in ,

Millennials emprendedores: os créditos aos que se pode ter acesso na indústria dos videogames

Novos jogadores, novo tempo, novos jogos!

A primeira coisa em que se pensa se falar em videogames é no entretenimento. Quem nunca jogou algum jogo, seja online, ou através de dispositivos do tipo Xbox, Nintendo, etc.? A verdade é que por trás dessa diversão, tem uma indústria enorme e ainda com amplíssimas possibilidades de crescimento. Se calcula que no mundo todo mais de 2.3 bilhões de pessoas são jogadoras, e que os jogos eletrônicos já movimentam mais dinheiro do que a música e o cinema juntos: gerando perto de US$ 130 bilhões por ano em comparação aos US$39 bilhões produzidos pelo cinema ou US$17 bilhões no campo da música.  

Pensando no Brasil, a Pesquisa Game Brasil (PGB) mostra que este se tornou um dos anos em que mais pessoas jogaram videogames no país. Com um aumento de 7,1% de jogadores a mais em relação ao ano passado, na atualidade 73,4% dos brasileiros jogam jogos eletrônicos. E mesmo que possa ter começado como um hábito preferentemente praticado por homens, a pesquisa vem derrubando esse preconceito refletindo que esse é o quinto ano consecutivo do estudo no qual o público feminino aparece como maioria entre os gamers: quase 70% das mulheres do Brasil jogam videojogos e representam 53,8% dos jogadores no país.

Um setor atraente mas que precisa de financiamento

Para os investidores trata-se do momento ideal para dirigir o interesse neste setor. É que o período de isolamento social que a população vem experimentando faz meses, consequência da pandemia do coronavírus, provocará um crescimento do mercado de games da América Latina em 10,3% neste ano (abrangendo jogos para computadores, smartphones e consoles), com uma receita projetada em US$ 6 bilhões, podendo atingir os US$8 bilhões em 2023, de acordo com a empresa Newzoo.

A América Latina é a segunda região com maior crescimento para este ano, com 266 milhões de pessoas que jogam em alguma das plataformas, chegando a representar o 10% do total de jogadores no mundo. Daí que muitos olhos estejam focados em companhias de desenvolvimento de videojogos. 

Mesmo que hoje em dia as empresas mais atraentes possam ser Microsoft e Sony, com o anúncio de seus consoles Xbox Séries X e o PlayStation 5, as mesmas são de capital fechado portanto não tem como contar com participação nas ações. Ainda assim, algumas das maiores companhias da área com capital aberto, como a Nintendo, Electronic Arts, Capcom, Take-Two, Activision-Blizzard e Ubisoft, apresentam um comportamento atraente e com relativa estabilidade desde o crash generalizado de março, que marcava o início da pandemia. 

Que opções de financiamento tem quem procura desenvolver um videogame?

O fato é que até agora falamos de empresas já bem consolidadas e com maior facilidade no que tem a ver com o acesso ao financiamento. Mas é preciso lembrar que hoje em dia são muitos os aplicativos e jogos eletrônicos que são criados por os jovens millennials e, mesmo que depois possam virar grandes companhias, nenhum desses microempreendimentos consegue decolar som a primeira injeção de capital. Então, quais são as maneiras em que o criador pode conseguir aquele primeiro empurrão? 

Uma das opções escolhidas por aqueles jovens criadores de jogos por hobby é se manter no emprego formal deles para arcar, não só os gastos do cotidiano, mas também dos precisos para o jogo mesmo. Se bem a pessoa conserva a segurança de um trabalho estável, a principal desvantagem disto é que, contando com menos tempo livre, fica difícil que os videogames sejam mais que um passatempo. Mais uma opção bastante comum é que o criador passe um período de tempo poupando dos seus ingressos para depois conseguir tirar um ano sabático por exemplo, e se dedicar ao projeto no 100%. Isto principalmente exige um bom planejamento do uso do capital disponível e levar em conta quais são as verdadeiras possibilidades de obter um novo emprego se o objetivo não dá certo.

Para quem não se encaixa nas primeiras duas opções, a primeira palavra é: solicitar um empréstimo. Como a maioria dos empreendimentos quando eles estão começando, costuma ser necessário pedir dinheiro emprestado para dar o impulso. Um jeito se consegui-lo é mediante o apoio financeiro de familiares e amigos próximos. É mais comum obter capital desse jeito quando o desenvolvedor já criou alguns produtos positivos e conta com credibilidade, portanto fica mais fácil fazer a “vaquinha” com pessoal conhecido. O fator mais atraente desta opção é que, se o dinheiro foi entregue em termos de crédito e não de investimento com futura divisão de lucros- ele costuma ter juros bem mais baixos dos que poderia exigir um banco. 

Mesmo que alguns empreendedores rejeitem a ideia, existe a opção de solicitar o crédito numa entidade financeira (bancos tradicionais, fintechs, etc.), as quais costumam contar com linhas especificamente dirigidas para diversos tipos de projetos. No final, mesmo que não estejamos acostumados a pensar desse jeito, desenhar e criar um videogame é um empreendimento sim e como outros, existem créditos com condições particulares. 

Para quem estiver interessado em procurar dinheiro para poder lograr seu objetivo nessa área, é importante se informar sobre créditos para microempreendedores. É que atualmente no Brasil a maioria das instituições financeiras já oferecem os chamados MEIs (crédito para microempreendedores individuais), com mais de 150 linhas oferecidas.

Para que o desenvolvedor possa ser titular de um destes créditos, precisa cumplir com os seguintes requisitos: declarar um faturamento de até R$ 81.000 anuais, não participar como sócio, administrador ou titular de outra empresa, contratar um empregado no máximo, e realizar uma das atividades econômicas previstas na Resolução CGSN N° 140 de 2018 (a própria resolução prevê como atividade contemplada a “elaboração de programas de computadores, inclusive jogos eletrônicos, desde que desenvolvidos em estabelecimento da optante”.

Atualmente com a crise econômica gerada pela irrupção do coronavírus, os bancos vêm disponibilizando mais e melhores opções para os empreendedores. Por exemplo o Banco Santander, habilitou microcréditos para MEI com um limite de até R$ 21 mil. Existem muitas mais opções e todas elas podem ser pesquisadas através dos sites oficiais, seja dos bancos como das fintechs.

Mais jogadores de PC estão se voltando para os processadores da AMD

Escrito por Emanuel Negromonte

Fundador do SempreUPdate. Acredita no poder do trabalho colaborativo, no GNU/Linux, Software livre e código aberto. É possível tornar tudo mais simples quando trabalhamos juntos, e tudo mais difícil quando nos separamos.