in

Serpent OS é uma Linux Distro em desenvolvimento para máquinas modernas

Haverá interoperabilidade com o macOS-plus-Windows.

Serpent OS é uma Linux Distro em desenvolvimento para máquinas modernas

O Linux é bem conhecido pela liberdade que dá para personalizar, criar e distribuir, seja o próprio sistema, seja a aparência, programas etc. Não à toa, temos cerca de 500 sistemas operacionais baseados em Linux. E mais uma está chegando para compor esse time de distribuições. A mais nova distro Linux em desenvolvimento para máquinas modernas é a chamada Serpent OS.

A Serpent OS é um novo projeto anunciado por Ikey Doherty, atualmente CEO da Lispy Snake e também ex-líder e fundador do Solus OS. Ele é a pessoa que nos deu uma das mais belas distribuições Linux, a Solus OS e ambiente de desktop Budgie. Já havíamos falado sobre a saída dele do projeto Solus e o investimento no setor de games.

Serpent OS é uma Linux Distro em desenvolvimento para máquinas modernas

Agora, ele está criando uma distribuição Linux verdadeiramente moderna, com objetivos notavelmente diferentes da oferta convencional. Para saber o que isso significa exatamente, antes você precisa saber o que o Serpent Linux não será.

O que o Serpent Linux não é

Como Ikey diz, se você está procurando uma distribuição de desktops Linux moderna, leve, fácil de usar e focada na privacidade, está no lugar errado. Serpent não é uma distribuição ‘GNU/Linux’, pois será independente da cadeia de ferramentas ou do tempo de execução GNU.

A equipe de desenvolvedores da Serpent visa a criar uma distribuição Linux para pessoas que desejam usar o Linux, não um “sistema operacional baseado em Linux”, com foco na interoperabilidade com o macOS-plus-Windows. Em palavras simples, o Serpent Linux não é um sistema operacional para todos. Pelo contrário, é uma distribuição Linux avançada que será modular e otimizada para máquinas modernas. Portanto, você deve considerar se deseja usar a distribuição como Linux.

Serpent OS é uma Linux Distro em desenvolvimento para máquinas modernas

Agora já dá para ter uma ideia mais clara do que será o Serpent Linux. Definitivamente, não será para iniciantes e pessoas que desejam executá-lo em seu hardware mais antigo.

Além disso, Ikey também diz que a Serpent pode não fornecer suporte de driver proprietário que atrasa o desenvolvimento do Linux. Por exemplo, a NVIDIA e sua falta de suporte acelerado ao Wayland em suas GPUs. Portanto, eles podem colocar na lista negra os drivers proprietários da NVIDIA na distribuição Serpent.

Por outro lado, até o momento, não se sabe exatamente o que vem junto com uma imagem  Serpent. Assim, não se tem ideia sobre quais programas farão parte da distribuição. No entanto, aqui estão alguns recursos revelados até agora.

  • Sistema systemd init
  • Não há mais divisão usrbin
  • 100% clang-built throughout (incluindo kernel)
  • musl como libc, confiando nas otimizações do compilador em vez do inline asm
  • libc ++ em vez de libstdc ++
  • Variantes binutils do LLVM (lld, as etc.)
  • Mixed source/binary distribution
  • Afastando-se da linha de base genérica x86_64 para CPUs mais recentes, incluindo otimizações específicas da Intel e AMD
  • Assinaturas baseadas em capacidade no gerenciador de pacotes (Hardware/escolha do usuário/etc)
  • Apenas UEFI. Não há mais inicialização herdada.
  • Código-fonte completamente aberto, até os scripts de inicialização/reconstrução
  • Otimizado para atividades pesadas.
  • Aplicativos de terceiros dependentes apenas de contêineres. Sem compat-hacks
  • Somente Wayland
  • Ferramentas de gerenciamento e upstreaming de patches

Além disso, por falar em datas de lançamento, o projeto está atualmente em uma fase de bootstrap stage1, com o stage2 pronto. O processo de criação do projeto está em andamento e o desenvolvimento começará adequadamente até o final de julho de 2020.

Fossbytes