in

Quem vai suceder os atuais líderes de software livre?

A maioria dos líderes de software livre ganhou destaque nas décadas de 1980 e 1990 e agora está chegando ou passou da idade em que a maioria das pessoas se aposenta. As organizações de software livre estão prontas para a mudança que parece estar chegando?

Quem vai suceder os atuais líderes de software livre?

Entra ano e sai ano, eles estão lá, sempre os mesmos desde o surgimento do Linux e quando se intensificaram as defesas em torno do open source. Porém, o tempo passa e os líderes, em algum momento, terão de ser substituídos. A recente renúncia de Richard Stallman levanta questões sobre as quais ninguém gosta de falar: o que acontece quando os atuais líderes de software livre precisam ser trocados? Quais mecanismos existem para encontrar um novo líder? Quem vai suceder os atuais líderes de software livre com sucesso? Que provisões devem ser tomadas? As respostas a essas perguntas são especialmente necessárias em projetos em que prevalece a idéia do ditador benevolente para a vida. Além disso, nos próximos anos, a urgência só pode aumentar.

A demissão de Stallman foi abrupta, mas mais cedo ou mais tarde essas questões seriam levantadas. O próprio Stallman tem 66 anos, já podendo se aposentar, e tem um tendão lesionado na perna desde 1998. É verdade que, até o escândalo que resultou em sua demissão, ele não tinha motivos para se aposentar e provavelmente não deseja. No entanto, em algum momento da década seguinte, ele poderia desistir por um motivo ou por outro, talvez por problemas de saúde.

O mesmo vale para muitos outros líderes anteriores de software livre.

Eben Moglen tem 60 anos. Eric S. Raymond tem 62 anos. Tim O’Reilly tem 65 anos, Lawrence Lessig, Michael Widenius e Jeremy Allison 57. Aos 50 anos, Linus Torvalds é um jovem no meio desta turma. No entanto, todos esses líderes começaram seu trabalho há trinta anos ou mais, e tédio ou acidentes podem acontecer com qualquer um. Daqui a alguns anos, o problema provavelmente será concreto e não mais teórico. Se ocorrer um surto de aposentadorias, como o software livre sobreviverá?

Transições suaves e difíceis

Em alguns casos, a pergunta já foi respondida. Desde o início, Eben Moglen avisou ao Software Freedom Law Center do seu plano para produzir seus sucessores, nos quais parece ter sido bem-sucedido. Da mesma forma, vários projetos, incluindo Debian e Fedora, têm eleições regulares de liderança. As eleições do Debian são particularmente bem definidas, com diretrizes escritas detalhadas que incluem o uso do método Condorcet de contagem de votos, no qual cada candidato é comparado entre si. Se o Debian ou o Fedora perderem um líder inesperadamente, ambos os projetos provavelmente continuarão com um mínimo organização, pelo menos a curto prazo.

De fato, o Debian enfrentou uma crise relacionada a isso em março de 2019, quando ninguém respondeu à primeira chamada de indicações. Embora a situação nunca tivesse acontecido antes, não houve dúvida de como responder. Outra convocação de candidaturas saiu e as eleições acabaram sendo realizadas como deveriam. No entanto, se nenhum candidato se apresentasse, a especulação era que o Líder do Projeto Debian de saída não teria continuado no cargo porque não havia nenhuma provisão para ele fazer isso.

Debian

No curto prazo, o Debian tem funcionários suficientes para que ele possa continuar sem um líder, embora sem um, tarefas como orçamento não pudessem ser realizadas. Até que um novo líder pudesse ser eleito – talvez por um método determinado por uma resolução política entre os membros do projeto – as decisões seriam tomadas pelo consenso do presidente do comitê técnico e do secretário do projeto.

No entanto, poucos projetos de software livre são tão organizados quanto o Debian, o que leva suas práticas políticas tão a sério quanto suas licenças. Muitos projetos foram criados com um BDFL, com pouco pensamento para sucessão. Dado que muitos projetos foram originalmente criados pelos desenvolvedores na faixa dos 20 ou 30 anos, talvez isso não seja surpreendente. Afinal, quantas pessoas nessa idade pensam no que acontecerá quando não estiverem mais por perto? Entretanto, à medida que os líderes envelhecem, essa falta de previsão começa a aparecer.

Quem vai suceder os atuais líderes de software livre?

Quem vai suceder os atuais líderes de software livre?

Um caso em questão é o kernel Linux. Se Torvalds não for mais líder, no curto prazo, um de seus tenentes (os desenvolvedores aos quais foram atribuídas responsabilidades de alto nível) poderá assumir a liderança. Greg Kroah-Hartman, que mantém o ramo estável e fala em público quase sempre com a mesma frequência que Torvalds, pode ser o substituto mais provável, assumindo que ele quer o cargo e pode assumir suas responsabilidades atuais.

O problema é que não existe um mecanismo estabelecido para substituir o líder do projeto do kernel, talvez porque nunca houve a necessidade de um. Os desenvolvedores do kernel insistiriam em uma voz no processo? A Fundação Linux? Afinal, ela patrocina o desenvolvimento do kernel e tem Torvalds e outros colaboradores importantes na folha salarial. E se a Linux Foundation intervir, o resto da comunidade de software livre se oporia? Como o Debian, o kernel provavelmente continuaria no curto prazo, mas faria isso à custa do desenvolvimento a longo prazo? Pelo menos um curto período de confusão parece certo.

FSF

E a própria Free Software Foundation (FSF) agora que Stallman não está mais envolvido? Como Torvalds, Stallman tinha pelo menos a aparência de um BDFL. No entanto, três meses após a renúncia de Stallman, a FSF parece não ter pressa em substituí-lo, embora talvez haja uma pesquisa nos bastidores. Se, como eu sempre sugeri, as operações diárias da FSF estão ocorrendo há vários anos sob a direção do diretor executivo, a substituição do presidente pode parecer desnecessária ou, pelo menos, não urgente. Ainda mais que o Debian, a FSF parece capaz de suportar a perda de alguém em sua posição superior. Na verdade, talvez prefira deixar a presidência não preenchida ou que um novo presidente comece com um conjunto de reformas em vigor.

Depois de mim, o dilúvio

Esse tipo de dificuldade parece em parte o resultado das tradições de longa data do software livre. O software livre frequentemente cultivou uma certa informalidade, como exemplificado pela prevalência do BDFL. Quando a ênfase está no código, detalhes como quem está no comando podem ser ignorados como sem importância. Além disso, independentemente de quais posições oficiais existam, em muitos projetos o verdadeiro poder tende a estar no consenso de colaboradores ativos.

Piadas sobre BDFL podem esconder um problema sério. As ditaduras, benevolentes ou não, tendem a não olhar para o futuro – “après moi le déluge”, como Louis XV da França deveria ter dito (“depois de mim, o dilúvio”). Contudo, embora essa atitude possa funcionar a curto prazo, também pode significar que uma mudança de liderança represente o caos. Mesmo a existência de uma fundação de caridade pode não ser suficiente para atenuar o problema. Pode não ser por acaso que uma organização politicamente radical como o Debian, que trabalha duro para impedir uma ditadura, benevolente ou não, surge como um dos projetos mais bem equipados para uma mudança de liderança.

Artigo de Bruce Byfield, para o Foss Force.

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

Fakenews: Apple migraria Safari para o Chromium

Fakenews: Apple migraria o Safari para o Chromium

Um computador da Estação Espacial Internacional recebe 'cirurgia de coração aberto'

Um computador da Estação Espacial Internacional recebe ‘cirurgia de coração aberto’