in

França pede proibição de criptomoeda Libra na Europa

Neste artigo, veja as razões que levaram a França a pedir proibição de criptomoeda Libra na Europa inteira e as dúvidas existentes sobre ela.

O ministro da Economia da França, Bruno Le Maire, declarou que seu governo pretende bloquear o desenvolvimento da criptomoeda Libra do Facebook na Europa por causa das ameaças que ela representa à segurança e estabilidade financeiras.

França quer proibir a Libra na Europa

Durante comentários em uma conferência da OCDE dedicada a criptomoedas, Le Maire disse que os riscos são simplesmente grandes demais e a confiança no Facebook é muito baixa, segundo o jornal francês Le Figaro.

Le Maire disse:

Quero ser absolutamente claro: nessas condições, não podemos autorizar o desenvolvimento da Libra em solo europeu.

Ele acrescentou um aviso severo sobre o potencial de danos, dizendo:

A soberania monetária dos estados (europeus) está em jogo.

França pede proibição de criptomoeda Libra na Europa
Acima: Bruno Le Maire, ministro da economia e finanças da França. Foto: VentureBeat / Chris O’Brien.

Igualmente, Le Maire foi sincero em sua oposição à Libra nos últimos meses. Mas, embora pareça que ele agora queira integrar toda a Europa, não ficou claro pelas suas observações que órgão ou mecanismo organizacional poderia criar tal proibição em todo o continente.

Ainda assim, sua declaração foi um sinal da imensa desconfiança que ainda assombra a gigante rede social.

Em junho, o Facebook anunciou sua criptomoeda Libra, que segundo ela seria governada por uma associação global de 28 organizações com sede em Genebra. Além disso, a rede Libra que permite a criptomoeda deve entrar em operação em 2020.

Os planos ambiciosos do Facebook

O Facebook também criou a Calibra, uma subsidiária para criar serviços financeiros para a Libra, incluindo uma carteira digital que funciona nos serviços de Messenger e WhatsApp da empresa.

David Marcus, chefe da Calibra, em um comunicado na época, disse:

Libra tem o potencial de fornecer a bilhões de pessoas em todo o mundo acesso a um ecossistema financeiro mais inclusivo e aberto. Logo, estamos ansiosos para participar da rede Libra como membro fundador, bem como por fornecer à nossa comunidade acesso à Libra através do Calibra. Dessa forma, sabemos que a jornada está apenas começando, mas juntos podemos cumprir a missão da Libra de criar uma moeda global simples e infra-estrutura financeira que capacitará bilhões de pessoas.

Mas desde que a Libra foi anunciada, o Facebook enfrentou uma enxurrada de críticas de formuladores de políticas e fiscalizadores financeiros em casa e no exterior.

Oposição também nos EUA

Nas audiências do Congresso em julho, os senadores dos EUA estragaram o plano.

O senador democrata Sherrod Brown, membro do ranking do Comitê Bancário do Senado, em seu discurso de abertura, disse:

O Facebook demonstrou, escândalo após escândalo, que não merece nossa confiança. Seria uma loucura dar a eles a chance de experimentar as contas bancárias das pessoas.

As autoridades do Reino Unido também expressaram dúvidas, mas a França tem sido mais forte em seu ceticismo.

Durante o verão, a França liderou a criação de uma força-tarefa do G7 para estudar o impacto de criptomoedas como a Libra e como os bancos centrais podem regulá-las.

Segundo o relatório do Le Figaro, Le Maire disse que está perturbado com os riscos envolvidos em permitir que uma empresa com mais de 2 bilhões de usuários privatize uma moeda. Ele disse:

Qualquer falha no funcionamento dessa moeda ou no gerenciamento de suas reservas, pode criar um considerável distúrbio financeiro.

Le Maire também disse que moedas como a Libra podem minar o progresso recente na redução do financiamento internacional de atividades ilegais e violentas.

Se gostou, não deixe de compartilhar!

Fonte: Venture Beat

Leia também: Facebook pagará até $10.000 para quem encontrar falhas na criptomoeda Libra

Escrito por Leonardo Santana

Profissional da área de manutenção e redes, astrônomo amador, eletrotécnico e apaixonado por TI desde o século passado.