in

Fedora vai tornar o Nano o editor de texto padrão do terminal

Outros recursos também foram aceitos.

Fedora vai tornar o Nano o editor de texto padrão do terminal

Na reunião do Comitê de Engenharia e Direção do Fedora (FESCo) desta semana, mais recursos foram aprovados para o lançamento do Fedora 33, previsto para este outono. O mais importante é a alteração do editor de texto padrão do terminal com o Fedora 33, mas outras alterações também foram aceitas.

Fedora vai tornar o Nano o editor de texto padrão do terminal. Outros destaques das decisões da FESCo desta semana incluem:

  • A alteração para tornar o nano o editor de texto padrão foi aprovada. Nano será o novo padrão em substituição ao Vi;
  • O LLVM 11 junto com o Clang 11.0 e os amigos virão para o Fedora 33. Nenhuma surpresa, embora realmente com o LLVM 11.0 deva estar disponível até setembro. Isso garantirá que esta cadeia de ferramentas LLVM seja a versão mais recente a ser fornecida e também ofereça os gostos da mais recente AMDGPU LLVM e outras inovações do compilador;
  • O GNU Binutils 2.35 foi aprovado para os mais recentes utilitários;
  • A Biblioteca C GNU 2.32 foi aprovada como outro componente atualizado da cadeia de ferramentas GNU;
  • O tratamento automático de dependência de RPM para o software Python será atualizado para lidar com a geração de requisitos nos extras do Python, quando necessário.
  • GHC 8.8 e Haskell Storage LTS 13 foram aprovados.

Todos os detalhes através das notas da reunião.

Desenvolvedores do Fedora reiniciam o Talk Over usando o Nano como o editor de texto padrão

Fedora vai tornar o Nano o editor de texto padrão do terminal

Na verdade, esta discussão sobre o uso do Nano como padrão é bem mais antiga. Uma proposta semelhante foi enviada em novembro do ano passado. Portanto, ele será usado como editor padrão em casos como git commit e outra edição de texto baseada em CLI. De fato, a troca do Vi pelo Nano deve trazer várias vantagens. Segundo explica a equipe do Fedora:

A proposta para usar o Nano é baseada em “ter um editor padrão que não requer conhecimento especializado para usar … Você precisa gastar tempo aprendendo como usá-lo, mesmo para tarefas básicas de edição. Isso aumenta a barreira de entrada para aqueles que estão migrando para o Fedora e não sabem como usar o vi. Isso também dificulta as coisas para quem não quer aprender como usar o vi. 

(Esses argumentos se aplicariam da mesma forma se o git escolhido Vim. Vi for como o modo rígido do Vim, com menos recursos, falta de realce de sintaxe e nenhuma indicação de qual modo você está. Até os usuários do Vim podem se sentir perdidos e perplexos ao usar o vi .)

Pela proposta, o Nano seria o padrão, mas o Vi ainda seria fornecido nas instalações do Fedora para os interessados. Detalhes dessa proposta de mudança através do Wiki do Fedora.

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.