in

Google esqueceu seu lema? Empresa agora é ‘do mal’?

Ross LaJeunesse, ex-executivo do Google, diz ter visto grandes mudanças culturais na empresa – e não para o melhor.

Google esqueceu seu lema? Empresa agora também é 'do mal'?

Quando se trata de mostrar que se manteve fiel aos seus princípios éticos originais, o Google tem lutado nos últimos anos. Agora, o ex-chefe de relações internacionais da empresa, Ross LaJeunesse, aumentou dificultou, e muito, esta tarefa para o Google. Em um post crítico no blog, o veterano de 11 anos do Google disse que saiu depois de ter sido deixado de lado. Ela alega ter tentado adotar o lema original da gigante da tecnologia – Don’t be Evil. Porém, segundo ele, os executivos estariam mais interessados em acumular lucros. Então, será que o Google esqueceu seu lema? Empresa agora é ‘do mal’?

Google esqueceu seu lema? Empresa agora é ‘do mal’?

Google esqueceu seu lema? Empresa agora também é 'do mal'?
Ross LaJeunesse

Agora candidato democrata ao Senado dos EUA no Maine, LaJeunesse argumentou que uma mudança cultural, que negligenciou a importância da tecnologia para o bem, transformou gradualmente o Google desde que ele ingressou na empresa em 2008.A tal ponto que, em 2019, ele saiu.

‘Não seja mau’ não era mais um reflexo verdadeiro dos valores da empresa, disse LaJeunesse. Não era nada mais do que apenas outra ferramenta de marketing corporativo.

O ponto central de sua decisão foi o relacionamento hesitante do Google com o governo chinês.

No entanto, a história começa bem antes. Em 2010, quatro anos depois que o gigante de buscas e publicidade entrou no país, o Google se tornou a primeira empresa não chinesa a enfrentar o governo chinês, recusando-se a cumprir os requisitos de censura.

A medida ameaçou a presença do Google no mercado da Internet que mais cresce no mundo – bem como todos os lucros que uma base de usuários de cerca de 400 milhões poderia gerar.

Embora difícil, disse LaJeunesse, fiquei muito orgulhoso da abordagem baseada em princípios que a empresa adotou ao tomar essa decisão.

Porém, tudo mudou. Google abandona princípios.

Google esqueceu seu lema? Empresa agora também é 'do mal'?

Avancemos alguns anos e as coisas já estavam começando a azedar. Em 2017, ficou claro que o Google estava, afinal, trabalhando em uma nova versão do Search – censurada, feita especificamente para a China e com o codinome ‘Dragonfly’.

A mudança de opinião, argumentou LaJeunesse, veio de executivos de produtos ficando “cada vez mais frustrados” pela oportunidade perdida que viram no crescimento do mercado chinês.

Google esqueceu seu lema? Empresa agora também é 'do mal'?
Arte BBC

A LaJeunesse está longe de ser a única a manifestar preocupação com os novos planos da empresa de cooperar com o governo chinês. Centenas de funcionários do Google assinaram uma carta aberta pedindo que a empresa de buscas abandonasse o Projeto Dragonfly, que eles argumentavam que tornaria o Google “cúmplice” de opressão e violações de direitos humanos.

Ao mesmo tempo, emergiu que as equipes de segurança e privacidade estavam sendo deixadas de fora do projeto. Yonatan Zunger, um veterano de 14 anos no Google encarregado de criar uma análise de privacidade para o Dragonfly, relatou que suas preocupações com os direitos humanos foram rejeitadas pelo chefe de operações da empresa na China.

Por sua parte, LaJeunesse disse:

como alguém que sempre defendia uma abordagem baseada nos direitos humanos, ele ficou de fora do projeto por completo, e um colega foi nomeado para liderar as discussões da equipe política do Dragonfly.

No entanto, nem todos os membros da equipe de privacidade do Google concordaram que as preocupações éticas eram negligenciadas. Em um tweet, Heather Adkins, diretora de segurança e privacidade do Google, disse na época que a conta de Zunger não representava sua experiência de trabalhar no Dragonfly. “Não vi nenhum desvio”, disse ela.

Google e Projeto Maven

Google esqueceu seu lema? Empresa agora também é 'do mal'?

Enquanto isso, no mesmo ano, o Google sofreu controvérsias éticas de todos os lados. Cerca de 4.000 funcionários assinaram uma petição contra o envolvimento da empresa com o Projeto Maven, uma parceria com o Pentágono dos EUA para desenvolver a IA no trabalho militar.

Uma dúzia de funcionários deixou a empresa por acreditar que seu trabalho não deveria ser usado para os negócios de guerra e, por fim, o Google informou que não renovaria seu contrato com o Departamento de Defesa.

Casos de assédio

Também surgiu em 2018 que o co-criador do Android Andy Rubin havia recebido um benefício de saída de US $ 90 milhões em 2014, quando partiu depois de ser acusado de má conduta sexual. Milhares de funcionários fizeram uma paralisação global em protesto contra o manuseio da empresa pelas acusações de assédio.

O CEO Sundar Pichai prometeu reforma, mas um ano depois foi relatado que o conselho de administração do Google concordou em pagar US $ 45 milhões ao ex-executivo Amit Singhal, que deixou a empresa após ser acusado de assédio sexual.

Falhas ambientais

As coisas não parecem muito melhores com o desempenho ambiental da empresa. Embora o Google afirme ter investimentos de longa data em sustentabilidade, acordos recentes assinados com empresas de combustíveis fósseis, como Schlumberger e Total, causaram mais uma carta aberta, assinada por mais de 2.000 funcionários no ano passado, e exigindo uma ação maior sobre as mudanças climáticas.

Colin McMillen trabalhou como engenheiro de software para o Google por nove anos. Ele saiu há um ano, explicando em uma série de tweets:

Eu consideraria trabalhar no Google novamente se a liderança tomar ações concretas e públicas que mostrem que estão comprometidas com a responsabilidade ética e social; não há mais projetos que permitam vigilância/censura do governo e tratando todos os funcionários (incluindo TVCs) com dignidade e respeito.

LaJeunesse seguiu um caminho semelhante. O Projeto DragonFly foi encerrado, e ele recebeu um valor “em troca da minha aquiescência e silêncio”, disse ele.

No entanto, para mim, a escolha foi tão clara quanto a situação. Eu saí. Preferi defender os direitos humanos – e isso me custou minha carreira.

Uma coisa é certa: o Google continua crescendo rapidamente. Resta saber se a gigante da tecnologia conseguirá restaurar a confiança e manter seus funcionários nos próximos anos.

O ZDNet, fonte deste artigo, entrou em contato com o Google e atualizará este artigo se responder.