in

Smartphone Librem 5, da Purism, está mais caro

Smartphone Librem 5, da Purism, está mais caro

Depois de um certo atraso, a Purism está anunciando que os Kits de Desenvolvedor do Librem 5 estão começando a ser enviados. Inicialmente, serão atendidos todos aqueles que fizeram a pré-encomenda das placas de desenvolvedor i.MX8 projetadas para construção do smartphone GNU/Linux inaugural.

Ainda há problemas

Mesmo com o atraso, os kits parecem não estar totalmente bem acabados. Segundo os primeiros relatos dados ao site Phoronix, há problemas nas bordas dos kits.

Ainda há muito trabalho necessário para tornar o kit verdadeiramente funcional para o desenvolvimento do Librem 5. Então, precisamos da sua ajuda. O ritmo frenético de desenvolvimento continua e é surpreendente o quanto conseguimos em dois meses desde que montamos o hardware. Porém, o caminho ainda é longo e árduo, diz um comunicado oficial.

Mesmo com esses desafios e a disponibilidade do kit de desenvolvedores atrasados, a Purism ainda parece confiante. A expectativa é deixar o smartphone Librem 5 totalmente pronto por volta de abril de 2019. Assim, o atraso seria de pouco mais de quatro meses. O plano original era janeiro do ano que vem.

Aparelho ficou mais caro

O Purism também informou que, por enquanto, o telefone Librem 5 custa US $ 599. No entanto, em 2019, o preço será aumentado para US $ 699. Assim, segundo a empresa, será possível cobrir as despesas com o desenvolvimento do telefone e futuros custos de engenharia.

As especificações do telefone permanecem as mesmas:
  • SoC i.MX8M com gráficos Vivante;
  • Tela 720×1440 de 5,7 polegadas;
  • Wi-Fi 802.11 a/b/g/n;
  • Modem SIMCom;
  • 32 GB de armazenamento e 2 a 3 GB de RAM.

Mais informações devem aparecer no blog Purism .

Escrito por Claylson

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

VirtualBox 6.0.4 é lançado com suporte ao Kernel 5.0

VirtualbBox 6.0 é oficialmente lançado com recursos importantes

Facebook vazou dados para Microsoft, Amazon, Spotify e Netflix

Facebook vazou dados para Microsoft, Amazon, Spotify e Netflix