in

OpenIndiana 2018.10 foi lançado com suporte ao Desktop MATE 1.20

OpenIndiana 2018.10 foi lançado com suporte ao Desktop MATE 1.20

Uma nova versão do sistema operacional OpenIndiana Hipster com tecnologia Illumos está agora disponível.  O OpenIndiana 2018.10 foi lançado com suporte ao Desktop MATE 1.20. A distribuição é baseada no extinto OpenSolaris.  Portanto, o MATE 1.20 é a última versão deste fork da comunidade do conjunto de pacotes do GNOME 2.

Outras novidades

O OpenIndiana 2018.10 inclui o Python 3.5, complementando o suporte ao Python 2.7 e 3.4 disponíveis anteriormente. Além disso, há também o compilador GCC 8, o Rust 1.29, e outras atualizações.

O OpenIndiana 2018.10 também possui atualizações no Image Packaging System (IPS), uma ferramenta da KVM para o gerenciamento de máquinas virtuais e a migração de mais componentes para software de 64 bits.

Resumo das modificações

  • A área de trabalho do Mate foi atualizada para 1.20;
  • O Python 3.5 foi adicionado, muitos módulos do Python agora são fornecidos para a versão 3.5 do Python, além de 2.7 e 3.4;
  • O Image Packaging System recebeu muitas atualizações do OmniOS CE IPS e do Solaris IPS;
  • KVM agora permite que você gerencie melhor suas VMs;
  • Vários novos compiladores foram adicionados, incluindo o GCC 8 (com patches necessários para illumos) e o Rust 1.29;
  • Muitos componentes foram migrados para 64 bits apenas, e a maioria dos novos padrões de software foi para 64 bits;
  • Devido a recentes correções de segurança, a compatibilidade com alguns aplicativos Solaris foi interrompida. 

Mais detalhes sobre OpenIndiana 2018.10 Hipster via OpenIndiana.org . Veja também as notas de lançamento detalhadas para mais informações.

Baixar OpenIndiana

Somente texto e imagens ISO e USB mínimas

Written by Claylson

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

Canonical divulga dados sobre uso de snaps

Canonical divulga dados sobre uso de snaps

como-remover-os-pacotes-orfaos-no-centos

Como remover os pacotes órfãos no CentOS