in

Um computador da Estação Espacial Internacional recebe ‘cirurgia de coração aberto’

O experimento reduziu o tempo de reparo do computador de seis meses para meros dias.

Um computador da Estação Espacial Internacional recebe 'cirurgia de coração aberto'
Os tripulantes da Expedition 56 fotografaram a Estação Espacial Internacional de uma espaçonave Soyuz depois de serem desacoplados em novembro de 2018 para comemorar o 20º aniversário do laboratório espacial. (Imagem: © Roscosmos/NASA)

Neste mês, engenheiros russos e europeus confirmaram o sucesso de sua “cirurgia cardíaca aberta” em um computador da Estação Espacial Internacional.

As equipes da agência espacial russa Roscosmos e da Agência Espacial Europeia (ESA) desenvolveram um método no qual um astronauta ou cosmonauta a bordo do laboratório espacial poderia atualizar os computadores que mantêm a ISS nos trilhos e na posição correta, conhecidos coletivamente como Data Management System. Essa é uma tarefa que os representantes da ESA descreveram em um comunicado como “o equivalente à uma cirurgia com o coração aberto na Terra!”

Os engenheiros de campo planejaram e testaram rigorosamente o processo antes que ele fosse executado no espaço, para garantir que o trabalho de reparo pudesse ser feito no local. Além disso, era necessário que ele fosse executado sem representar nenhum risco para a espaçonave ou seus habitantes.

Lidando com um computador da Estação Espacial Internacional

Segundo a ESA, esse tipo de teste ocorre em grande parte nos bastidores, e geralmente não recebe muita atenção, a menos que algo ruim ocorra.

Um computador da Estação Espacial Internacional recebe 'cirurgia de coração aberto'
Os computadores do Sistema de Gerenciamento de Dados (DMS) no módulo russo Zvezda foram construídos há mais de 20 anos pelo que hoje é a Airbus. O DMS mantém as operações da Estação Espacial Internacional e um colapso repentino pode ter consequências catastróficas. (Crédito da imagem: ESA)

O novo procedimento reduziu o tempo de reparo de seis meses para alguns dias, de acordo com a ESA.

O recente desenvolvimento no reparo de computadores do laboratório espacial foi possível graças à descoberta de engenheiros de que a maioria das falhas nesses computadores ocorreu em suas placas de circuito. Assim, as equipes chegaram a uma solução, criando uma nova placa de circuito impresso que correspondia à forma e função da versão antiga, mas dependia de componentes mais novos, mais fáceis de adquirir.

Um computador da Estação Espacial Internacional recebe 'cirurgia de coração aberto'
Esta é uma impressão artística da Lunar Gateway, a próxima estrutura a ser lançada pelos parceiros da Estação Espacial Internacional. (Crédito da imagem: ESA/NASA/ATG Medialab)

Em janeiro de 2019, os cosmonautas russos confirmaram que o computador do experimento cirúrgico sobreviveu à operação, no qual os astronautas substituíram uma placa de circuito antiga por uma nova. “Agora está confirmado que tudo está funcionando corretamente”, escreveram os representantes da ESA no comunicado.

Manutenção é vital

Ter peças de reposição e poder fazer reparos no espaço pode ajudar a ISS a sobreviver até 2030. Dessa forma, ela ajudará oferecer informações valiosas para outros projetos orbitais. Um desses projetos que a NASA tem como alvo é o Lunar Gateway. Ele orbitaria a Lua e serviria de hub para cientistas e tripulantes (e talvez até turistas).

Os representantes da ESA escreveram:

A manutenção na Estação Espacial Internacional demonstra a experiência e o conhecimento de projeto necessários para apoiar futuras missões. Garantindo operações mais sustentáveis — uma situação em que todos saem ganhando.

Fonte: Space.com

Escrito por Leonardo Santana

Profissional da área de manutenção e redes, astrônomo amador, eletrotécnico e apaixonado por TI desde o século passado.

Quem vai suceder os atuais líderes de software livre?

Quem vai suceder os atuais líderes de software livre?

A espionagem digital chinesa está se tornando mais agressiva, dizem pesquisadores

A alternativa da China ao GPS deve ficar completa até meados de 2020