

VM significa a mesma coisa que significa hoje, máquina virtual, e essa foi a primeira tecnologia de virtualização para o mainframe. O compartilhamento de tempo no mainframe havia sido uma ideia em documentos técnicos que remontam à década de 1950, mas o VM / 370 trouxe isso para outro nível. Se você está interessado em saber por que isso foi revolucionário e a história técnica dos componentes e equipes que fizeram isso acontecer.

Como um entusiasta de longa data de código aberto, descobri que uma das coisas mais interessantes sobre o desenvolvimento da VM era o quão orientado para a comunidade era. Pessoas de várias universidades e empresas fora da IBM estavam dirigindo os esforços e dando seus comentários à IBM para impulsionar o desenvolvimento.

 

Mainframe na linha do tempo

Como o Linux chegou ao Mainframe

Mainframe no Brasil

Os primeiros IBM Mainframes System/360 foram lançados no Brasil em 1965. Nesse ano, havia no país 89 sistemas de computadores, sendo quase dois terços desse total da marca IBM. A empresa assinou em 1966 um grande contrato com o Instituto Brasileiro de Reforma Agrária para realizar o recenseamento da propriedade rural e o cálculo do imposto territorial em todo o país.

Já em 1968, a IBM integrou o System/360 aos terminais de teleprocessamento e viabilizou, dois anos depois, a primeira operação de teleprocessamento bancário do país, interligando a agência do Bradesco de Carapicuíba (SP) ao Centro Eletrônico de Processamento de Dados do banco, em Osasco (SP), inaugurando o modelo on line de atualização de contas correntes no Brasil.

Grande parte dos bancos brasileiros usa mainframe. Um deles é o SICOOB. A rápida expansão do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil precisava de uma infraestrutura de TI flexível, segura e escalável para promover o acesso móvel e serviço full time. Para isso, utilizou mainframe da IBM, que permitiu aumento de 600% em mobilidade, 200% em internet e 60% em transações, economizando US$ 1.5 milhão por ano com eletricidade e entregando seus serviços com mais agilidade.

 

Conclusão

O Mainframe se antecipou às tendências e descobertas da tecnologia. A virtualização, um dos temas mais atuais em termos de infraestrutura de TI, está disponível no Mainframe há mais de 30 anos.

 

Segue uma lista de artigos que complementam  este artigo e ampliam seu conhecimento.

Aonde IBM and Red Hat irão a partir de agora?

Quais as diferenças entre Unix e Linux?

 

Gostou deste artigo ? Recomende novos artigos.

Abraço à todos.

Escrito por Adriano Frare

Escritor do livro Aplicações Avançadas em LINUX com mais de 20 anos trabalhando com LINUX e UNIX.

É possível monetizar dados respeitando a privacidade

É possível monetizar dados respeitando a privacidade

Novo malware do Linux explora criptografia após instalar o backdoor com senha mestra secreta

Novo malware do Linux explora criptografia após instalar o backdoor com senha mestra secreta