in

Governo dos EUA anuncia novo programa para proteção de tecnologia sensível

A proposta sugere que as empresas de tecnologia implementem protocolos de segurança.

O governo dos Estados Unidos (EUA) surgiu com uma nova iniciativa de tecnologia sensível para superar os esquemas expansionistas da China e, ao mesmo tempo, derrotar os avanços tecnológicos da Rússia. O plano ajudará a evitar que concorrentes internacionais adquiram propriedade intelectual e tecnologia sensível dos EUA.

A proposta sugere que as empresas de tecnologia implementem protocolos de segurança durante os estágios iniciais de desenvolvimentos tecnológicos avançados. O governo também estará envolvido na análise de risco de alguns projetos e determinará se algumas tecnologias serão transferidas para aliados ou não.

Governo dos EUA anuncia novo programa para proteção de tecnologia sensível

Alguns dos setores de tecnologia que serão cobertos pelo novo programa incluem sensoriamento avançado, tecnologias aero-motoras, inteligência artificial, comunicação e interfaces homem-máquina.

Governo dos EUA anuncia novo programa para proteção de tecnologia sensível
O governo dos Estados Unidos surgiu com uma nova iniciativa para superar os esquemas expansionistas da China.

De acordo com um comunicado:

Os Estados Unidos não farão vista grossa às táticas de países como China e Rússia, que roubam tecnologia, coagem empresas a entregar propriedade intelectual, minam mercados livres e justos e desviam tecnologias civis emergentes para fortalecer suas forças armadas.

As empresas chinesas atualmente têm uma vantagem sobre suas contrapartes americanas privadas porque têm acesso preferencial a fundos governamentais para pesquisa. Elas também têm acesso direto a uma população considerável de 1,3 bilhão que fornece um mercado pronto para seus produtos.

As empresas são apoiadas em seus planos expansionistas, desde que sigam as políticas delineadas pelo Partido Comunista Chinês. Entre os aspectos mais preocupantes está a lei de segurança cibernética do país, que entrou em vigor em 2017. Ela tem uma cláusula que exige que as empresas chinesas que operam no país armazenem dados de usuários no país. Ela também impõe restrições à transferência de dados para entidades estrangeiras.

Essa é uma das razões pelas quais o governo dos EUA está inquieto com o TikTok (aplicativo de vídeo viral que conquistou 100 milhões de usuários nos Estados Unidos). Seu acesso ao mercado americano recentemente se tornou um grande ponto de inflexão devido ao seu acesso aos dados pessoais do usuário. O problema foi escalado para uma questão de segurança nacional.

Fonte: Tech Spot

EUA atinge maior fabricante de chips da China com sanções

China adverte que não assistirá o TikTok sendo dominado pelos EUA

China quer punir Apple, Qualcomm e outras empresas para se vingar dos EUA