in

Quem precisa do Google? Huawei quer que desenvolvedores criem apps para sua nova loja de aplicativos

Os dispositivos da Huawei não podem usar a Play Store, o Maps ou o YouTube.

Presidente da Huawei classifica as proibições dos EUA como "agressão ininterrupta"
Crédito: REUTERS | Rodrigo Garrido.

A Huawei lançou uma campanha em Londres nesta semana, em um esforço para convencer os desenvolvedores do Reino Unido e da Irlanda a criar novos aplicativos para o Huawei Mobile Services (HMS), a plataforma da loja de aplicativos que a empresa chinesa apresenta como alternativa à Play Store do Google que roda no Android.

Huawei e sua nova loja de aplicativos

A fabricante de telefones anunciou durante sua primeira conferência de desenvolvedores que gastaria 20 milhões de libras (26 milhões de dólares) como incentivo para os desenvolvedores trabalharem em aplicativos para o HMS. O investimento será destinado a recompensar as equipes que entregarem um aplicativo com sucesso para a plataforma até o final deste mês.

Para inspirar ainda mais seu público, a Huawei lançou 24 kits de acesso aberto para desenvolvedores, cobrindo uma variedade de funções, como rastreamento de localização, serviços de saúde ou idioma.

Anson Zhang, diretor administrativo da Huawei no Reino Unido, disse:

Anunciamos nosso plano de investimento de £ 20 milhões para reconhecer e incentivar nossos parceiros, para que possamos construir juntos um ecossistema excepcional.

No contexto atual, parece que a empresa realmente tem muito pouca escolha a não ser agressivamente apresentar os benefícios do HMS aos desenvolvedores. Em maio passado, o Google decidiu suspender o uso que a Huawei faz de algumas partes do sistema operacional Android depois que o Departamento de Comércio dos EUA adicionou o fabricante chinês à sua lista de “Entidades”. Como resultado, os dispositivos recentes e futuros da Huawei não podem usar alguns serviços Android, como a Play Store, o Maps ou o YouTube.

A Huawei busca alternativas

Como resultado da lista negra, a Huawei teve que recorrer a uma versão de código aberto do sistema operacional Android do Google, que roda sem os principais aplicativos do Google. O sistema operacional já está rodando o HMS no mais recente smartphone da empresa, o Mate 30. Além disso, ele será executado nos próximos dispositivos no futuro.

Quem precisa do Google? Huawei quer que desenvolvedores criem apps para sua nova loja de aplicativos
Os dispositivos da Huawei não podem usar a Play Store, o Maps ou o YouTube.

Ben Wood, analista da CCS Insight, disse ao site ZDNet:

O que a Huawei está tentando alcançar é bastante direto: se o Google não permitir que eles tenham os aplicativos, eles os criarão.

Eles precisam apelar para a comunidade de desenvolvedores para garantir que todos os aplicativos disponíveis em outros telefones tenham uma alternativa confiável nos dispositivos Huawei. E muito claramente, eles estão apostando dinheiro para fazer com que esses desenvolvedores os procurem.

Como observa Wood, a estratégia não tem um histórico de retorno. Várias empresas tentaram entrar na corrida de dois cavalos entre o Android e o iOS da Apple no mundo dos smartphones (Windows 10 Mobile, BlackBerry, Tizen OS da Samsung) e nenhuma delas foi coroada com sucesso.

Um processo trabalhoso

E mesmo que a Huawei consiga obter os aplicativos certos em sua plataforma, a empresa precisará garantir que esses aplicativos sejam mantidos e atualizados regularmente. Wood disse:

A Huawei precisa obter os aplicativos no ponto de lançamento e também garantir que eles sejam atualizados regularmente. Os usuários precisam das atualizações regulares do Android, dos patches de segurança e assim por diante.

No entanto, a fabricante chinesa não tem apenas o cartão de crédito para jogar: a empresa também possui uma base de 600 milhões de usuários ativos em 170 países. Internamente, a proibição dos EUA não afetou as vendas. Assim, a Huawei vendeu quase sete milhões de dispositivos em 2019 e é a segunda maior fabricante de telefones.

Quanto aos seus clientes internacionais, a Huawei enfrenta a gigantesca base de usuários do Google, que pode ser contada em bilhões. Wood disse:

É uma situação muito difícil para a Huawei e, francamente, até que sejam removidos da lista de Entidades, eles continuarão lutando.

Ele acrescentou:

Tenho grandes dúvidas de que a Huawei possa obter a maioria dos aplicativos de que precisa. No entanto, eles não têm outra opção senão continuar pressionando. Isso é absolutamente uma ofensiva global para tentar obter suporte de desenvolvedor para o HMS.

A fabricante chinesa já anunciou iniciativas para se envolver com desenvolvedores na Índia. Além disso, mais conferências provavelmente ocorrerão em todo o mundo nos próximos meses com o objetivo de atrair desenvolvedores para a loja de aplicativos da Huawei. A menos, é claro, que seja encontrada uma solução política para pôr fim à guerra comercial dos EUA e China. E esse é um resultado que certamente poria fim a muitos dos problemas da Huawei.

Fonte: ZDNET