in

Mozilla renova acordo com Google e evita novas demissões

O Google continuará a ser o mecanismo de busca padrão no Firefox pelos próximos três anos.

Pesquisadores da Mozilla alertam que a coleta “anônima” de dados de navegação é um mito
Os especialistas vêm alertando os usuários sobre a coleta de dados de navegação agregada há anos. Agora, três pesquisadores da Mozilla apresentaram um novo estudo que destrói ainda mais o mito dos dados de navegação "anônimos".

A Mozilla e o Google devem estender o contrato atual de busca por mais três anos. De acordo com fontes que estão acompanhando o assunto de perto, a Mozilla não terá com o que se preocupar pelos próximos três anos. Essas fontes garantem que a Mozilla renova acordo com Google e, assim, evita novas demissões.

O novo acordo de busca garantirá que o Google continue a ser o provedor de mecanismo de busca padrão dentro do navegador Firefox até 2023 a um preço estimado de cerca de US$ 400 milhões a US$ 450 milhões por ano. Funcionários da Mozilla devem anunciar a extensão do acordo de busca em novembro, quando a organização deve divulgar seus números financeiros de 2019.

Mozilla renova acordo com Google e evita novas demissões

Mozilla renova acordo com Google e evita novas demissões

Os termos do novo acordo vazaram depois que a Mozilla anunciou planos de demitir mais de 250 funcionários na quarta-feira. Foi uma mudança preocupante que fez muitos usuários temerem o futuro do fabricante do navegador. Isso porque o atual acordo de busca do Google da Mozilla estava programado para expirar no final deste ano.

No entanto, várias fontes confirmaram que a organização é financeiramente sólida e as demissões foram parte de uma reestruturação de seu negócio principal. A Mozilla se afasta de seu papel atual de administradora de padrões da Internet e de produtos experimentais para algo mais comercialmente viável, com ofertas que geram receitas próprias.

O plano de longo prazo da Mozilla é ter receita a partir de serviços baseados em assinatura e reduzir sua dependência do acordo de pesquisa do Google, que historicamente representa entre 75% e 95% de todo o orçamento anual da organização desde 2006, quando as duas empresas começaram a colaborar. Houve um hiato entre 2014 e 2017, quando a Mozilla assinou um acordo semelhante com o Yahoo.

Demissões mantidas

As demissões desta semana refletem esse plano, com a Mozilla encerrando sua equipe de segurança de gerenciamento de ameaças, engenheiros de software trabalhando no motor de navegador Servo experimental da Mozilla, desenvolvedores fazendo a curadoria do portal Mozilla Developer Network e a equipe por trás das ferramentas de desenvolvedor do Firefox. Fontes descreveram as dispensas como excesso de pessoal em áreas que a organização não planejava priorizar no futuro.

O trabalho em padrões e protocolos abertos ficará em segundo plano em relação aos esforços de comercialização no curto prazo. Entretanto, a Mozilla não planeja descontinuar seu trabalho na comunidade de desenvolvimento web completamente. O foco deve ser em serviços que gerem receita por meio de assinaturas, como é o caso da VPN.

Os planos atuais incluem, portanto, expandir o serviço VPN recém-lançado. Da mesma forma, pode haver aquisição de novos empreendimentos de tecnologia que possam ser perfeitamente integrados em seu catálogo de produtos como fontes autônomas de geração de receita.

A Mozilla não se pronunciou oficialmente sobre tudo isso até este momento.

ZDNet