in

Protestos nos EUA fazem Google adiar anúncio do Android 11 Beta

Segundo a empresa, agora não é hora de comemorar.

A onda de protestos nos Estados Unidos que começou em Minnesota se espalhou pelo país motivados contra discriminação racial e já começa a afetar também o setor de tecnologia. Depois de anunciar que faria um grande evento sobre o Android 11 Beta, a empresa recuou e disse que não é o momento de comemorar. Então, esses protestos nos EUA fazem Google adiar anúncio do Android 11 Beta

Conforme mostramos aqui, o Google planejava lançar novos recursos no Android 11 em 3 de junho, mas decidiu adiar. Em um tweet na noite de sexta-feira, a conta de desenvolvedor do Android disse que “estamos entusiasmados em contar mais sobre o Android 11, mas agora não é hora de comemorar”. O Google diz que “voltará com mais informações sobre o Android 11 em breve”, mas não disse quando isso pode acontecer.

Protestos nos EUA fazem Google adiar anúncio do Android 11 Beta

Embora o Google não diga explicitamente o motivo, ele é muito claro. O anúncio ocorre quando muitas cidades americanas estão cheias de protestos, saques e incêndios. A resposta à morte de George Floyd em Minnesota se estendeu muito além do conflito em Minneapolis. A área de Bay, onde o Google e a maioria de seus funcionários estão localizados, enfrentou grandes conflitos em San Jose e Oakland na noite em que o Google fez a chamada de seu evento.

Como o site Vox.com explica:

Protestos contra o uso excessivo da força pela polícia surgiram em todo o país, inclusive em Minneapolis, Denver, Los Angeles, Louisville e Columbus, após a morte de George Floyd, um negro desarmado que foi preso por suspeita de falsificação e imobilizado por policiais em Minneapolis, Minnesota. Mais tarde, ele foi declarado morto em um hospital regional.

O incidente segue uma série de mortes de negros desarmados neste ano, incluindo Breonna Taylor, de 26 anos, que foi morta a tiros pela polícia em sua casa em Louisville, Kentucky, em março, e Ahmaud Arbery, que estava correndo em Atlanta, Geórgia, antes de ser baleado por dois homens brancos em fevereiro.

Os levantes e a resposta do governo a eles se tornaram incrivelmente sérios nos últimos dias. A ação do presidente Trump no caso foi considerada desastrosa e acirrou ainda mais os ânimos depois de uma postagem no Twitter falando sobre “endeusar a violência”.

Sem se falar com as tentativas recorrentes de Trump de impor regras ao Twitter e às redes sociais.

Em um nível prático, o Google certamente percebeu que poucas pessoas ficariam interessadas com os novos recursos do Android. Portanto, adiar o lançamento era simplesmente a coisa certa a fazer.

Facebook disse que vai deixar correr solto

Protestos nos EUA fazem Google adiar anúncio do Android 11 Beta

O Facebook já informou que não removerá nem tomará nenhuma outra ação em um post do Presidente Trump que o Twitter removeu por “endeusar a violência”, disse o CEO Mark Zuckerberg na sexta-feira.

Sei que muitas pessoas estão chateadas por termos deixado os cargos do presidente, mas nossa posição é que devemos permitir o máximo de expressão possível, a menos que isso cause riscos iminentes de danos ou perigos específicos expressos em políticas claras, disse Zuckerberg. 

A empresa e rede social são criticadas por vários episódios relacionados a postagens polêmicas como discursos de ódio, misoginia, homofobia que nunca são retiradas do ar.

O post de Trump foi considerado incitação à violência mas o Facebook, já acusado de incentivar algoritmos de fake news que levaram à eleição dele, se recusa a tomar qualquer atitude e apagar as declarações.

O Facebook diz que “olhou atentamente para o post que discutia os protestos em Minnesota para avaliar se ele violava nossas políticas”. Por fim, a empresa “decidiu deixar para lá porque as referências da Guarda Nacional significavam que a líamos como um aviso sobre a ação do estado e achamos que as pessoas precisam saber se o governo está planejando empregar força. Nossa política em torno do incitamento à violência permite discussões sobre o uso da força pelo Estado, embora eu ache que a situação de hoje levanta questões importantes sobre quais devem ser os limites potenciais dessa discussão.

Funcionários do Facebook pediram providência. Mas e daí?

Zuckerberg observou que, em um tweet subsequente, Trump suavizou suas observações, “dizendo que o post original estava alertando sobre a possibilidade de que saques pudessem levar à violência. Decidimos que este post, que explicitamente desencorajava a violência, também não viola nossas políticas e é importante para as pessoas verem.”

Até o final da sexta-feira, o Facebook não fez nenhum comentário sobre se pretendia agir contra o tweet de Trump sobre os protestos em Minneapolis, que incluía a frase: “quando o saque começa, o tiroteio começa”. Isso levou a consternação entre alguns funcionários, que pediram à empresa para intervir nas postagens no Workplace, a ferramenta de bate-papo interno da empresa.

Tudo isso indica um risco muito alto de uma escalada violenta e de distúrbios civis em novembro e, se falharmos no caso de teste aqui, a história não nos julgará da melhor maneira.

Fonte: The Verge