in

Richard Stallman critica a Microsoft e pede liberação do código fonte do Windows

Se você gosta tanto de código aberto, peça desculpas pelas coisas horríveis que disse, sugere Stallman, pioneiro em software.

Richard Stallman critica a Microsoft e pede liberação do código fonte do Windows

Após fazer palestra para a empresa, o desenvolvedor Richard Stallman critica a Microsoft. A Microsoft  pode amar o Linux atualmente,  porque faz sentido para os negócios. Porém, o pioneiro do software livre Richard Stallman acha que a Microsoft ainda precisa reparar as coisas desagradáveis que seus principais executivos disseram sobre código aberto no passado e pedir desculpas publicamente por eles. Portanto, Richard Stallman critica a Microsoft e pede liberação do código fonte do Windows.

O ex-CEO da Microsoft, Steve Ballmer, descreveu o Linux e a Licença Pública Geral como um “câncer”. O ex-chefe do Windows, Jim Allchin, também  chamou o código aberto de assassino de propriedade intelectual e anti-americano.

Por que Richard Stallman critica a Microsoft depois de fazer palestra?

Richard Stallman critica a Microsoft e pede liberação do código fonte do Windows

Stallman é um crítico de longa data da Microsoft e fundador do projeto GNU. Portanto, para surpresa de alguns, fez um discurso na Microsoft Research no início deste mês. O movimento do software livre argumenta contra restrições de propriedade, em oposição ao software de custo zero.

De acordo com os participantes, Stallman disse à empresa que o site de compartilhamento de códigos GitHub, da Microsoft, deve levar os usuários a “melhorar a limpeza das licenças de software”, avisar os fabricantes de hardware – que atualmente incluem a Microsoft – a publicar suas especificações e facilitar o desvio do Secure Boot.

Algumas semanas depois, ele renunciou ao cargo no MIT e como presidente da Free Software Foundation (FSF).Isso ocorreu depois de um e-mail que ele escreveu sugerindo que uma vítima do bilionário condenado por agressor sexual Jeffrey Epstein estava “disposta”.

Desculpas aos ataques ao código aberto

Richard Stallman critica a Microsoft e pede liberação do código fonte do Windows

Stallman publicou na semana passada um blog explicando o que ele disse aos funcionários da Microsoft depois que as notícias de sua palestra “levaram a uma certa quantidade de especulações e boatos”.

Entre a lista das 10 recomendações que ele forneceu, Stallman observa que disse aos funcionários da Microsoft que “retomem publicamente os ataques da Microsoft ao copyleft feitos nos anos 2000”.

A Microsoft, sob o comando do CEO Satya Nadella, nunca reconheceu os ataques de Ballmer ao código aberto. No entanto, depois de se demitir da Microsoft, Ballmer disse que agora ama o Linux. Não é à toa. A empresa ganha muito dinheiro com o Microsoft Azure, ao passo que ameaçou o Windows, Office e outras receitas de produtos da Microsoft.

No entanto, Stallman quer principalmente contestar as sugestões de que de alguma forma suavizou sua posição na Microsoft e no software não-livre.

Há quem pense que a Microsoft me convidou para falar na esperança de me seduzir para longe da causa do software livre. Alguns temem que isso possa ter sido bem-sucedido, escreveu Stallman.  

Tenho certeza de que a equipe da Microsoft viu que isso nunca poderia acontecer. Resisti ao trabalho de Steve Jobs em 1989 ou 1990; não sou fácil para quem quer que eu mude de opinião.

Código aberto e software livre

Ele também destaca a distinção entre software de código aberto e o movimento do software livreque muitas vezes são erroneamente vistos como intercambiáveis.

Outra sugestão notável foi que a Microsoft publicasse a interface de hardware do seu capacete HoloLens, para que as pessoas possam usá-lo sem software não-livre.

Mesmo que o nosso software esteja atrasado há anos, será melhor do que não poder usar esses dispositivos, acrescentou.

Richard Stallman critica a Microsoft e pede liberação do código fonte do Windows

E um que parece inimaginável: liberação do código fonte do Windows sob a GNU GPL. No entanto, de acordo com Stallman, essa recomendação não é tão fantástica quanto parece.

Eu sei que é exagero, mas pelo que ouvi lá, não é totalmente impossível, escreveu ele. 

Aqui estão as 10 sugestões de Stallman para a Microsoft:

  1. Ajude a manter os computadores desbloqueados – nenhuma “inicialização segura” que restrinja os sistemas que podemos executar. Inicialização verdadeiramente segura significa que você especifica qual sistema pode executar no seu computador.
  2. Ajude a tornar os periféricos seguros – sem portas traseiras no software incorporado. Isso se aplica a teclados, câmeras, discos e cartões de memória, pois eles contêm computadores e softwares pré-instalados que podem ser substituídos por uma porta traseira universal. Os crackers fazem isso instalando malware neles, o que se torna uma ameaça persistente avançada. Eu posso explicar mais, se desejar.
  3. Desfaça publicamente os ataques da Microsoft ao copyleft feitos nos anos 2000. Ballmer chamou a GPL de “câncer”. Allchin chamou de “antiamericano”.
  4. Incentive a copylefting do código do aplicativo e da biblioteca, talvez até do código do sistema e da ferramenta.
  5. Dirija o GitHub para promover o uso correto e claro de licenças e o melhor uso do copyleft – GPL versão 3 ou posterior.
  6. Ajude a combater os direitos autorais nas interfaces.
  7. Ajude a tornar a Web utilizável com o JavaScript desativado.
  8. Implemente uma plataforma de vendas na Internet anônima que não requer JavaScriptusando o GNU Taler.
  9. Publique a interface de hardware de produtos como o HoloLens para que possamos executá-los sem nenhum software não-livre. Mesmo que o nosso software esteja atrasado há anos, será melhor do que não podermos usar esses dispositivos.
  10. Libere o código fonte do Windows sob a GNU GPL.

Fonte: ZDNet

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

O Kodi é legal ou ilegal?

O Kodi é legal ou ilegal?

Polícia alemã apreende servidores em datacenter alojado em antigo bunker da OTAN

Polícia alemã apreende servidores em datacenter alojado em antigo bunker da OTAN