in

Mark Zuckerberg diz que o Facebook irá “revisar” políticas sobre discurso que promove a violência estatal

Zuckerberg passou os últimos dias defendendo sua decisão de não agir contra um post de Trump.

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, divulgou uma declaração longa em sua página pessoal na sexta-feira dizendo que apoia o movimento Black Lives Matter e começará a revisar uma série de políticas da empresa.

Zuckerberg diz que ele e a liderança da empresa revisarão sua postura controversa em relação às “ameaças ao uso da força pelo estado”.

Mark Zuckerberg diz que o Facebook irá “revisar” políticas sobre discurso que promove a violência estatal

Zuckerberg escreveu:

Vamos revisar nossas políticas que permitem discussões e ameaças do uso da força pelo estado para ver se há alguma emenda que devamos adotar. Existem duas situações específicas sob essa política que vamos revisar. A primeira é sobre casos de uso excessivo da polícia ou da força estatal. Dada a história sensível nos EUA, isso merece uma consideração especial. O segundo caso ocorre quando um país tem distúrbios civis em andamento ou conflitos violentos.

Zuckerberg passou os últimos dias defendendo sua decisão de não agir contra um post de Trump. Ao mesmo tempo, o Twitter restringiu o tweet em uma jogada sem precedentes, garantindo que ele fosse rotulado e desabilitando a capacidade de retweetar ou comentar. O Facebook, por outro lado, deixou o post.

Mark Zuckerberg diz que o Facebook irá "revisar" políticas sobre discurso que promove a violência estatal
Mark Zuckerberg. Imagem: Erin Scott | REUTERS.

Zuckerberg disse:

Sei que muitas pessoas estão chateadas por termos deixado os posts do presidente, mas nossa posição é que devemos permitir o máximo de expressão possível, a menos que isso cause riscos iminentes de danos ou perigos específicos expressos em políticas claras.

A resposta do público e dos funcionários tem sido uma indignação generalizada, com funcionários realizando sua primeira paralisação e dezenas de ex-funcionários escrevendo uma carta aberta condenando a decisão de Zuckerberg.

Por fim, Zuckerberg escreveu:

Não há exceção a essa política para políticos ou interesse pela notícia. Acho que essa política é baseada em princípios e razoável, mas também respeito muitas pessoas que acham que pode haver alternativas melhores, então quero ter certeza de que ouvimos todas essas ideias.

Fonte: The Verge