Como a Red Hat, empresa de código aberto, chegou a valer US$ 34 bilhões

Como já sabemos, a Red Hat, foi adquirida pela IBM por 34 bilhões de dólares. Não se trata de uma empresa qualquer. Ela triunfou com Linux e código aberto. Foi a maior transação da história de uma empresa de software. São 25 anos de história. A Red Hat demonstra que apostar no código aberto pode gerar lucros milionários. Além disso, mostra que acreditar no Linux e em sua filosofia de colaboração pode ser a base de um negócio de proporções gigantescas. Mas como a Red Hat chegou aqui? Nesta postagem, acompanhe como a Red Hat, empresa de código aberto, chegou a valer US$ 34 bilhões.

Uma sala de costura e um apartamento de solteiro

Hoje a Red Hat tem uma capitalização de mercado de US$ 20,5 bilhões. As receitas chegaram, em 2017, a mais de US$ 2,4 bilhões. Da mesma forma, espera-se que este ano ultrapasse esses números. Porém, em 1994, a empresa se resumia a dois caras vendendo CDs de uma distribuição Linux .

Marc Ewing criou sua própria distribuição, Red Hat Linux, e vendeu os CDs de seu apartamento de solteiro na Carolina do Norte. Bob Young tinha um pequeno negócio de vendas de catálogos montado na sala de costura de sua esposa.

Naquela época, ele descobriu que havia interesse em Linux e comprou alguns CDs de Marc. Bob vendeu muitos daqueles CDs. Assim, ele e Marc uniram forças e, em 1995, Red Hat Software nasceu com Bob como seu CEO .

Dois caras vendendo CDs com Linux

Em vez de trabalhar de forma isolada, protegendo segredos comerciais e registrando patentes de produtos proprietários, a Red Hat optou pelo Linux. Nem precisa dizer que o sistema operacional está em constante evolução e é desenvolvido de forma aberta por uma comunidade.

Até hoje, Bob agradece a outros como Stallman e Linus Torvalds e ao resto da comunidade de software livre e código aberto por suas contribuições. Ninguém poderia ter sucesso assim sem a ajuda de outros.

Linux e Microsoft (David x Golias)

Microsoft diz que vai proteger o Linux

Em sua própria página de histórico, a Red Hat se apresenta como a empresa que foi o David para o Golias da Microsoft. No final dos anos 90, a Microsoft estava enfrentando problemas com a lei dos Estados Unidos por práticas monopolistas. Portanto, foi durante esse período que a Red Hat de código aberto emergiu como líder .

Uma das frases favoritas de Bob Young para explicar o seu produto, os benefícios do código aberto e Linux foi “não comprar um carro com o capô fechado permanentemente.”

Em 1999, a Red Hat divulgou um IPO recorde para uma empresa de tecnologia. Dois anos depois, a Microsoft afirmou que “o Linux era sua pior ameaça”. Uma Microsoft muito diferente da que agora dá patentes para proteger o Linux e também investe em suas próprias aquisições de código aberto.

Durante anos, o Red Hat Linux foi um produto vendido em caixas ao lado do Windows da Microsoft. Eles ganharam dinheiro esperando que as pessoas comprassem a nova versão do CD. Geralmente, isso ocorria a cada seis meses. Além disso, também vendiam coisas como camisas e adesivos.

O grande salto

Embora eles fossem uma empresa de código aberto, o sistema de distribuição era bastante convencional. Mas em 2001 tudo mudou. O Red Hat Linux, principal fonte de receita da empresa, se esgotaria. Em vez disso, começaria a vender o Red Hat Enterprise Linux sob um modelo de assinatura.

Software como serviço

A história da Red Hat 1993-2016

A Red Hat não é a única empresa que aproveitou os benefícios do código aberto para ganhar dinheiro. No entanto, foi a primeira a demonstrar que isso poderia ser feito em larga escala. Na verdade, eles foram a primeira empresa nesse campo a alcançar lucro de US$ 1 bilhão.

Como eles fazem isso? Principalmente vendendo suporte premium para seus produtos. A Red Hat não oferece apenas seu sistema operacional, mas também serviços de virtualização, gerenciamento de soluções em nuvem, tecnologias de armazenamento e muito mais.

A Casa Branca, a DreamWorks, a Amazon, a bolsa de valores de Nova York e até a Microsoft usam soluções da Red Hat

Os produtos da Red Hat são usados por mais de 90% das empresas da Fortune 500. Eles são responsáveis pelo Linux estar presente em companhias aéreas comerciais, empresas de telecomunicações, bancos, instituições governamentais e muito mais.

A Casa Branca é um cliente da Red Hat. Em 2002, a DreamWorks criou o primeiro filme completamente criado usando o Red Hat Linux. Em 2009, o Red Hat Enterprise Linux tornou-se o único sistema operacional para o Amazon EC2. Em 2010, a Bolsa de Valores de Nova York escolheu a plataforma Red Hat para usar como plataforma financeira.

E em 2015, até a Microsoft fez uma parceria com a Red Hat para oferecer soluções no Azure.

O caminho para a IBM

Ibm Red Hat

A Red Hat já havia trabalhado com a IBM. A empresa é uma de suas parceiras há 20 anos. Após a aquisição, a Red Hat se tornará uma unidade da divisão Hybrid Cloud da IBM. Isso a tornará um gigante ainda maior no negócio de nuvem híbrida.

Pelo menos por enquanto, a IBM diz que manterá o legado de código aberto da Red Hat. Até promete “melhorar sua extensa comunidade de desenvolvedores”. Lembre-se de que a Red Hat é o segundo maior colaborador corporativo do kernel Linux.

Além disso, existem projetos como o Fedora, independentes, mas que se beneficiam do patrocínio da Red Hat, que ao mesmo tempo se beneficia da colaboração com a comunidade.

Jim Whitehurst, atual CEO da Red Hat, que está na empresa desde 2007, fará parte da equipe de gerenciamento da IBM e ficará abaixo da CEO da IBM, Ginni Rometty. Whitehurst acredita que a IBM oferecerá a eles os recursos necessários para acelerar o impacto do código aberto e levar a Red Hat até mesmo para um público maior.

A IBM continuará comprometida com a governança aberta da Red Hat, contribuições de código aberto, participação na comunidade de código aberto e no modelo de desenvolvimento, além da promoção de seu amplo ecossistema de desenvolvedores. Além disso, a IBM e a Red Hat continuarão comprometidas com a contínua liberdade do código aberto, por meio de esforços como a Promessa de Patentes, o Compromisso de Cooperação da GPL, a Rede de Invenções Abertas e a LOT Network.

O código aberto e a comunidade sempre foram os pilares fundamentais da Red Hat. Portanto, não é de surpreender que a IBM queira deixar claro que, nesse aspecto, as coisas não mudarão. Assim, se o fizerem, será para melhor.

Fonte

 

Claylson
Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

IBM Comprou a Red Hat Software: não há medo, exceto o de si mesmo

Previous article

Chip (Cartão SIM) habilitado com Tor garante comunicação anônima

Next article

You may also like

More in Notícias