in

Mudança no Chromium vai remover bloqueadores de publicidade

Mudança no Chromium vai remover bloqueadores de publicidade
Imagem: Bluebus

E o Google promete uma mudança importante nas próximas versões do navegador Chromium. A equipe de desenvolvimento do navegador Chromium, (a versão de código aberto do Google Chrome), decidiu executar algumas alterações na plataforma. E as mudanças afetam as extensões. A ideia é acabar com a operação do uBlock Origin, a extensão bloqueio de anúncios. Portanto, mudança no Chromium vai remover bloqueadores de publicidade.

Manifesto sobre as extensões

As extensões têm seus recursos definidos no que a empresa de Mountain View chama de Manifesto. O último está na versão 2. Então, na próxima revisão, o Google pretende limitar os recursos de bloqueio da API webRequest.

Na versão 3 do Manifesto, o Google pretende limitar a versão de bloqueio da API webRequest. Assim, possibilita a remoção de opções de bloqueio para a maioria dos eventos.

Este Manifesto fala sobre a implementação sem bloquear API que permite extensões para observar os pedidos, mas não modificar, redirecionar ou bloquear. Portanto, não impede o Chrome, bem como navegadores com base no Chromium continuarem a processar o pedido.

O Google adiciona que as restrições a serem introduzidas na API webRequest devem ser definidas. Nesse sentido, o rascunho sugere que as partes da API serão mantidas apenas para recursos que não podem ser implementados com declarativeNetRequest.

Desenvolvedores das extensões se manifestam

Raymond Hill, autor dos populares bloqueadores de publicidade uBlock Origin e uMatrix, manifestou preocupação com algumas das mudanças anunciadas.

De acordo com ele, a mudança para a API declarativeNetRequest significaria a morte dessas extensões usadas por pelo menos 10 milhões de usuários da Internet.

Pelas palavras de Raymond Hill:

Se esta API declarativeNetRequest (bastante limitado) acaba por ser a única maneira que os bloqueadores de conteúdo podem executar sua tarefa, basicamente, significa que dois bloqueadores de conteúdo mantidos durante anos, uBlock Origem ( “UBO”) e uMatrix deixarão de existir.

Google parece ser contra  bloqueadores de publicidade

Um argumento usado pelo Google em favor do declarativeNetRequest como principal API de bloqueio de conteúdo para extensões é que ele funciona melhor.

Por outro lado, oferece melhores garantias de privacidade, pois permite que as extensões digam ao Google Chrome o que fazer com uma determinada solicitação, em vez de solicitar que o navegador envie a solicitação ao ramal. Portanto, a extensão não tem acesso aos detalhes da rede.

De acordo com Hill, a incompatibilidade de suas extensões com a API que o Google pretende propor deriva do fato de que ele permite confiar apenas em um único mecanismo de filtragem.

As listas de bloqueio

Pelo contrário, uBlock Origin e uMatrix dependem de muitos recursos para fazer o trabalho. De fato, um dos problemas fundamentais é que o número de filtros é limitado a 30.000.

A este respeito, o desenvolvedor especifica que uBlock e uMatrix são baseados (entre outros) em Easylist, a lista de bloqueio muito popular com 42.000 filtros que também é usado por muitos bloqueadores de anúncios, incluindo o popular AdBlock.

Hill nem acredita que essa lista seja suficiente. Para ele, as necessidades de bloqueio de um navegador moderno são maiores.

Segundo ele, mesmo que ainda existam bloqueadores de anúncios disponíveis para o Chromium (e seus derivados), o último será menos eficaz.

As extensões agem em nome dos usuários, ampliam os recursos de um * user agent * e deixam de lado a capacidade de bloquear a API webRequest. Essencialmente, elas estão em desvantagem no Chromium, para o benefício dos sites que, obviamente, gostariam de ter a última palavra sobre os recursos que suas páginas podem manipular, diz Raymond Hill.

 

Nada definido

Isso é apenas um rascunho, o que significa que as discussões atuais podem levar a novas possibilidades.

No entanto, se isso for implementado, deve receber pesadas críticas dos usuários da Internet. Isso se dá principalmente por questões de privacidade.

Hoje, o Google tem um modelo de negócios para publicidade e esses bloqueadores afetam terrivelmente no caso do YouTube.

Fonte

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

Debian lança versão 9.7 para resolver problemas de segurança

Debian lança versão 9.7 para resolver problemas de segurança

Dell XPS 13 tem novo modelo com Ubuntu 18.04 LTS

Dell XPS 13 tem novo modelo com Ubuntu 18.04 LTS