SempreUPdate
Notícias sobre Ubuntu, Debian, Fedora, Linux, Android, Tecnologia, LibreOffice e muito mais!

Por que precisamos de projetos digitais de hardware livre?

Indaga Richard Stallman!

Até que ponto as ideias de software livre pode estender-se a hardware? É uma obrigação moral para tornar nossos projetos de hardware livre, assim como é para tornar o nosso software livre? Será que manter nossa liberdade exige rejeitar hardware feito a partir de projetos não-livres?

O software livre é uma questão de liberdade, não de preço; em termos gerais, isso significa que os usuários são livres para usar o software e para copiar e redistribuir o software, com ou sem alterações. Mais precisamente, a definição é formulada em termos das quatro liberdades essenciais.

  • A liberdade de executar o programa como quiser, para qualquer finalidade.
  • A liberdade de estudar o código fonte do programa, e alterá-lo para que ele ser como você deseja.
  • A liberdade de fazer cópias exatas e da-los ou vendê-los a outros.
  • A liberdade de fazer cópias de suas versões modificadas e da-los ou vendê-los a outros.

Aplicando o mesmo conceito diretamente ao hardware, hardware livre significa hardware que você é livre para usar e para copiar e distribuir, com ou sem alterações. Mas, já que não há fotocopiadoras para hardware, além de chaves, DNA e formas exteriores dos objetos de plástico, o conceito de hardware livre é mesmo possível? Bem, a maioria do hardware é feita pela fabricação de algum tipo de design. O projeto vem antes do hardware.

Assim, o conceito que realmente precisamos é de um design de hardware livre. Isso é simples: isso significa um design permita que os usuários usem o projeto (ou seja, fabricar hardware a partir dele) e para copiar e redistribuí-lo, com ou sem alterações. O projeto deve fornecer as mesmas quatro liberdades que definem o software livre. Em seguida, “hardware livre” significa hardware com um design livre disponível.

Há pessoas entendendo a primeira idéia de software livre, muitas vezes acho que isso significa que você pode obter uma cópia gratuita. Muitos programas gratuitos estão disponíveis a preço zero, uma vez que não lhe custa nada para baixar a sua própria cópia, mas não é isso que “livre” significa. (Na verdade, alguns programas de spyware, como o Flash Player e Angry Birds são grátis, embora eles não são livres.) Dizer “libre”, juntamente com “free” ajuda a esclarecer o ponto.

Para hardware, essa confusão tende a ir em outra direção; hardware custa dinheiro para produzir, por isso comercialmente hardware não será gratis (a menos que seja uma perda de líder ou um tie-in), mas isso não pode impedir o seu projeto de ser livre/libre. As coisas que você faz em sua própria impressora 3D pode ser bastante barato, mas não exatamente grátis desde que você terá que pagar pelas matérias-primas. Em termos éticos, a questão da liberdade triunfa sobre a questão do preço totalmente, uma vez que um dispositivo que nega liberdade para seus usuários vale menos que nada.

Os termos “hardware aberto” e “hardware open source” são usados ​​por alguns com o mesmo significado concreto como “hardware livre”, mas esses termos vem minimizar a liberdade como um problema. Eles foram derivados do termo “software open source”, que refere-se mais ou menos ao software livre, mas sem falar de liberdade ou apresentar a questão como uma questão de certo ou errado. Para sublinhar a importância da liberdade, fazemos questão de se referir a liberdade sempre que for pertinente; uma vez que “aberto” não consegue fazer isso, não vamos substituí-lo por “livre”.

O Hardware nonfree é uma injustiça?

Eticamente, software deve ser livre; um programa nonfree é uma injustiça. Devemos seguir o mesmo raciocínio para projetos de hardware?

Nós certamente devemos, nos campos que a impressão 3D (ou, mais genericamente, qualquer tipo de fabricação pessoal) pode manipular. Os padrões da impressora para fazer um objeto útil, prático (ou seja, mais funcional do que decorativo) deve ser livre, porque são obras feitas para o uso prático. Usuários merecem controle sobre essas obras, assim como eles merecem controle sobre o software que utilizam.

Via Richard Stallman
Comentários