in

É hora de abandonar o Windows? Nunca foi tão fácil usar Linux

A evolução do Linux nos últimos anos atraiu mais usuários mas ainda é difícil furar a bolha.

Se você pensa em sair do Windows ou quer somente experimentar o Linux, talvez seja este um dos melhores momentos para fazer isso. Usar o Linux em 2020 deixou de ser uma tarefa confusa ou complicada para a maioria dos usuários comuns. Ter o sistema hoje é bem diferente de dez anos atrás. Há anos os entusiastas do software livre e os preocupados com a liberdade do usuário e as práticas anti-privacidade de grandes empresas de tecnologia nos contam suas mil e uma razões idealistas para usar o Linux. Porém, esse discurso ainda não empolga a maioria.  Nunca foi tão fácil usar Linux. Entretanto, é chegada a hora de abandonar o Windows?

As pessoas se preocupam mais com outras coisas, por mais triste que pareça. Principalmente seu tempo. O próprio Linus Torvalds sabe disso.Ele aponta a “dificuldade” da instalação como um fator primordial para o Linux não deslanchar entre os desktops. Segundo ele, ninguém quer instalar um sistema operacional.

Para os poucos que desejam, ou pelo menos curiosos, este é um dos melhores momentos para ouvir a recomendação de mudar para o Linux.

É hora de abandonar o Windows? Nunca foi tão fácil usar Linux. Os motivos são os mesmos de sempre

Uso Linux

O grande número de distros e recursos pode confundir mais que ajudar. Afinal, são muitas distros principais e derivadas, empacotamento de programas, adições de camadas de compatibilidade etc e etc. Sempre tem alguém que vai te dizer que existem muitas distribuições Linux especialmente projetadas para todos os tipos de necessidades, que uma será que melhor que outra ou mais livre, ou mais bonita… Enfim, muita informação que faz o usuário comum permanecer com o Windows.

Nada disso importa, escolha o mais simples, o mais conhecido, o mais fácil. Use o Ubuntu e pronto, se você gosta do que tenta e quer tentar outras coisas depois, vá em frente. A maioria das distros grandes e populares atingiu níveis de maturidade como nunca antes. Escolher entre Debian, Fedora, Mint, Ubuntu, SUSE é mais uma questão de gosto.

Estamos em um ponto de maturidade das distros que vale a pena usar, você não precisa ser requintado para ter uma boa experiência.

Com todos eles, você será capaz de fazer basicamente a mesma coisa e ter uma experiência relativamente semelhante. No Linux tudo está mais fácil do que nunca. A transição se você vier do Windows 10 é muito menos indolor do que em outros anos, e a mesma se você for do macOS.

Snap, Flatpak e Mastery of Web Applications

SkypeSkype, de quase morto no Linux, para renascer graças aos pacotes Snap

Você se lembra de procurar um software alternativo ao Windows que funcione no Linux? Com pequenas exceções (Adobe), há muito que pode ser feito hoje simplesmente usando um navegador.

Hoje em dia tudo é serviço, tudo tem um webapp, do Skype ao Microsoft Office. Tanto é verdade que aqueles que preferem aplicativos nativos às vezes sofrem com a escassez de boas alternativas em nosso sistema favorito.

Os pacotes snap e flatpak deram nova vida a aplicativos que ficaram muito atrás de suas versões no Windows e macOS.

A outra grande mudança que chegou recentemente às distros Linux são os pacotes snap do Ubuntu e os pacotes Universal Flatpak. São coisas muito parecidas. Ambos nos oferecem maneiras simples de instalar aplicativos multi-distribuição sem complicações, a partir de um clique na app store de nossa distro favorita.

Aplicativos como Spotify, Skype, Slack, Telegram, VLC, OnlyOffice, Atom, Kodi e muito mais estão por lá. Todos eles têm um pacote snap, o que não só torna a instalação mais fácil para o usuário, mas também torna mais fácil para os desenvolvedores manterem seus pacotes, as atualizações são mais simples e aumentam significativamente as chances de ter a versão mais recente com todas as funções que eles chegam no Windows ou Mac.

Proton, a mudança de paradigma

Steam Linux

Porém, a verdadeira razão e a mais importante para usar sem medo o Linux talvez seja o Proton. O Steam Play provocou uma revolução nesse sentido. É basicamente uma “nova” ferramenta da Valve, ainda em beta, que funciona como o Wine. Na verdade, é uma versão modificada do Wine, e que é usada para jogar videogames do Windows no Linux.

A diferença com o Steam Play e qualquer outra iniciativa anterior para melhorar os jogos no Linux, é que desta vez é um sistema que basicamente não pede nada ao usuário, apenas instala o jogo e o cliente Steam faz todo o resto.

Jogos Linux

O Steam Play chegou inicialmente com um pequeno número de videogames, incluindo alguns top de linha como DOOM ou NieR: Automata. Jogos que funcionam perfeitamente no Linux. E embora eles tenham recomendação oficial da Valve, a comunidade há muito tempo criou sua própria lista de compatibilidade que já ultrapassa 12.000 jogos, dos quais cerca de metade funcionam perfeitamente.

Por outro lado, há constantes melhorias no kernel Linux com suporte cada vez melhor a drivers, uma das maiores dores de cabeça para o usuário médio de 10 anos atrás, fez com que a experiência realmente se transformasse. Até o Steam Controller tinha suporte do kernel Linux alguns anos atrás.

O jogo fácil de usar no Linux

Pela primeira vez na história do Linux, apesar do grande crescimento da biblioteca Steam para Linux nos últimos anos, estamos diante de um cenário no qual jogar em uma distro é incrivelmente fácil, no melhor estilo plug and play. E não apenas uma dúzia de jogos, mas milhares que foram feitos para Windows, não para Linux.

Nada disso significa que de um dia para o outro o Linux vai começar a ganhar pouco mais de 2% do mercado, ou que todos os jogadores podem mudar para o Linux esta noite. Significa apenas que usar o Linux em 2020 é uma experiência muito mais completa até mesmo para os gamers, um setor que sempre se queixou muito do Linux.

É o começo de algo que talvez tenha a maior chance de mudar as coisas para os usuários atuais do Linux e para os usuários em potencial do futuro. E isso é definitivamente uma coisa boa. É hora de abandonar o Windows? Talvez não. No entanto, nunca foi tão fácil usar Linux