in

Kubernetes, uma solução Google/Redhat.

O que é kubernetes e como ele funciona, suas possibilidades, e porque está chamando a atenção do Google e Redhat.

Lançado programa de recompensas de bugs em Kubernetes

Kubernetes é uma plataforma opensource para operações com containers criado pelo Google e atualmente liderado pela RedHat. Acompanhe mais detalhes no post Kubernetes, uma solução Google/Redhat.

Kubernetes e o Google?

O Kubernetes, k8s (k + 8 caracteres + s, entendeu?) ou “kube”, para aqueles que gostam de ser concisos, é uma plataforma open source que automatiza as operações dos containers Linux. Essa plataforma elimina grande parte dos processos manuais necessários para implantar e escalar as aplicações em containers. Em outras palavras, se você desejar agrupar em clusters os hosts executados nos containers Linux, o Kubernetes ajudará a gerenciar esses clusters com facilidade e eficiência. Esses clusters podem incluir hosts em clouds públicas, privadas ou híbridas.

Por isso, o Kubernetes é a plataforma ideal para hospedar aplicações nativas em cloud que exigem escalabilidade rápida, como a transmissão de dados em tempo real por meio do Apache Kafka.

 

Um pouco de história

Originalmente, o Kubernetes foi criado e desenvolvido pelos engenheiros do Google. O Google foi um dos pioneiros no desenvolvimento da tecnologia de containers Linux. Além disso, a empresa já revelou publicamente que tudo no Google é executado em containers (inclusive, essa é a tecnologia por trás dos serviços em cloud da empresa). O Google gera mais de 2 bilhões de implantações de containers por semana, viabilizadas por uma plataforma interna: Borg. O Borg foi o antecessor do Kubernetes. As lições aprendidas ao longo dos anos de desenvolvimento do Borg foram a principal influência para o desenvolvimento da tecnologia do Kubernetes.

Uma curiosidade sobre o Kubernets é que os sete raios do logotipo fazem referência ao nome original do projeto, “Project Seven of Nine” (Projeto Sete de Nove).

A Red Hat foi uma das primeiras empresas a trabalhar com o Google no desenvolvimento do Kubernetes, antes mesmo do lançamento da plataforma. Foi assim que nos tornamos o segundo maior colaborador com o projeto upstream dessa tecnologia. Em 2015, o Google doou o projeto Kubernetes à Cloud Native Computing Foundation, recém-formada na época.

A palavra Kubernetes vem da palavra grega Kuvernetes, que representa a pessoa que pilota o navio.

Como funciona o Kubernetes

O Kubernetes possui alguns termos e componentes para determinadas funções e tarefas. Inicialmente pode parecer confuso e não fazer muito sentido alguns desses componentes.

Master, por sua vez, é a máquina que controla os nós do Kubernetes. É nela que todas as atribuições de tarefas do cluster se originam. No Master temos todos os componentes rodando, assim:

Kubernetes, uma solução Google/Redhat.

    ETCD: é uma base de dados de chave valor. Ele armazena os dados de configuração do cluster e o estado do cluster;

    API Server: fornece API kubernetes usando Jason. Estados de objetos da API são armazenados no ETCD, e o kubectl usa o API Serve para se comunicar com o cluster;

    Controller Manager: monitora os controladores de replicação e cria os pods para manter o estado desejado;

    Scheduler: é responsável por executar as tarefas de agendamento, como execução de contêineres nos minions com base na disponibilidade de recursos.

 

Kubernetes e tecnologia RedHat

O Kubernetes é uma tecnologia open source. Por isso, ele não conta com uma estrutura de suporte formal em que as empresas podem confiar totalmente. Problemas com a implantação do Kubernetes durante a execução no ambiente de produção podem representar uma grande dor de cabeça para você e os seus clientes.

Para isso, existe o Red Hat OpenShift. Essa é uma solução de nível corporativo que oferece o Kubernetes e muito mais. O OpenShift vem com todos os elementos extras que tornam o Kubernetes potente e viável para as empresas, incluindo componentes de registro, rede, telemetria, segurança, automação e serviços. Com o RedHat OpenShift, os desenvolvedores da sua empresa poderão criar novas aplicações em containers, hospedá-las e implantá-las na cloud. Tudo isso com a escalabilidade, o controle e a orquestração necessários para transformar boas ideias em negócios valiosos de forma rápida e fácil.

Além disso, a maior vantagem dessa solução é que essa plataforma foi desenvolvida e conta com o suporte da RedHat, a empresa líder global em tecnologia open source.

 

Nos links abaixo contem mais informações sobre o assunto:

IBM junta Cloud Floundry e Red Hat OpenShift

Canonical lança MicroK8s para implantar Kubernetes em segundos

Descoberta a primeira grande falha de segurança de Kubernetes

 

Mande suas sugestões de artigos.

 

Forte abraços!!!

 

Escrito por Adriano Frare

Escritor do livro Aplicações Avançadas em LINUX com mais de 20 anos trabalhando com LINUX e UNIX.

5 das melhores linguagens de programação para a Internet das Coisas

Melhores linguagens para a Internet das Coisas

Linux 5.5-rc6 lançado

Linux obtém recurso de ‘bloqueio’ do kernel