in

Mídias sociais ficam estagnadas e cresce consumo de podcasts

Uma pesquisa anual mostra que o uso de mídias sociais pelos americanos está paralisando, enquanto a propriedade de alto-falantes e tablets inteligentes disparou no último ano, assim como o engajamento dos consumidores com os podcasts.

Mídias sociais ficam estagnadas e cresce consumo de podcasts

Uma pesquisa comprova que o público está mesmo abandonando as redes sociais. Por outro lado, os resultados são promissores para a Amazon e o Spotify em particular. É que o consumo de alto-falantes, tablets e smartphones para consumo de áudio e vídeo não para de crescer. Pelo menos nos Estados Unidos tem sido assim. É o que mostra a Edison Research e a Triton Digital. Elas apresentaram seu relatório Infinite Dial com os resultados de uma pesquisa por telefone com 1.500 americanos (com idade acima de 12 anos) durante janeiro e fevereiro. Desde 1998, o relatório acompanhou a adoção de dispositivos móveis, serviços de mídia social e áudio on-line.

Aqui estão as principais conclusões:

1. Mídias Sociais:

confirmando tendência do ano passado, o mercado de usuários de mídia social parece estar saturado. O percentual de americanos que afirmam já ter usado mídia social é de 79%, acima dos 78% do ano passado, mas abaixo do pico de 80% em 2017.

Entre o Facebook, Instagram, Pinterest, Snapchat, LinkedIn e Twitter, apenas o Instagram viu um aumento no percentual da população que diz usá-lo (39% comparado a 36% em 2018). O Facebook perdeu cerca de 15 milhões de usuários desde 2017, com base nos dados desta pesquisa. Embora a maioria das pessoas com mais de 55 anos agora digam que usam o Facebook, isso não compensa a queda no uso entre os 12 e os 34 anos, de 79% em 2017 para 67% em 2018, para 62% agora.

O Pinterest, que recentemente surgiu para o público, também parece estar perdendo popularidade entre os principais grupos demográficos. Agora, apenas 31% dos americanos na faixa etária de 12 a 34 anos dizem usar a plataforma social, comparado a 36% no ano passado. Apenas 1% afirmam que o Pinterest é o aplicativo social mais usado (comparado a 3% em 2015). Neste contexto, a concorrência potencial do Instagram parece especialmente ameaçadora.

2. Altofalantes inteligentes:

23% dos americanos agora possuem um alto-falante inteligente, com 16% deles possuindo um dispositivo Amazon Alexa (que é mais do que o dobro do percentual que possui um dispositivo Google Home). Apenas dois anos atrás, apenas 7% relataram possuir um alto-falante inteligente. A porcentagem dos proprietários que têm 3 ou mais dispositivos mais que dobrou, de 11% no ano passado para 26% este ano também.

3. Tablets:

Embora a propriedade dos smartphones seja estável, houve um aumento de 12% na população de proprietários de tablets de 50% da população para 56%. De acordo com o comentário do presidente da Triton, John Rosso, o tablet Fire da Amazon liderou o grupo com um crescimento de 23% ano a ano.

4. Áudio Online:

24% dos entrevistados disseram que usaram o Spotify e 12% disseram que usaram a Amazon Music no último mês. Isso se compara a 20% e 9%, respectivamente, no ano passado e coloca a Amazon Music em pé de igualdade com a Apple Music.

5. Podcasts:

32% dos americanos são ouvintes de podcasts mensais, comparado a 26% em 2018, representando o maior crescimento ano após ano nessa estatística desde o início do Infinite Dial. O formato viu um aumento de 33% na popularidade entre os jovens (de 12 a 24 anos) de 30% ouvindo mensalmente para 40%.

Um total de 22% dos americanos são ouvintes semanais de podcasts e essas pessoas consomem uma média de sete episódios por semana. Além disso, em uma mudança simbólica notável, a maioria (51%) dos americanos agora diz que ouviu um podcast pelo menos uma vez.

Os ganhos da Amazon:

A explosão na propriedade de alto-falante inteligente está beneficiando desproporcionalmente a Amazon com seus dispositivos Alexa e o mesmo cenário está ocorrendo em tablets com o Amazon Fire. A empresa é o ganhador mais imediato no crescimento desses mercados.

Além disso, as pessoas que possuem um alto-falante inteligente são muito mais propensas a usar o Amazon Music como seu principal serviço de streaming de música (16% contra 9% para a população geral de pessoas que usaram áudio online).

Isso pode ser uma mera correlação que a Amazon Music tem um grupo demográfico mais antigo (de acordo com esses dados) e os alto-falantes inteligentes são comprados por um grupo demográfico mais antigo; por outro lado, pode sugerir que as pessoas que compram alto-falantes inteligentes geralmente adotam o serviço de streaming padrão da Amazon Music. Se o último for verdade em um grau substancial, ele sugere que o impulso da Amazon Music contra a Apple Music (e outros serviços de streaming) provavelmente só irá melhorar.

O impulso de podcast no Spotify:

O Spotify está fazendo uma grande jogada no podcasting. Sua participação de mercado está crescendo substancialmente, superou o aplicativo de podcast da Apple em popularidade em vários países e acaba de anunciar um grande compromisso com o formato que incluiu a aquisição da Anchor e da Gimlet.

De acordo com a pesquisa Infinite Dial, a porcentagem de usuários do Spotify entre 12 e 24 anos que ouvem podcasts saltou de 32% no ano passado para 54% este ano. Isso é 69% de crescimento ano após ano. Isso mostra que os usuários do Spotify estão comprando sua nova promoção de conteúdo de podcast. Isso também dá credibilidade ao argumento de que o Spotify está expandindo o mercado de ouvintes de podcasts, não apenas roubando usuários de outros aplicativos de podcast.

São nada menos que 207 milhões de usuários ativos mensais. Deste total, 96 milhões são pagantes.

Você pode rever o baralho completo do Infinite Dial aqui .

Fonte

Written by Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

a-batalha-entre-o-open-source-falso-e-o-verdadeiro-continua

A batalha entre o open source falso e o verdadeiro continua!

o-google-comeca-a-vender-o-coral-dev-board-um-kit-de-hardware-para-acelerar-os-processos-de-inteligencia-artificial

O Google começa a vender o Coral Dev Board, um kit de hardware para acelerar os processos de Inteligência Artificial.