in

Recomeça a Guerra dos Browsers: Google ataca Microsoft Edge e diz que extensões do concorrente são inseguras

Aviso não é exibido para outros navegadores Chromium

Recomeça a Guerra dos Browsers: Google ataca Microsoft Edge e diz que extensões do concorrente são inseguras

A famosa Guerra dos Browsers, ocorrida no começo da internet e contra o navegador Microsoft Internet Explorer, parece estar de volta. O alvo desta vez é o novo Microsoft Edge que acaba de estrear com muitas funções e virá instalado no Windows 10, recebendo também atualizações pelo sistema diretamente. O ataque partiu de ninguém menos que o líder do mercado, o Google Chrome, talvez antevendo o que pode ocorrer num futuro não muito distante. O Google está mandando um alerta aos usuários do Microsoft Edge para mudarem para o Chrome se quiserem ter extensões “seguras”.

Recomeça a Guerra dos Browsers: Google ataca Microsoft Edge e diz que extensões do concorrente são inseguras

Recomeça a Guerra dos Browsers: Google ataca Microsoft Edge e diz que extensões do concorrente são inseguras

A Guerra dos Browsers ou guerra dos navegadores Web, é o nome dado a um período (aproximadamente de 1995 a 1999) na história da Internet no qual a empresa Netscape, produtora do software browser (navegador) de mesmo nome, perde a sua liderança absoluta no mercado de softwares dessa categoria para a empresa Microsoft, produtora do Internet Explorer. A Guerra dos Browsers teve grande importância na área de informática pois resultou numa reversão total no uso de um software para outro, além de gerar projetos como o Mozilla e o Opera.

Neste período a Microsoft foi processada pela Netscape alegando que a sua concorrente estaria utilizando táticas monopolistas para ganhar o mercado de browsers, já que a mesma, segundo a Netscape, se aproveitou de sua liderança no mercado de sistemas operacionais (Windows 95Windows 98) e adicionou o Internet Explorer. Dessa forma os usuários, pela praticidade, iriam automaticamente utilizar este ao invés de fazer o download do Netscape.

Após a grande mudança que ocorreu, e com versões para todos os sistemas, inclusive Linux em breve, parece que o novo Edge baseado no Chromium (do próprio Google) está assustando o líder. Portanto, ele está rodando no mesmo mecanismo do Google Chrome e em uma série de outros aplicativos como Vivaldi e Opera.

A transição do EdgeHTML para o Chromium permitiu à Microsoft não apenas tornar o Edge um navegador de plataforma cruzada, mas também aproveitar todos os benefícios de um aplicativo Chromium, incluindo o acesso ao vasto ecossistema de extensões do Google Chrome.

Porém, apesar de usar o mesmo mecanismo do Google Chrome, o Microsoft Edge ainda não está listado como um navegador totalmente compatível para a Chrome Web Store, com usuários recomendados para alterar os navegadores sempre que tentarem instalar uma extensão.

Navegadores Chromium na Chrome Web Store

Se você carregar a página oficial da Chrome Web Store no Microsoft Edge, deverá receber uma mensagem dizendo “O Google recomenda mudar para o Chrome para usar extensões com segurança”. Um link para baixar o Google Chrome também é fornecido na notificação.

Desnecessário dizer que a mensagem não aparece no Google Chrome, mas o mais surpreendente é que também não aparece em outros navegadores baseados no Chromium, incluindo Opera e Vivaldi. Portanto, apesar de serem baseados no mesmo mecanismo, o Microsoft Edge e o resto da multidão são tratados de maneira diferente por algum motivo.

Você ainda pode ignorar a notificação e instalar extensões no Microsoft Edge da Chrome Web Store, embora seja necessário habilitar o suporte à loja de terceiros a partir do próprio navegador.

Da mesma forma, o Microsoft Edge vem com sua própria loja de extensões, e a Microsoft recomenda verificar isso antes de recorrer a lojas de terceiros. A diferença entre este e outros é que ele inclui apenas extensões de alta qualidade que são verificadas pela própria Microsoft; portanto, instalá-las não deve expor seus dados a qualquer risco. Obviamente, o Google promete o mesmo para a Chrome Web Store, por isso é de sua responsabilidade decidir qual loja usar.

Fonte: Softpedia

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.