Linus Torvalds fala sobre voltar a trabalhar no Linux

Em Edimburgo, na Escócia, Linus Torvalds concedeu entrevista ao site especializado ZDNet. Ele falou sobre o retorno ao Linux, o Código de Conduta e alguns softwares. Além disso, falou sobre o BPF, que está mudando como o kernel Linux e o espaço do usuário trabalham juntos. Confira neste post que Linus Torvalds fala sobre voltar a trabalhar no Linux.

Linus Torvalds reuniu-se com os cerca de 40 desenvolvedores do Linux no Maintainers’ Summit, realizado em conjunto com o Open Source Summit Europe na Escócia. Depois, falou sobre seu retorno ao Linux , a adoção do Código de Conduta Linux (CoC) e como o Filtro de Pacotes de Berkeley (BPF) está mudando o Linux.

O QUE ESTÁ ACONTECENDO?

Linus Torvalds está de volta

Imagem: It’s Foss

Primeiro, Torvalds está de volta ao comando. “Estou iniciando a atividade usual de mesclar a janela agora”, disse Torvalds. Mas não será o desenvolvimento do kernel como de costume. “Nós conversamos sobre o fato de que agora Greg [Kroah-Hartman] tem direitos de escrita para minha árvore de kernel, se será mais fácil apenas dividir responsabilidades, e talvez adicionemos outro mantenedor depois de mais discussões.”

Então, Kroah-Hartman, que administra o kernel estável, terá o direito de opinar sobre o kernel feito por Linus. Pelo menos por enquanto, “os planos da janela de mesclagem é tentar manter tudo normal.

O QUE TORVALDS FEZ DURANTE O INTERVALO?

Torvalds se afastou do gerenciamento do kernel do Linux porque precisava, como ele explicou, “mudar um pouco do meu comportamento , o que prejudicou e possivelmente afastou algumas pessoas do desenvolvimento do kernel”. Ele queria “tirar uma folga e obter alguma ajuda sobre como entender as emoções das pessoas e reagir apropriadamente”.

Então, Torvalds acredita que “até certo ponto a parte mais importante desse processo foi que eu apenas pedi aos mantenedores do KS [Kernel Summit] hoje que me enviassem um e-mail se eles sentissem que eu fui desnecessariamente rude”.

Ele disse: “Nós não queremos que o CoC [Código de Conduta] defina o tom da discussão, eu acho que estamos realmente muito melhor se pudermos tentar ver o CoC como um último recurso que não precise ser usado, simplesmente porque encorajamos as pessoas a tentar resolver quaisquer problemas antes que eles aumentem. ”

Torvalds disse que não criou diretamente o CoC: “Eu realmente me afastei das discussões do CoC porque eu não queria que ele fosse visto como eu estando pessoalmente envolvido na discussão. Então, eu estava praticamente fora e deixei que toda a discussão acontecesse, sem que as pessoas sentissem que eu estava influenciando.” Mas ele “acabou seguindo o e-mail de discussão apenas para não ficar fora do circuito”.

DEIXANDO O COC SOZINHO

Agora que o CoC é literalmente parte do código Linux, Torvalds compartilhou que ele não se importa com o próprio CoC.Ele considera a repercussão e as discussões em torno do código pouco produtivas. “Todo mundo tem uma opinião sobre isso, e há muito pouco acordo ou medidas objetivas sobre o que é o CoC certo”.

Olhando para o futuro, Torvalds disse: “Eu quero deixar isso em paz, e aguardar até que realmente tenhamos problemas reais. Espero que não haja nenhum”, disse Linus. Ele também afirmou que a aplicação do código deve servir para resolver casos concretos, ao invés de apenas pessoas discutindo sobre isso.

Essa também é a visão dos desenvolvedores seniores do Linux. Kroah-Hartman escreveu no Linux Kernel Mailing List (LKML) , “Como discutimos hoje na cúpula dos Mantenedores, vamos deixar o texto do Código de Conduta sozinho por enquanto.”

Kroah-Hartman continuou: “Vamos deixar as coisas se acalmarem e não nos preocuparmos com situações hipotéticas que possam acontecer, já que podemos debater esse tipo de coisa indefinidamente. Se problemas reais surgirem no futuro, nós os abordaremos, pois sempre temos a opção de alterar e revisitar as coisas conforme necessário”.

E O CÓDIGO?

Porém, além das questões pessoais e sociais do Linux, o que acontece com o código?

Nós falamos sobre o aumento do uso do BPF no Linux. Como Jon Corbet, desenvolvedor do kernel e editor do LWN , explicou em um keynote no Open Source Europe, o BPF é uma VM no kernel. É diferente dos demais, porque permite que processos do espaço do usuário funcionem no espaço do kernel.

Tradicionalmente, o Linux é feito do kernel e do espaço do usuário e nunca o twain deve se encontrar – exceto por interfaces de programação de aplicativos (APIs) bem definidas.

O BPF – que tem sido usado tanto para filtragem de rede, como o nome sugere, quanto para análise de desempenho – agora está sendo usado para decisões de política de segurança, seccomp e o futuro módulo de segurança Landlocked . Ao se tornar uma parte cada vez mais importante do Linux, ele está quebrando a barreira entre o kernel e o usuário.

Torvalds não está preocupado:

“O BPF realmente tem sido realmente útil, e o poder real dele é como ele permite que pessoas façam código especializado que não é habilitado até que seja solicitado. Coisas como rastreamento e estatísticas (e obviamente filtros de rede) são exemplos de coisas para uma máquina específica (ou um site específico) que não são do tipo “todo mundo quer o mesmo”. E é aí que toda a dinâmica ‘construa um pequeno programa para ele e o conecte ao xyz’ é realmente útil. “

VOLTANDO AOS PROBLEMAS NORMAIS DE CODIFICAÇÃO

Então, no final, parece que as coisas estão voltando ao normal no desenvolvimento do Linux. Em vez de lidar com questões sociais, Linus está de volta aos problemas de codificação.

Dito isso, a comunidade Linux precisava de um Torvalds mais gentil e amável e uma maneira mais justa e equilibrada de lidar com seus colaboradores. Vamos ver daqui para frente o quão bem tudo funciona.

Fonte

Claylson
Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

ProtonVPN será ofertado pelo Mozilla Firefox!

Previous article

Conheça o Termux e aproveite ao máximo o Linux no Android

Next article

You may also like

More in Notícias