in

Provedores de IPTV pirata aproveitam brecha do mercado para aumentar faturamento

Com a quarentena o consumo de Provedores de IPTV pirata triplicou!

A tecnologia de transmissão de televisão pela internet aproveita a relação entre oferta e demanda para atingir uma fatia da população que deseja uma alternativa mais barata em relação à televisão paga tradicional. Imagine ter que assinar quatro serviços diferentes e pagar quase 440 reais por mês para assistir futebol na TV fechada.

Na conversão direta, esse é o valor aproximado que um francês, por exemplo, paga para assistir o Campeonato Francês da primeira e da segunda divisão, a Liga dos Campeões, a Liga Europa e os principais campeonatos da Europa, sem considerar a necessidade de ter internet e aparelhos especiais para possibilitarem o acesso aos canais no serviço oferecido de 30 em 30 dias. Sabendo do alto custo que se paga para ter momentos de lazer, o https://yoyocasino.com/br/ oferece uma grande variedade de jogos.

Somados ao seu vasto leque de opções, oferece também bônus para aprimorar a experiência, além de ser uma empresa séria que respeita seus usuários. Dentro de tanta burocracia, acordos contratuais pouco vantajosos e serviços que nem sempre entregam o que prometem, o mercado ilegal de IPTV ganha relevância pelo preço e praticidade.

Com um custo quase dez vezes menor em relação ao preço anual cobrado por uma operadora legal e com uma acessibilidade diversificada e de fácil entendimento, os pacotes de serviços de televisão ligados à internet oferecem acesso aos canais do mundo todo em computadores, celulares ou smart TV através de aplicativos especialmente dedicados a cada plataforma específica.

No Brasil, se o valor mensal de um pacote com Internet, TV e telefone ultrapassa os 250 reais mensais, só o acesso à internet de fibra óptica com uma velocidade mínima já garante o funcionamento de um plano IPTV alternativo e ilegal. Por cerca de 320 reais, o cliente é capaz de ter todos os canais disponíveis na mesma grade das operadoras de TV a cabo e ainda pode assistir filmes e séries pouco tempo depois dos mesmos terem estreado na TV ou nos cinemas durante um ano sem qualquer custo adicional.

A tecnologia de IPTV cresce mais ainda com a combinação de seu serviço junto às TV Box. Cada aparelho da categoria funciona como um minicomputador, com seu processador, memória e capacidade de armazenamento rodando sistemas operacionais para rodarem e reproduzirem conteúdos de mídia como uma central de tecnologia e interatividade dentro do conceito TV on demand.

Necessitando apenas de um acesso consistente à internet, o IPTV também sai na frente até de assinaturas de TV a cabo ou via satélite na hora de servir regiões em zonas rurais, já que a utilização de internet via rádio é comum em locais distantes dos grandes centros, locais em que a cobertura da rede de cabos não consegue abraçar ou que a troca de informações entre antena do receptor e satélite ficam prejudicadas e demoram dias para serem atualizadas.

O uso da alternativa para a TV ao vivo já se expande cada vez mais no mundo inteiro e está se tornando um problema para os canais esportivos em todo o mundo. “Não é o volume de pirataria mais importante na França, que continua como a terra do streaming. Mas sabemos que é algo presente na região da África e está chegando aqui. O streaming pode ser ultrapassado pelo IPTV”, declarou Caroline Guenneteau, diretora jurídica dos canais beIN Sports, responsáveis por uma parcela dos direitos esportivos na França.

Em 2019, uma operação policial derrubou o Xtream Codes, uma ferramenta de gerenciamento de listas de TV pela internet, e resultou na queda de vários servidores em todo o mundo que eram utilizados como intermediários na transmissão de canais de forma ilegal entre vendedor e cliente. Já em 2020, um grande serviço de IPTV que operava na Europa foi suspenso após o esforço conjunto de autoridades da França, Alemanha, Itália, Dinamarca, Estados Unidos e outros países estrangeiros.

Escrito por Emanuel Negromonte

Fundador do SempreUPdate. Acredita no poder do trabalho colaborativo, no GNU/Linux, Software livre e código aberto. É possível tornar tudo mais simples quando trabalhamos juntos, e tudo mais difícil quando nos separamos.