in

Grandes empresas querem acabar com o Linux e open source?

Linux e código aberto enfrentarão dois grandes problemas em 2020

Grandes empresas querem acabar com o Linux e open source?

Você acha que o kernel Linux tem problemas ou acredita que o espírito do código aberto está em perigo? Bem, existe um grupo de desenvolvedores e pessoas diretamente envolvidas que acreditam não só nesses mas em sérios desafios do mundo open source em 2020.  O assunto começou a ganhar mais visibilidade a partir de um artigo de Bryan Lunduke, um dos mais aguerridos defensores do Linux fazendo parte do projeto do Linux Journal, além dei conselheiro do openSUSE, por exemplo.  O artigo foi publicado originalmente no Patreon Inc., um site de crowdfunding baseado em São Francisco criado pelo músico Jack Conte e pelo desenvolvedor Sam Yam. Então, para Lunduke, o Linux e código aberto enfrentarão dois grandes problemas em 2020. Entretanto, será mesmo que essas grandes empresas como Microsoft e Facebook querem mesmo acabar com o Linux e o open source?

E por que grandes empresas querem acabar com o Linux e open source?

De acordo com Lunduke, o  Linux assumiu um lugar muito importante hoje no mundo da TI e frequentemente anima debates. Atualmente, o kernel Linux (e, de maneira mais geral, de código aberto) equipa cada um dos 500 maiores supercomputadores do mundo. Da mesma forma, a maioria dos smartphones é roda principalmente por Linux e código aberto. Algumas empresas que rejeitaram o kernel no passado ou tentaram comprar o projeto ou fazê-lo desaparecer o adotaram principalmente hoje. Alguém aí falou Microsoft? Porém, isso ocorre voluntariamente? Lunduke acha que não.

Segundo Bryan Lunduke, os assuntos sobre os quais ele fala não são tecnológicos. No entanto, podem causar danos aos dois projetos se não forem resolvidos. Lunduke classifica os problemas em duas grandes categorias. A primeira fala de uma certa influência (e controle) nas instituições de código aberto por organizações e empresas que são, na maioria de seus campos de atividade, opostas ao código aberto. O segundo é sobre a influência de projetos, instituições e comunidades de código aberto por aqueles que procuram prejudicar os outros.

Para justificar a primeira categoria, Lunduke disse que algumas das organizações mais importantes e sem dúvida as mais influentes do mundo do código aberto atualmente são fortemente financiadas por empresas que se opõem predominantemente ao código aberto.

Desafios do Linux e open source em 2020. Vamos aos exemplos?

Microsoft e Facebook financiam a Open Source Initiative. Facebook, VMWare, Microsoft, Comcast e Oracle e outros como eles financiam a Linux Foundation (e têm cadeiras no conselho da Linux Foundation).

Lunduke explica que estas são empresas que se concentram quase inteiramente em “Código Aberto”, a grande maioria de seu trabalho está encerrada e algumas dessas empresas estão tomando medidas legais drásticas contra projetos código aberto e seus usuários. Além disso, alguns desses assentos custariam cerca de meio milhão de dólares por ano e, segundo Lunduke, as empresas não jogam fora esse tipo de dinheiro sem esperar por algo em troca. Ele está certo em ver a coisa (esses investimentos) também como um grande risco?

Teoria da conspiração?

Grandes empresas querem acabar com o Linux e open source?

 

Ele sustenta, no entanto, que não é uma conspiração.

Não é uma teoria da conspiração. É apenas um bom negócio, obviamente. Se a Microsoft, por exemplo, apenas quisesse ser generosa, doaria meio milhão de dólares, publicaria um comunicado de imprensa sobre sua gentileza e não se envolveria. Em vez disso, eles pagam por cargos no conselho que lhes dão maior controle sobre as atividades e posições de organizações como a Linux Foundation, disse ele.

Lunduke acredita que é como se essas empresas quisessem uma coisa e, ao mesmo tempo, o contrário, o que ele acha suspeito.

Para mim, o fato de a Microsoft estar comprando assentos no conselho da Linux Foundation é como um fabricante de cigarros comprando um assento no conselho de uma organização cujo objetivo é ajudar as pessoas a parar fumar, desde que seus interesses não estejam alinhados. Ou a Tesla comprando um assento no conselho de administração de uma cadeia de postos de gasolina, disse ele.

Contatos sem resposta

Grandes empresas querem acabar com o Linux e open source?

Por último, ele acrescentou que entrou em contato com a Linux Foundation e a Microsoft várias vezes nos últimos meses. Contudo, não recebeu resposta à pergunta até o momento. Outro problema que ele destaca nesta categoria é o das empresas que se concentram em fontes fechadas e que limitam os direitos dos usuários finais. É o caso do direito a reparação e uso justo do conteúdo, adquirindo controle significativo sobre o conteúdo.

Concorrência nociva

Na prova de que Lunduke trouxe para a segunda categoria de problemas, ele acredita que uma pequena parte do mundo do código aberto atua ativamente de maneira odiosa e exclusiva em relação aos outros membros da comunidade de código aberto.

Pelo que observei, acredito que esse tipo de coisa continuará a aumentar em 2020 até que um ponto de ruptura seja alcançado, disse ele.

Lunduke disse que os pedidos para cometer crimes contra outros membros da comunidade de código aberto estão se tornando mais comuns.

Há um ano e meio, durante uma conferência, um funcionário de alto nível da Microsoft incentivou especificamente os presentes a cometer crimes contra pessoas com base em sua cor e gênero de pele (embora o idéia horrível, independentemente de sexo ou etnia). Ele disse que precisamos que as pessoas estejam “prontas para ir para a prisão”, que precisamos de “cúmplices”. Ele até tinha um slide falando sobre a necessidade de “cúmplices” contra pessoas de certas cores de pele, ele deu como exemplo.

Discriminação ideológica

Ele também falou do fato de que alguns seriam proibidos de trabalhar em organizações de código aberto por causa de suas opiniões políticas. Assim como as preocupações sobre empresas de código aberto que compram influência de organizações de código aberto, esses não são incidentes isolados. E eles parecem estar se intensificando.

Além disso, ele acrescentou que um detalhe mais fascinante disso tudo é que muitos dos indivíduos e organizações que pregam o ódio vêm das grandes empresas mencionadas acima.

Semeando a discórdia

Em outras palavras, a maioria dos indivíduos e organizações que procuram causar divisão e prejudicar trabalha diretamente com as empresas que compram o controle de organizações de código aberto. Segundo ele, tudo isso continuará a aumentar durante o ano 2020 de forma mais intensa.

É difícil dizer exatamente como tudo vai acabar, no final. Mas as principais divisões no mundo do código aberto parecem quase inevitáveis. A bifurcação de projetos importantes e críticos, afirmou.

A divisão das comunidades em duas. Jornalistas são banidos dos eventos por cobri-los com precisão. Da mesma forma, as ameaças contínuas contra aqueles que falam contra o ódio e o racismo. No momento, sei que as declarações que faço neste documento me causam muitas ameaças. Eu espero ser derrotado. E isso parece horrível. Porém, as declarações que fiz são precisas, factuais … honestas. E eu os apoio, acrescentou.

Por fim, Bryan Lunduke disse que não acredita que as empresas com interesse no fracasso do código aberto devam financiar grandes organizações de código aberto. Ele acha que é, para dizer o mínimo, um conflito de interesses.

Quanto mais falarmos contra o ódio, mais difícil será difamar conceitos como “bondade” e “Ser excelente um para o outro”, declarou.

E rejeito o ódio, o racismo, o sexismo e o fanatismo geral que estão trabalhando para dividir ainda mais o mundo do Código Aberto. Não me importo de que país você é, qual religião você é ou qual é seu partido político. Se você trata os outros com bondade, você está bem comigo, concluiu.

Portanto, seriam estes os grandes desafios do Linux e open source em 2020.

Fonte: Bryan Lunduke

 

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

Várias vulnerabilidades do Chrome existentes no SQLite permitem que hackers executem código arbitrário remotamente

Várias vulnerabilidades do Chrome existentes no SQLite permitem que hackers executem código arbitrário remotamente

YouTube erra e apaga vídeos de criptomoeda

YouTube erra e apaga vídeos de criptomoeda