in

Quando a IA fica mais inteligente do que nós

Veja o que acontece quando a Inteligência Artificial (IA) fica mais inteligente do que nós e o que estamos fazendo para deixá-las mais espertas ainda.

Quando a IA fica mais inteligente do que nós
Quando a IA fica mais inteligente do que nós. Imagem: Reprodução / IoT Tech Trends.

Muitos de nós carinhosamente se lembram de TARS, o robô tático e conversador com Inteligência Artificial (IA) do filme Interestelar (2014). Ele não apenas consegue salvar vidas humanas na espaçonave Endurance como também é bem humorado, irônico e convicto.

Para o melhor ou para o pior, assistentes com IA como TARS estão aprendendo a entender contexto, mostrar empatia e exibir sentimentos.

A pergunta é: Você aprecia a ideia de robôs fazendo humor e sarcasmo similar a seres humanos? Não são essas mesmas qualidades que nos tornam humanos em primeiro lugar?

Bill Gates não concorda e ele acredita firmemente que a IA tomar empregos humanos é inevitável. Do contexto do artigo, o que Bill Gates realmente quis dizer, no entanto, é que a IA vai livrar seres humanos da monotonia do trabalho pesado. Mais tempo para jogar videogames!

Assim, a ameaça de uma invasão da sociedade humana pela IA precisa ser examinada em seu próprio mérito.

A vantagem da IA sobre humanos

Robôs com IA têm vantagens sobre humanos em várias ordens de magnitude. Sobretudo, isso ocorre por conta de suas capacidades neurais superiores.

Enquanto humanos tem que se virar com neurônios biológicos operando de 120~200 Hz, um microprocessador moderno é um milhão de vezes mais capaz do que nós. Também, esses sinais viajam quase na velocidade da luz. Se você já perdeu num jogo de xadrez para um computador, imagine um oponente que é um milhão de vezes mais rápido.

Além disso, motores de IA no futuro próximo serão equipados com funcionalidades incluindo redes neurais, machine learning, sistemas auto-suficientes e microprocessadores avançados.

Igualmente, ocorreram também desenvolvimentos recentes na indústria de semicondutores com relação às redes neurais complexas e sistemas de deep learning. Uma das aplicações mais importantes encontra-se em veículos autônomos.

Com um pouco de aprendizagem, os veículos conseguem fazer muitas coisas. Por exemplo, eles conseguem antecipar movimentos de pedestres ou entregar compras. O banco de dados de redes inteligentes está se formando para criar um sistema independente. Não vai demorar muito até o TARS ser seu motorista pela cidade em um táxi autônomo.

Quando a IA fica mais inteligente do que nós
Robô TARS, do filme Interestelar. Foto: Divulgação / IoT Tech Trends.

Quase todo mundo nas empresas TI, Intel, AMD e Motorola estão na luta por chipsets super inteligentes.

Ensinando motores de IA a ficar mais inteligentes

Ter uma conversa com um motor de IA diz respeito a ensinar o contexto exato, bem como as seguintes ideias:

  • Empatia artificial: Esse é todo um fluxo novo de desenvolvimento em sistemas de IA onde emoções humanas são ensinadas para robôs.
  • Ensinar à IA destreza e como aprender sem supervisão: Agentes de IA também podem ser ensinados a entender protocolos de comunicação social, gírias e a trocar novas ideias.
  • Construir rotinas: Se você estiver trabalhando com um alto-falante inteligente como Alexa ou Google Home, você talvez encontre um recurso chamado “Rotinas”. Ele é usado quando você precisa ensinar ao dispositivo uma rotina associada com uma palavra usada para despertá-lo e, com isso, ele completa uma série de tarefas.

Confrontando nossos medos: Lidando com um Apocalypse robô

Conforme retratam filmes de ficção científica, há ostensivas razões para temer um cientista maluco liberando a maldade em agentes de IA. Igualmente, há muitas razões válidas pelas quais tais medos são desnecessários e não fazem nada além de criar pânico.

Para uma tomada bem sucedida da Terra, nossos possíveis soberanos de IA têm que aprender como começar a pensar sobre sua própria preservação. Só porque eles estão programados para entender “sentimentos” não significa que eles mesmos sintam algo.

Robôs e agentes com IA são projetados para manter os interesses humanos em mente antes de tudo. É muito diferente de dizer que eles usarão sua inteligência avançada para dominar o planeta. No entanto, esse é o ponto que todos deixam passar. Esses “seres” não têm o fôlego da vida comum a humanos e animais. Eles são programas artificiais que são feitos para ter conhecimento da mente humana. Isso não significa que eles sentem algo por si mesmos, mesmo com habilidades avançadas de programação sobre ideias humanas.

Em suma, há o medo do desconhecido. Crescendo com uma dieta constante de filmes de ficção científica, videogames e documentários no YouTube, nossas impressionantes mentes estão vulneráveis a catastrofizar as questões mais triviais.

Conclusão

Sejam quais forem seus sentimentos em relação a motores de IA, a inteligência deles tem um efeito positivo em tornar nossas vidas melhores. É importante não impressionar a mente das pessoas com cenas de filmes de Hollywood. Por fim, a IA não vai dominar sociedades humanas tão cedo.

Afinal, o que achou dessa análise sobre o desempenho da Inteligência Artificial em nossos dias?

Não deixe de compartilhar!

Fonte: IoT Tech Trends

Leia também: Inteligência Artificial traduz arte visual em melodias

Escrito por Leonardo Santana

Astrônomo amador e eletrotécnico. Apaixonado por TI desde o século passado.

Pesquisadores de IA traduzem linguagem em movimento físico

Pesquisadores de IA traduzem linguagem em movimento físico

Satélites IoT podem se tornar uma realidade

Satélites IoT podem se tornar uma realidade