in

Desenvolvedores da Mozilla não cumprirão completamente o novo manifesto do Chrome

Com isso, os plug-ins devem ter maior liberdade no Firefox.

Desenvolvedores da Mozilla não cumprirão completamente o novo manifesto do Chrome

A equipe da Mozilla está trabalhando no novo mecanismo Javascript para a próxima versão do Firefox 70, que chegará no mês de outubro. Porém, a empresa também fez um anúncio sobre o uso de complementos do Firefox com base na API WebExtensions. Assim, os desenvolvedores da Mozilla não cumprirão completamente o novo manifesto do Chrome.

Com isso, eles anunciam que, em particular, o Firefox continuará a oferecer suporte ao modo de bloqueio da API webRequest, que permite alterar o conteúdo aceito em tempo real e é exigido em bloqueadores de anúncios e sistemas de filtragem de conteúdo.

A principal idéia da transição para a API WebExtensions foi a unificação da tecnologia de desenvolvimento de complementos para Firefox e Chrome; portanto, em sua forma atual, o Firefox é quase 100% compatível com a segunda versão atual do manifesto do Chrome.

Desenvolvedores da Mozilla não cumprirão completamente o novo manifesto do ChromeDesenvolvedores da Mozilla não cumprirão completamente o novo manifesto do Chrome

O manifesto define uma lista de recursos fornecidos pelos complementos. Devido à introdução de medidas restritivas negativamente percebidas pelos desenvolvedores de complementos na terceira versão do manifesto,Mozilla abandonará a prática de seguir completamente o manifesto e não transferirá alterações no Firefox que violem a compatibilidade com os complementos.

Lembre-se de que, apesar de todas as objeções, o Google planeja suspender a compatibilidade com o Chrome no modo que bloqueia o modo API WebRequest. limitando-o apenas ao modo somente leitura e por oferecer novos recursos de filtragem declarativa de conteúdo da API declarativeNetRequest.

Se a API webRequest permitiu conectar seus próprios controladores com acesso total às solicitações de rede e modificar o tráfego instantaneamente, a nova API declarativeNetRequest fornece acesso a um mecanismo de filtragem integrado universal pronto para usar que processa independentemente as regras de bloqueio, não permite o uso de seus próprios algoritmos de filtragem e não permite regras complexas sobrepostas umas às outras de acordo com as condições.

A Mozilla também avalia a conveniência de portar o Firefox para dar suporte a outras alterações desde a terceira versão do manifesto do Chrome, que viola a compatibilidade com os complementos:Desenvolvedores da Mozilla não cumprirão completamente o novo manifesto do Chrome

  • transição para a execução dos serviços na forma de processos em segundo plano. Isso vai exigir é que os desenvolvedores alterem o código de algumas adições.
    Embora o novo método seja mais ideal em termos de desempenho, a Mozilla está considerando manter o suporte para a execução de páginas em segundo plano.
  • Novo modelo de solicitação de permissão granular: o suplemento não pode ser ativado imediatamente para todas as páginas (a permissão “all_urls” é excluída), mas funcionará apenas no contexto da guia ativa, ou seja, o usuário deve confirmar o trabalho do complemento para cada site. Neste segmento, a Mozilla está explorando maneiras de fortalecer o controle de acesso sem distrair constantemente o usuário.
  • Alteração no processamento de solicitações de origem cruzada: de acordo com o novo manifesto, as mesmas restrições de autoridade serão aplicadas aos scripts de processamento de conteúdo da página principal em que esses scripts são inseridos. Por exemplo, se a página você não tem acesso à API do local. Portanto, o script de complementos também não obtém esse acesso. A mudança está planejada para ser implementada no Firefox.
  • Proibição da execução de código baixado de servidores externos (estamos falando de situações em que um suplemento carrega e executa código externo). O Firefox já usa o bloqueio de código externo. Os desenvolvedores da Mozilla não têm problemas em reforçar essa proteção usando técnicas adicionais de rastreamento de download de código oferecidas na terceira versão do manifesto.

Mais informações no Blog da Mozilla.

Fonte: Ubunlog

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

android-10-e-mais-seguro-que-as-versoes-anteriores

Android 10 é mais seguro que as versões anteriores?

Debian adiciona outra opção para sistema init

Debian 10.1 traz primeiro lote de correções para o Buster